Publicidade

Varicela

Resumo sobre a varicela (catapora)

Resumo sobre a varicela (catapora)A varicela é uma doença infecciosa altamente contagiosa causada por um vírus (herpesvirus varicellae ou V.Z.). Esta doença afeta principalmente crianças menores de 10 anos.
A transmissão da varicela pode ocorrer através de gotículas de uma pessoa para outra por espirros, tosse ou ao compartilhar alimentos ou objetos.
Os primeiros sintomas da varicela (catapora) são : dor de cabeça, febre leve ou erupção cutânea. Com o tempo, os sintomas passam a ser característicos de infecção, com o aparecimento dos sinais cutâneos e, em particular, os famosos botões (lesões) da catapora. Estes botões então se transformam em bolhas cheias de líquido e secam, formando crostas.

Publicidade

A varicela pode levar a complicações graves, especialmente em adultos devido ao risco pulmonar, cérebral (encefalite) ou na pele. As crianças também podem sofrer dessas complicações, mas nelas são muito mais raras. A catapora em uma mulher grávida pode levar a malformação fetal.

O tratamento da varicela é sintomático, principalmente com o uso de cremes ou loções que secam, desinfectam e aliviam as lesões da varicela. Você também pode usar anti-histamínicos contra a coceira e paracetamol contra dor e febre.
Existe uma vacina contra a varicela, que é amplamente utilizada nos Estados Unidos.
Uma boa dica em caso de varicela é cortar as unhas do seu filho para evitar que ele se arranhe.

Definição

A varicela é uma doença infecciosa muito freqüente, que se traduz na sua fase mais aguda, por pequenas vesículas (contendo líquido) ou por pequenas pápulas distribuídas pelo corpo todo, com muita coceira. A varicela é frequentemente acompanhada por uma febre leve.
A varicela é mais freqüente em crianças (principalmente em crianças com menos de 10 anos), mas pode também atingir adolescentes ou adultos.
Nas crianças, a varicela é benigna em quase todos os casos (exceto em crianças imunodeprimidas ou recém-nascidos). No máximo ela pode deixar algumas «charmosas» eternas cicatrizes. A varicela é muito contagiosa e é transmitida entre as crianças através de minúsculas gotículas de saliva, em espirros, por exemplo, ou até durante a fala. Se o seu filho estiver com varicela, não o leve à escola, pois ele pode contaminar muito rapidamente as outras crianças.

Varicela e herpes zoster, qual a relação?
Infelizmente o vírus da varicela pode permanecer escondido no corpo humano, principalmente na região dos gânglios ou das vias nervosas do rosto, e pode ressurgir após algumas dezenas de anos, após a pessoa ter tido a varicela. Ela se manifesta sob a forma de uma doença infecciosa chamada herpes zoster, que em geral ocorre após uma fragilização do sistema imunológico (estresse, doença, exposição solar). O vírus responsável pela Zoster é o mesmo da varicela.

Epidemiologia

Nos Estados Unidos, antes da vacinação contra a varicela ser instalada em larga escala, havia aproximadamente 10.000 hospitalizações a cada ano por complicações dessa doença (pulmões, cérebro, pele, etc) e de 70 a 100 mortes [Fonte: Perelman, Escola de Medicina, Universidade da Pensilvânia].

Causas

A varicela é causada pelo vírus varicela-zona (V.Z. ou herpesvirus varicellae), que é um adenovírus.

Causas varicela - causas catapora

A transmissão do vírus é feita através de pequenas gotículas de saliva, transmitidas de um indivíduo a outro, em espirros, tosse, partilha do mesmo copo ou alimento, ou simplesmente pela fala, pois a varicela é altamente contagiosa! A transmissão pode também ser feita pelo líquido que se encontra nas vesículas da varicela.

Transmissão
É interessante notar que a transmissão ou o contágio da varicela pode também ocorrer antes do aparecimento das vesículas ou feridas da varicela, em geral dois a três dias antes destes sintomas cutâneos. A transmissão continua até que as vesículas sejam transformadas em cascas, portanto, evite levar o seu filho à escola durante esse período de contágio.

