Publicidade

Secura vaginal

Definição

Secura vaginal definicao

A secura vaginal é a insuficiência ou a falta de umidade natural na vagina. Com efeito, graças ao fluxo constante de secreções destinadas a proteger as paredes vaginais e manifestar a excitação feminina, a vagina mantém a sua elasticidade e mantém uma textura macia. As secreções vaginais consistem principalmente de água, eletrólitos, uréia, diferentes tipos de ácidos, proteínas e bactérias naturalmente presentes na vagina 1 Astrea Pharmacie (revista de saúde suíça), edição de junho de 2021 dedicada especialmente à secura vaginal [/ efn_note]. É importante lembrar que essas secreções podem variar com as fases da vida da mulher (por exemplo, gravidez, menopausa). Durante a excitação sexual, as secreções são mais abundantes e contêm mais muco. O objetivo das secreções vaginais é, em particular, proteger a região vaginal contra ataques (por exemplo, agentes infecciosos). Leia também abaixo em Causas

Publicidade

Consequências da secura vaginal: 
Além da dor, a secura vaginal pode afetar a harmonia do casal e levar a problemas psicológicos na mulher. O estresse, o medo, a culpa e a baixa libido são todos obstáculos para o desenvolvimento pessoal.

Epidemiologia

34% das mulheres sofrem de menopausa
Um estudo americano que levou em conta dados do Estudo das mulheres em todo o país (SWAN), acompanhando mais de 2.400 mulheres em um período de 17 anos, mostrou que, no início, 19,4% das mulheres (idades entre 42 e 53 anos) relataram secura vaginal. No momento em que as mulheres do estudo tinham entre 57 e 69 anos, 34% delas se queixaram de sintomas de secura vaginal. No entanto, mais de 50% das mulheres não relataram secura vaginal ao seu médico ou outro especialista de saúde, indicando que a secura vaginal é um tabu. Estes dados foram notadamente estudados e apresentados em um estudo publicado em 20 de junho de 2018, na revista científica Menopausa.

fotolia_143912448_xs-sech-vaginale

Causas

As causas da secura vaginal são inúmeras, incluindo:

Secura vaginal causasStress, medo e cansaço qualquer que seja sua origem, o stress provoca lubrificação deficiente das paredes vaginais. As mulheres na menopausa são as mais afetadas pelo stress. O cansaço e o medo são uns dos principais fatores que bloqueiam o processo de excitação sexual e umidificação natural da vagina.

– Tomar certos medicamentos, se você precisa de tomar antidepressivos, fazer tratamentos de acne, anti-hipertensivos, vasoconstritores, anti-histamínicos, pílulas anticoncepcionais ou outros medicamentos, não se esqueça de ler a bula. Se um medicamento pode causar a secura da boca, também pode secar outras mucosas, como a secura vaginal. Em caso de dúvida, não hesite em consultar um médico. A quimioterapia e a irradiação também podem aumentar o risco de ressecamento vaginal.

Menopausa: no momento da menopausa, os distúrbios hormonais e a deficiência de estrogênio são inevitáveis, e resultam em um desequilíbrio da lubrificação vaginal.

– Distúrbios hormonais (estrogênios) e distúrbios do ovário.

– Gravidez: Durante os primeiros três meses de gravidez, as mulheres podem sofrer de secura vaginal, que normalmente se recupera uma vez que a área pélvica começa a ser mais irrigada por sangue.

– O aleitamento materno também pode causar perturbação hormonal.

– As infecções vaginais.

– Fazer a higiene íntima demasiadamente.

– Fumar, devido ao efeito vasoconstritor induzido pela nicotina.

– O consumo de álcool, fonte de desidratação do corpo.

– A ausência ou escassez de relações sexuais.

– Má formação congênita.

– Certas doenças: os cânceres (assim como certos tratamentos contra o câncer), diabetes, esclerose múltipla ou hipertensão crônica.

Origem fisiológica:
Quando uma mulher passa pela menopausa e seus níveis de estradiol diminuem, seu corpo sofre muitas mudanças. Entre essas mudanças, há uma diminuição no fluxo sanguíneo vaginal, resultando em secura vaginal e dor durante a relação sexual.

Sintomas

A penetração dolorosa é um dos sintomas mais comuns da secura vaginal. Isto pode ser acompanhado de ardor e prurido. O aparecimento de microlesões nas paredes vaginais, causada pelo atrito e pela ausência de muco também pode indicar a presença de um desequilíbrio na umidificação natural da vagina. Às vezes, sensações de coceira e queimação na vagina podem aparecer sem relação sexual.

Mulheres com secura vaginal também podem ser mais susceptíveis a infecções e inflamações vaginais acompanhados de coceira ou perda de odor.

Complicações

A secura vaginal muitas vezes é benigna.

Tratamentos

Existem muitos tratamentos para aliviar a secura vaginal.

