Brasil França Portugal Espanha Suiça francesa Suiça alemã Suiça italiana Italia
Registre-se | Conectar:
TwitterCriasaude no TwitterErrorAviso de errosPrintImprimir

Ácido acetilsalicílico

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Introdução Ácido Acetilsalicílico (AAS) -  Aspirina

Acido acetilsalicílicoAcido acetilsalicílico (Aspirina), também conhecido pela sigla AAS, é um fármaco que possui propriedades analgésicas, antiinflamatórias e antipiréticas (antitérmicas). É um inibidor irreversível das enzimas ciclooxigenases 1 e 2. Como ambas COX possuem papel na geração da inflamação, a inibição de tais enzimas reduz o processo de inflamação tecidual.

AAS é utilizado para tratamento de tipos menos graves de dor, como dor de cabeça, cólicas menstruais, e dores musculares. Também é utilizado no tratamento de processos inflamatórios agudos (traumas, por exemplo) ou crônicos (como artrite reumatóide). AAS apresenta muito boa atividade na redução da temperatura e no alívio da dor de cabeça e dores musculares em casos de gripes ou resfriados.

AAS também pode ser utilizado como inibidor da agregação plaquetária, prevenindo a formação de coágulos no interior dos vasos sangüíneos e evitando assim certas doenças ligadas ao aparelho cardiovascular.

Sobre o Ácido Acetilsalicílico

Acido acetilsalicílico AAS

Molécula Química

 

Nome Químico

Ácido 2-acetoxibenzóico

 

Nomes da molécula

Ácido Acetilsalicílico – Abreviação: AAS (Português-Brasil); Acetylsalicylic Acid (Inglês)

Dose AAS

AAS é comercializado na forma de comprimidos, nas dosagens de 85 a 500mg, para uso adulto, e as embalagens contêm de 10 a 100 comprimidos. Para uso adulto, há também a forma de comprimidos efervescentes.

Para uso infantil, AAS é comercializado em comprimidos de 100mg (em geral). AAS não é associado a outros medicamentos.

Posologia e tempo de tratamento

Dor, inflamação e febre

Uso adulto

A posologia usual a ser administrada para tratamento da dor, inflamação e febre é de cerca de 500 a 1000mg, que pode ser administrado em intervalos de 4 a 6 horas, de acordo com a necessidade. Não deve ser ingerida uma quantidade maior que 4g ao dia.

 

Uso Infantil

A posologia e tempo de tratamento para o tratamento infantil costumam variar de acordo com a faixa etária da criança.

Para crianças até um ano de idade, recomenda-se o uso deste medicamento somente de acordo com orientação médica.

Para crianças, de maneira geral, recomenda-se o uso das seguintes posologias, conforme abaixo:

- 1 a 2 anos à 50 a 100mg

- 3 a 5 anos à 100 a 200mg

- 6 a 9 anos à 200 a 300mg

- 10 a 12 anos à 400 a 500mg

As doses descritas acima podem ser administradas até 3 vezes ao longo do dia  e podem variar de acordo com orientação médica. Para facilitar a administração do medicamento, recomenda-se sua utilização juntamente com leite, ou após as refeições.

Como as doses e posologias variam de acordo com cada fabricante, recomenda-se seguir as orientações específicas da bula do medicamento escolhido para tratamento. Antes da administração do AAS em crianças, o profissional médico deve ser consultado.

 

Redução de efeitos trombogênicos (uso adulto)

Como o AAS apresenta efeito de inibição da agregação plaquetária, o mesmo pode ser utilizado para evitar a formação de trombos e os sintomas derivados deste quadro (como, por exemplo, angina instável, distúrbios da circulação cerebral e infarto agudo do miocárdio).

De maneira geral, recomenda-se o uso de 100 a 325mg por dia de AAS, para prevenção de acidentes trombo embólicos.

 

Recomenda-se a consulta com o médico para melhor orientação sobre este tipo de tratamento, levando-se em conta que o mesmo deve ser feito de maneira crônica, ou seja, por um período longo de tempo.

Indicações

- AAS é indicado para o alívio de dores de intensidade leve a moderada, como, por exemplo, dor de cabeça, dor de dente, dor de garganta, dor muscular, dor nas articulações, dor nas costas, dor menstrual e dor derivada da artrite. AAS também é indicado para o alívio sintomático da dor e da febre durante gripe ou resfriados.


- Ademais, porém não menos importante, AAS pode ser utilizado como inibidor da agregação plaquetária, contribuindo, dessa maneira, para a redução de acidentes vasculares trombo embólicos, em pacientes com problemas cardíacos, recém operados ou com história prévia de problemas cardíacos.

Efeitos

AAS é um inibidor irreversível e inespecífico da enzima ciclo-oxigenase, ou seja, inibe de maneira irreversível a COX tipo 1 e tipo 2. Como ambas COX possuem papel na geração da inflamação, a inibição de tais enzimas reduz o processo inflamatório tecidual.

Efeitos adversos

O AAS pode causar irritação da mucosa e sangramento estomacal, em virtude de suas características inibitórias da ciclooxigenase tipo 1.Tal sangramento pode ocorrer especialmente em casos de tratamentos prolongados.

AAS também pode ocasionar náuseas, vômitos e diarréia. Em casos isolados, podem ocorrer alterações da função do fígado e dos rins, queda da glicemia e reações cutâneas graves.

AAS pode ocasionar escurecimento das fezes em virtude do sangramento da mucosa gástrica.

Quando do uso por crianças e adolescentes, AAS pode ocasionar um quadro raro, embora grave, conhecido como síndrome de Reye, doença esta que acomete o cérebro e o fígado.