Grupos de risco

A varicela é uma doença muito contagiosa, qualquer pessoa em torno de uma pessoa doente pode teoricamente contrair a doença (desde que não tenha ainda a contraído). No entanto, sabemos que as crianças podem ser infectadas com mais facilidade.
Mas alguns grupos de pessoas estão particularmente em risco com o possível desenvolvimento de doenças graves e às vezes fatais, como pneumonia por varicela ou encefalite. Essas pessoas são:
– Indivíduos frágeis, ou seja, com defesas imunológicas mais fracas, também os que fazem quimioterapia ou durante o tratamento com cortisona.
– Mulheres grávidas (veja a seção Complicações abaixo para mais explicações sobre este assunto).
– Adultos em geral, em comparação com crianças, correm maior risco de complicações graves com hospitalização e por vezes morte.

Sintomas

Os primeiros sintomas da varicela se caracterizam por uma febre leve (menos de 38°C), dor de cabeça, diminuição do apetite, fadiga e/ou dor de garganta.

Sintomas varicela

Dois a três dias após os primeiros sintomas (notamos que eles não ocorrem necessariamente sempre) aparecem ossinais cutâneos da varicela, que são vesículas ou lesões (botões) de varicela.

Ressaltamos que levará cerca de quinze dias entre a contaminação do corpo pelo vírus da varicela e o aparecimento dos primeiros sintomas, falamos então do tempo de incubação da varicela.

Informações interessantes sobre as manchas da varicela
– Os sinais cutâneos de varicela começam como espinhas ou manchas vermelhas (2 a 4 mm de diâmetro), que se parecem com picadas de mosquito no início. Geralmente, as manchas se transformam em bolhas ou vesículas em 24 horas, como uma cabeça de alfinete cheia de líquido (claro). Essas bolhas estouram, secam e formam crostas em 48 horas. As crostas geralmente caem após 4 dias, ou seja, no 7º dia.
A duração total destes sintomas cutâneos é, portanto, cerca de 7 a 10 dias (porque às vezes nem todos os sintomas começam ao mesmo tempo), mas em alguns casos a erupção leva até 15 dias para ficar totalmente curada.

Resumo: espinhas (manchas vermelhas)> bolhas (vesículas)> crostas.
– Após o desaparecimento das bolhas ou vesículas, o paciente deixa de ser contagioso, isto é, cerca de 3 dias após os primeiros sinais cutâneos.
– As espinhas da varicela aparecem inicialmente (geralmente) localizadas no tórax e podem se estender por todo o corpo, inclusive atingindo as membranas mucosas, e até mesmo a face (último estágio).
As manchas aparecem em focos sucessivos.
– Essas espinhas (manchas) e bolhas (vesículas) causam uma forte coceira e um desejo importante de coçar.
– Estas espinhas geralmente não deixam cicatrizes, no entanto, se coçar, é possível adquirir cicatriz(es) por toda a vida.

Diagnóstico

Em geral, a varicela pode ser diagnosticada facilmente por um médico, em função das lesões visíveis e dos sintomas associados. Em caso de dúvida, nas pessoas com risco de complicações (grávidas,…), o médico poderá efetuar outros exames (teste viral).

Complicações

Varicela em adultos
A varicela em adultos pode causar complicações (infecções bacterianas secundárias pulmonares ou cutâneas bem como cerebelites e encefalites virais), especialmente nos imunocomprometidos ou em tratamento com cortisona.

Varicela em crianças
O risco de complicações graves em crianças é 10 vezes menor do que em adultos. Em caso de complicações, estas podem, assim como em adultos, afetar o pulmão, o cérebro e a pele.

Varicela na gravidez
Uma grávida que nunca teve varicela no passado ou que não foi vacinada deve evitar qualquer contato com pessoas contaminadas pela doença. Em caso de varicela em mulheres grávidas, consulte imediatamente o seu ginecologista ou médico.
Uma mulher grávida que se infecta com varicela pela primeira vez (primo infecção) pode desenvolver pneumonia em 5 a 10% dos casos.

