Publicidade

Fibromialgia

Resumo sobre fibromialgia

Fibromialgia é um termo que muitas vezes ouvimos, sem entender o que é, sem conhecer os detalhes da doença. Muitas pessoas falam sobre isso e parece que esta é uma doença psicossomática. No entanto, esta doença afeta muitas pessoas e está crescendo. Muitos pacientes com fibromialgia são, em sua maioria mulheres, mas parece que os casos do sexo masculino aumentaram significativamente.

Publicidade

Pacientes com fibromialgia têm sido incompreendido e certamente discriminados. No passado, achava-se que essa doença era “imaginária”. No entanto, esta doença é reconhecida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e da Associação Médica Americana desde 1987.

O principal problema com fibromialgia é o diagnóstico. Na verdade, a dor é difusa e muitas vezes não se pode ver as razões para a dor, dando aspecto de “doença imaginária”. No entanto, a dor pode ser muito intensa. Embora a doença não seja grave e raramente leva a sérias complicações, a fibromialgia pode ser debilitante para o paciente em sua vida profissional, social e familiar.

A fibromialgia é um conjunto de sintomas, cujo principal é a dor crônica (com uma duração superior a três meses), dor essa extensa e difusa, contínua, flutuante, que aumenta com o esforço.

Os tratamentos da fibromialgia são diversos, variando de analgésicos até antidepressivos. A melhora dos sintomas através de estilo de vida saudável também é altamente recomendável.

Em suma, para entender melhorar o tratamento da doença, é importante conhecer bem a fibromialgia.

Definição

A fibromialgia é reconhecida como uma doença em si pela Associação Americana de Medicina desde 1987. Cinco anos mais tarde, a Organização Mundial de Saúde (OMS) finalmente a reconheceu como uma doença. Podemos dizer, portanto, que a fibromialgia é uma doença pouco conhecida e pouco compreendida.

A fibromialgia é uma doença reumática caracterizada por dor generalizada por todo o corpo, principalmente nos músculos, tendões e ligamentos. A etimologia da palavra é bem consciente de sua magnitude:

– “Fibro” vem da fibrose.

– “Mio” vem do grego e significa muscular.

– Enquanto o “algia” também vem do grego e significa “dor”.

Publicidade

É compreensível, portanto, que a doença afeta os músculos, sendo o principal sintoma a dor. A doença é também conhecida como “o reumatismo dos tecidos moles.”

Outros sintomas podem coexistir, como extrema fadiga e distúrbios do sono.

A dor pode ser tão intensa que impede atividades diárias e profissionais.

Outro termo usado para descrever a fibromialgia é SPID ou Síndrome da Polimialgia Idiopática Difusa. Este termo, infelizmente, não foi selecionado a nível internacional, mesmo que descreva bem a doença.

Epidemiologia

Em 80% dos casos, a fibromialgia atinge mulheres.

Nos EUA, estima-se que mais de 5 milhões de pessoas sofrem desta doença.

Vale saber que 9 em cada 10 pacientes possuem menos de 60 anos.

A prevalência da fibromialgia é de 1,4% a 2,2% da população.

Causas

Uma das razões para que a fibromialgia seja desconhecida e, principalmente mal compreendida, é que nós não sabemos as suas causas. Além disso, a dor sentida pelo paciente não tem nenhuma explicação aparente quanto à sua origem. Na verdade, os médicos não são capazes de atribuir uma inflamação dolorosa ao músculo. Eles não vêem nenhum prejuízo para a área dolorosa. Entretanto, algumas hipóteses são apontadas como causas da fibromialgia. Também é possível que seja a combinação de vários fatores que, em última análise, provoca a doença. As suposições mais estudadas são as seguintes:

– Os fatores genéticos.

– Um limiar de dor diminuido.

– Deficiência do neurotransmissor.

– Falta de sono.

– Impacto físico e emocional.

– Presença de agentes antibacterianos.