Tratamento à base de hormônios

Um tratamento à base de estrogênio, geralmente usado na forma de creme vaginal, óvulo vaginal, anel vaginal ou mesmo gel, é um remédio eficaz contra a secura vaginal. Eles são indicados especialmente em casos avançados de secura vaginal. Para casos menos avançados, lubrificantes e hidratantes são mais recomendados (leia abaixo).
Certos produtos como, por exemplo, óvulos ou comprimidos vaginais contêm, além de um hormônio como o estriol, bactérias Lactobacillus acidophilus.
Quando o estrogênio é aplicado no localmente (vagina), a segurança desses produtos é boa. Ou seja, os estudos não mostram um risco estatisticamente maior de câncer de mama ou formação de coágulos sanguíneos.

Publicidade

Nos Estados Unidos, em todo caso, os médicos podem prescrever uma pílula (para ser tomada por via oral e não vaginal) chamada ospemifeno que é tomada todos os dias. Este medicamento é especialmente indicado em caso de relação sexual dolorosa em mulheres na pós-menopausa. O ospemifeno ativa os receptores de estrogênio no tecido vaginal.
Nos Estados Unidos, a prasterona (ou DHEA), aplicado como um supositório vaginal, permite o aumento da lubrificação e da elasticidade.

O uso de lubrificantes

A secura vaginal muitas vezes causa desconforto e dor durante a relação sexual. Por esta razão, o uso de lubrificantes pode ser útil. Atenção, o uso deste tipo de produto requer muita cautela, considere procurar conselhos com um farmacêutico. Dê preferência para o uso de lubrificantes à base de silicone ou água, àqueles à base de óleo ou vaselina que podem tornar os preservativos porosos e irritar as mucosas.

Alguns lubrificantes contêm ácido hialurônico, vitamina PP e glicerol. Estes produtos têm a vantagem de reidratar e lubrificar a vagina ao mesmo tempo. Esta reidratação pode durar de algumas horas a vários dias. Estes géis são particularmente adequados para mulheres pós-menopáusicas para o uso cotidiano.

É aconselhável aplicar o lubrificante no parceiro e na abertura da vagina.

Os hidratantes vaginais

Os hidratantes vaginais (em inglês: vaginal moisturizers) podem agir no tecido vaginal, aumentando a quantidade de água nas células da parede vaginal. Diferentemente dos lubrificantes, que não afetam os tecidos vaginais, os hidratantes podem ajudar a curar a secura vaginal, pelo menos em parte. Em geral, os hidratantes vaginais são aplicados de 2 a 5 vezes por semana na vagina e na abertura vaginal. O ácido hialurônico é uma molécula hidratante, frequentemente preferida.
Mas, como vimos acima, há também produtos que têm uma função lubrificante e hidratante.

Outro tratamento (CO2)

Alguns médicos (nos Estados Unidos em particular) oferecem aos seus pacientes um tratamento a laser com base em CO2 (em inglês: CO2 laser) que visa estimular e regenerar as células vaginais. É aconselhável que um ginecologista realize este procedimento.

Fitoterapia

Secura vaginal fitoterapiaMuitas plantas como a sálvia, linho ou Erva-de-são cristovão são conhecidos pelos seus efeitos benéficos contra a secura vaginal. Graças ao seu conteúdo de fitoestrógenos, que têm a capacidade de ativar a hidratação natural da vagina.
O trevo vermelho também tem essas virtudes e pode ser prescrito em caso de insuficiência de umidificação da vagina. Apesar da eficácia destas plantas, evite a automedicação, o conselho de um médico fitoterapeuta é necessário porque os fitoestrógenos podem ser contraindicados para algumas pessoas.

Dicas

Para prevenir o ressecamento vaginal, é aconselhável:

– Limitar a higiene íntima a duas vezes por dia para manter o equilíbrio da flora de Doderlein ou flora vaginal.

– Use um produto que não irá afetar a acidez da flora vaginal durante a higiene íntima, como exemplo, um sabonete suave com pH neutro.

– Não use por muito tempo absorventes e tampões, porque sua capacidade de absorção a longo prazo, pode contribuir para secar a vagina.

– Evite usar calças apertadas que podem irritar a vulva devido ao atrito. Roupas íntimas de algodão são preferidas.

– Mantenha regularmente atividades sexuais, pois melhora a circulação sanguínea nos órgãos genitais e previne o risco de atrofia.

– Livre-se do stress e recupere a autoconfiança.

– Proteja-se com uma leve aplicação de creme de dia antes de nadar porque a água clorada pode promover a coceira.

Para mais informações acesse: 10 dicas de como lidar com a menopausa

Fontes:
Prevention

Pessoa responsável e envolvida na escrita deste arquivo:
Xavier Gruffat (farmacêutico e editor-chefe da Criasaude.com.br)

Créditos das fotos:
Criasaude.com.br, Fotolia.com

Última actualização:
21.08.2021

Esta informação foi útil?

Fontes de rodapé:

Observação da redação: este artigo foi modificado em 21.08.2021

Publicidade