Complicações varicela

Ressaltamos também que uma vez desenvolvida a doença, não é possível tê-la novamente (é possível, no entanto, desenvolver zona após algumas décadas). Falamos então de imunização da varicela. De fato, o corpo fabricou anticorpos que vão poder atacar o vírus da varicela caso haja uma segunda infecção. A pessoa então não desenvolverá os sintomas da varicela em uma segunda infecção.

Quando consultar um médico?

Em caso de varicela, nós aconselhamos consultar um médico (ou pediatra) para que ele lhe prescreva o tratamento adequado. No entanto, é necessário consultá-lo de fato em caso de:

Fortes dores de cabeça, constante ânsia de vômito, sensibilidade à luz, fadiga ou estado de confusão mental. Todos esses sinais podem indicar uma encefalite e uma consulta médica é altamente necessária (urgente).

Problemas respiratórios ou tosse persistente, que podem ser o sinal de uma pneumonia por varicela.

Se as feridas da varicela estiverem muito grandes e a coceira for muito intensa.

Febre alta.

Lesões de varicela presentes na região dos olhos.

Mulheres grávidas ou pessoas imunodeprimidas que nunca tiveram a doença, em contato com pessoas contaminadas pela varicela podem correr risco de complicações.

*Atenção, lista não exaustiva, para todo sintoma suspeito, consulte um médico.

Tratamentos

No tratamento da varicela, destacamos os que vão tratar a doença e a vacina contra a varicela (prevenção da varicela).

1. Tratamento da varicela

O tratamento da varicela em geral consiste na terapia dos sintomas (quando não há conseqüências graves).

Medicamentos utilizados em caso de varicela, se não houver riscos de complicações:

– Contra a dor e a febre: paracetamol (evite dar aspirinas a crianças)

Tratamento varicela

– Contra a coceira: anti-histamínicos (à base de dimetindeno, decetirizina ou de levocetirizina) para aplicação local (gel, creme) ou para ingestão (comprimidos, gotas)

– Para secar, desinfetar e aliviar as feridas da varicela:

– loções à base de tanino sintético e de óxido de zinco.

Nas crianças pequenas, na região do assento, é possível aplicar também massa de zinco para proteger a pele.

Para acalmar as lesões e evitar uma superinfecçã banhos desinfetantes.

Medicamentos utilizados em caso de varicela com risco de complicações

Utilize primeiramente os mesmos medicamentos aconselhados em casos normais de varicela.

Todavia: quando houver, por exemplo, uma superinfecção bacteriana, que pode ocorrer quando as lesões forem infectadas após coçá-las demais (em particular com as mãos sujas), o médica irá prescrever antibióticos.

Quando houver um grande risco de complicações (em pessoas imunodeprimidas), antivirais (por exemplo, à base de aciclovir) ou imunoglobulinas de tipo G (IG) podem ser prescritos pelo médico.

2. Vacinação contra a varicela

Tratamento varicela

O melhor meio de prevenção da varicela é a vacinação. Desde meados de 1980, existe uma vacina (à base do vírus vivo da varicela) contra a varicela que pode ser utilizada desde os 12 meses de idade.

Estado da vacinação no mundo e no Brasil 

Nos Estados Unidos, as recomendações são mais voltadas para a vacinação em grande escala contra a varicela em crianças. Na verdade, as autoridades de saúde do país aconselham a vacinação contra varicela para todas as crianças. Segundo eles, antes da vacinação generalizada, a varicela causou milhares de internações e de 70 a 100 mortes por ano nos Estados Unidos, ocasionadas por complicações da doença nos pulmões e no cérebro (encefalite).

Na França, a vacinação não é aconselhada a uma grande escala, pois na maioria dos casos a varicela não é perigosa e permanece benigna para o indivíduo. No entanto, em determinados casos, a vacinação pode ser fortemente recomendada em particular para os adultos ou para as crianças imunodeprimidas. Peça conselhos ao seu médico para saber quando a vacinação se faz necessária.

Na Alemanha, antes que um adolescente saia da escola e se ele (ou seus pais) não conseguem se lembrar se já teve a doença durante a infância, este é vacinado para evitar o desenvolvimento da varicela na idade adulta (fonte de complicações, em especial nas mulheres grávidas).