Contra-indicações

O AAS não deve ser utilizado por paciente que tem doenças no estômago, fígado ou rins. O seu uso é contra indicado em pacientes que apresentam hemofilia (incapacidade do organismo em controlar sangramentos) e em pacientes que estejam fazendo uso de anticoagulantes de qualquer natureza.

Interações

AAS pode aumentar a atividade de anticoagulantes cumarínicos e aumentar a atividade de alguns medicamentos hipoglicemiantes, como, por exemplo, sulfonilúréias. O uso de medicamentos anticoagulantes pode aumentar o efeito hemorrágico que o AAS possui sobre a mucosa gástrica.

O AAS aumenta a atividade de alguns medicamentos, como ácido valpróico, digoxina, barbitúricos e lítio portanto, o uso do AAS dever ser feito com cautela em pacientes que fazem uso destes medicamentos.

O AAS pode ainda reduzir a atividade de medicamentos diuréticos e anti-hipertensivos, portanto, pode ser necessário o ajuste de dose de tais medicamentos.

 

O uso concomitante de álcool pode causar aumento dos efeitos colaterais ao AAS sobre a mucosa gástrica.

Gravidez

De maneira geral, não se recomenda o uso de nenhum medicamento no período da gravidez ou lactação sem prévia orientação médica.

Salicilatos atravessam a placenta e tem mostrado efeito teratogênico em animais. Embora alguns estudos tenham demonstrado alguma ligação entre o AAS e anormalidades congênitas, a maioria dos grandes estudos não demonstraram nenhum risco ou evidência de teratogenicidade. Entretanto, a atividade antiplaquetária da aspirina apresenta um risco potencial e já foram publicados relatos de doenças hemorrágicas em neonatos cujas mães fizeram uso de AAS durante a gestação. Recomenda-se a consulta com o médico antes da administração do AAS durante o período gestacional.

Lactação

Recomenda-se a consulta com o médico quando da necessidade do uso do AAS durante a lactação, visto que os salicilatos, bem como os seus metabólitos, são secretados no leite materno, mesmo que em pequenas quantidades.

Apresentação farmacêutica ácido acetilsalicílico

AAS é comercializado na forma de comprimidos, nas dosagens de 85 a 500mg, para uso adulto, e as embalagens contêm de 10 a 100 comprimidos. Para uso adulto, há também a forma de comprimidos efervescentes.

Para uso infantil, AAS é comercializado em comprimidos de 100mg (em geral). AAS não é associado a outros medicamentos.

Estudos clínicos

Como existe uma relação direta entre a inflamação crônica da mucosa estomacal (gastrite) e câncer de estômago, foi postulado que o AAS, através do dano crônico que causa à mucosa estomacal, poderia causar câncer. No entanto, a fisiopatologia do dano à mucosa, causado pelo AAS é diferente da fisiopatologia da gastrite. Através dos estudos clínicos realizados, foi demonstrado que o AAS ajuda a reduzir o risco de câncer de estômago, devido às suas propriedades antiinflamatórias.

Em 2009, pesquisas publicadas pelo British Journal of Cancer, realizadas com mais de 300 mil pessoas que tomaram ao menos comprimido de AAS nos últimos doze meses à pesquisa mostraram que estas pessoas têm 36% menos chances de desenvolver câncer estomacal comparados ao grupo de pessoas que não fizeram uso do AAS.

Dicas

asma AAS- Pacientes que sofrem de asma, de rinite alérgica, doenças respiratórias crônicas ou que apresentam alergias a antiinflamatórios podem sofrer crises asmáticas após o uso deste medicamento;

 

- O uso prolongado de AAS pode diminuir a função renal em pacientes, portanto o uso prolongado deste medicamento deve somente ser feito sob orientação médica;

 

- AAS não deve ser utilizado por um longo período de tempo, em altas doses, sem acompanhamento médico;

 

- A utilização de álcool e cigarro pode causar alteração na metabolização e excreção de alguns fármacos. Converse com seu médico e farmacêutico a respeito e sempre informe-o(a) da utilização de álcool e bebidas alcoólicas quando do uso de qualquer medicamento;

 

- AAS não deve ser ingerido em quantidades superiores a 4 g por dia em adultos. Para uso infantil, consulte o médico ou o farmacêutico;

 

- Crianças e adolescentes não devem usar este medicamento para tratamento da catapora ou infecções virais sem prévio conhecimento do médico, pois o uso de salicilatos para tratamento de infecções virais pode via a ocasionar síndrome de Reye, uma grave, porém grave, reação adversa do AAS;

 

- Em pacientes que sofrem de doenças hepática ou renais, deve-se diminuir a posologia do medicamento ou aumentar o intervalo entre as tomadas, visto que a metabolização e excreção do medicamento estarão alteradas quando da ocorrência de tais quadros.

AVISO

 

As informações contidas no site criasaude.com.br tem por objetivo somente a informação ao paciente e profissionais da saúde e não substituem, em nenhuma hipótese e situação, a consulta com o profissional médico ou farmacêutico.

 

à Para mais informações, leia a bula específica do medicamento a ser utilizado para tratamento.

Observação da redação: este artigo foi modificado em 23.11.2014.
Controllo di qualità
Última atualização:
23.11.2014

Revisão médica da página:
Atualização (design, fotos, animações):


Correção de sintaxe, ortografia e gramática:


PUBLICIDADE

Quickinfos top

Temas



IMC

NOTÍCIAS

Brasil tem cerca de 40% da população com alguma doença crônica

De acordo com pesquisa do Ministério da Saúde e IBGE, Brasil tem cerca de 40% da população com doença crônica.

10 dicas para perder a barriga

O Criasaude fez uma lista com dicas para você secar a barriga antes do verão.

_________________________

Facebook

  

______________________

    farmavagas.com.br



© Criasaude.com.br


Última atualização do site: 18.12.2014