Publicidade

A privação do sono torna a pessoa excessivamente otimista

WASHINGTON – Pessoas que são privadas de sono tendem a ser excessivamente otimistas antes de tomar decisões. Elas também são mais propensas que outras a assumir riscos, de acordo com um estudo dos EUA, publicado terça-feira na revista “Neuroscience”.

Publicidade

Este estudo fornece evidências científicas de que os gestores dos cassinos já sabem: depois de certo número de horas, os jogadores continuam a jogar até que eles percam tudo.

O estudo analisou através da técnica de ressonância magnética (IRM) 29 voluntários adultos saudáveis, com idade média de 22 anos. Foi pedido para eles tomarem uma decisão econômica após uma boa noite de sono e depois de uma noite na qual eles foram privados de sono.

Nas pessoas que foram privadas de sono, os scanners apresentaram maior atividade em regiões do cérebro responsáveis por expectativas positivas e apresentaram uma atividade fraca nas partes que lidam com expectativas negativas.

“Os indivíduos privados de sono tendem a fazer escolhas mais com ênfase em ganho monetário e menos em opções para reduzir as perdas”, segundo um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Duke, na Carolina do Norte e Cingapura.

A cafeína, o ar fresco e o exercício não são suficientes para combater os efeitos da fadiga, disse um dos co-autores do estudo, Vinod Venkatraman, estudante de pós-graduação em Psicologia e Neurociências na Universidade de Duke.

“As pessoas que jogam até de madrugada, não devem contar apenas com a sorte das máquinas, mas sim com seu próprio cérebro, que com a falta de sono, implicitamente, tendem a antecipar ganhos e minimizar a probabilidade de perda”, disse ele.

Criasaude.com.br, 20 Março de 2011

Esta informação foi útil?

Observação da redação: este artigo foi modificado em 14.04.2017

Publicidade