– No Brasil a SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria) recomenda fortemente a vacinação em crianças com mais de 1 ano.

Efeitos colaterais da vacina contra varicela (estudo)
A vacina contra a varicela (ou catapora) tem sido associada ao desenvolvimento de cobreiro (herpes zoster) no local da vacinação em algumas crianças saudáveis, de acordo com um estudo publicado em 6 de fevereiro de 2018 na revista científica  Pediatric Dermatology (DOI: 10,1111/pde.13415) . A maioria desses casos foram inicialmente diagnosticados erroneamente como outras erupções cutâneas. O aspecto positivo é que todas as crianças se recuperaram do cobreiro sem complicações. Sabemos que a vacina contra a varicela, com base em um vírus vivo atenuado, raramente reativa o cobreiro ou desencadeia a doença viral, de acordo com um comunicado de imprensa emitido em fevereiro 2018.

Este estudo foi realizado principalmente pelo Boston Children’s Hospital (BCH) nos Estados Unidos. Os casos destacados pelos pesquisadores demonstram a importância do reconhecimento do herpes zoster em crianças vacinadas. “O cobreiro em crianças saudáveis imunizadas é raro, mas quando ocorre, ele pode ser correlacionado com o local da vacinação”, disse o autor principal Dr. Jennifer Huang BCH na demonstração do estudo.

A imunidade da varicela por infecção natural ou vacina é vitalícia.

Dicas terapia

– Corte as unhas do seu filho, para evitar que ao se coçar, ele possa deixar cicatrizes ou favorecer uma superinfecção das lesões (superinfecção bacteriana que necessita de um tratamento antibiótico).
– Quando todas as lesões da varicela forem transformadas em crostas (cerca de 10 dias após os primeiros sintomas), seu filho pode voltar às aulas, pois ele não é mais contagioso.

Obervação: estes conselhos são explicados para os pais, a fim de aconselhar seus filhos, pois a varicela é na maioria das vezes uma infecção que afeta crianças de 2 a 10 anos. É claro que estes conselhos também podem se aplicar a adolescentes ou adultos afetados pela varicela.

Prevenção

– O melhor meio de prevenção da varicela é a vacinação. Desde meados da década de 80 existe uma vacina (à base de vírus vivo da varicela) contra a varicela, que pode ser utilizada a partir dos 12 meses de idade.

Acreditamos que é importante que seu filho tenha varicela (catapora) na infância (desde que não sofra de problemas imunológicos), porque nós sabemos que em adultos, a varicela pode causar mais complicações (especialmente em mulheres grávidas), por isso pode ser necessário trazer amigos do seu filho que estejam com varicela (catapora) para que ele a tenha (a varicela é muito contagiosa). Alguns especialistas em vacinação (principalmente americanos) acreditam que essa idéia de “festa da varicela” (“chicken pox party ” em Inglês) para pegar catapora, naturalmente, não é recomendada. Eles preferem a vacinação contra varicela, porque, segundo eles, evita suas complicações.

Observe também que uma vez que você tenha a varicela (catapora) não irá contraí- la uma segunda vez (dizemos que somos imunes). Depois de dez anos, a varicela pode certamente reaparecer como herpes, mas este é um outro problema.

– Em alguns países como a França, especialistas aconselham isolar o paciente e o afastar da escola até a cura completa. Como vimos, quando não há mais vesículas (apenas crostas), a pessoa não é mais contagiosa. Pessoas imunocomprometidas e mulheres grávidas não devem entrar em contato com uma pessoa doente.

Ler também:
Escarlatina

Notícias:
– Vacina contra catapora passa a ser ofertada no SUS

Fontes & Referências :  
Pediatric Dermatology (Dermatologia Pediátrica) (DOI : 10.1111/pde.13415), Perelman, Escola de Medicina, Universidade da Pensilvânia.

Quem escreveu esta pasta?
Xavier Gruffat (farmacêutico)

Atualização:
11.08.2020

Esta informação foi útil?

Observação da redação: este artigo foi modificado em 11.08.2020

Publicidade