Fatores genéticos

Parece que os casos de fibromialgia são mais comuns em famílias onde já existem pessoas com fibromialgia. A pista deve ser estudado geneticamente. No entanto, estudos recentes não podem ainda demonstrar o gene ou grupo de genes responsáveis pela fibromialgia.

Limiar de dor diminuido

Pessoas com fibromialgia são mais sensíveis e sentem a dor mais rapidamente, com mais intensidade. Fatores devem ser procurados através da redução do limiar de dor, tais como um defeito na transmissão nervosa.

Deficiência do neurotransmissor

Neurotransmissores de serotonina são essencialmente deficiente, assim como os de glutamato. Isso poderia explicar as complicações de pessoas deprimidas com fibromialgia.

A falta de sono

A falta de sono não é apenas um sintoma da doença, mas também poderia ser uma causa da doença.

O impacto físico e emocional

Parece que os choques físicos como acidente de carro, são um dos fatores causadores da fibromialgia.

Choques emocionais também parecem causar a doença. Acredita-se que as pessoas que sofreram grandes choques, tais como agressão, incluindo violência sexual, desenvolvem a doença mais facilmente.

Os agentes infecciosos

Recentes pesquisas apontam que doenças infecciosas podem causar a fibromialgia. As doenças infecciosas que são suspeitos incluem hepatite B e C, assim como a doença de Lyme e HIV.

Grupos de risco

A fibromialgia não tem causas bem definidas. No entanto, algumas pessoas são mais propensas a desenvolver a doença:

– Pessoas cujo membro da família sofre de fibromialgia.

– Pessoas cujo membro da família sofre de depressão.

– As pessoas que sofrem de distúrbios do sono.

– Pessoas que sofreram choque físico, como um acidente de carro, por exemplo.

– As pessoas que sofreram traumas emocionais ou grande(s) em suas vidas, tais como assalto, estupro, violência.

– As pessoas que sofriam de doenças infecciosas, como a hepatite B ou hepatite C, doença de Lyme (cuidado com picadas de carrapatos) e as pessoas que contraíram o vírus da Aids (síndrome da imunodeficiência adquirida).

– Mulheres.

– Pessoas com doenças reumáticas, tais como artrite reumatoide ou lúpus.

Mulheres

Parece que as pessoas com fibromialgia são na sua maioria mulheres. A doença foi uma vez descrita  uma doença de mulheres histéricas. É possível que as hormônios sexuais estejam envolvidos no desencadear da doença. Assim, os homens com os níveis mais altos de testosterona, seriam melhor protegidos contra a doença. A testosterona tem um papel protetor em manter o limiar de dor a um nível mais elevado do que as mulheres. Assim, para 10 mulheres, apenas um homem sofre de fibromialgia. As estatísticas, no entanto, aumentaram: agora é um homem para 8 mulheres.

As pessoas afetadas pela doenças estão entre 30 e 60 anos. No entanto, alguns casos foram relatados em crianças.

Em populações ocidentais, a prevalência da doença é de mais ou menos 4%.

Sintomas

O principal sintoma da fibromialgia é a dor. Esta dor é sentida em particular, como o próprio nome sugere, nos músculos, mas também os ligamentos e tendões. Pescoço, pontos de dor no ombro estão em primeiro lugar, seguido pela costas, peito, sem esquecer os braços e pernas. Esta dor é difusa e simétrica (ambos os lados do corpo). A dor geralmente dura meses ou anos, por exemplo, uma pessoa se queixa de dor difusa (dor nos dois lados do corpo e acima e abaixo da cintura) por mais de 3 meses, pode ser um sinal de que a pessoa sofre de fibromialgia.

De um modo geral, 18 pontos no corpo são mais sensíveis. Uma pessoa com fibromialgia vai sentir a dor em pelo menos 11 destes pontos. Este é um fator difícil avaliar e identificar, uma vez que a dor da fibromialgia é diferente de uma pessoa para outra e também depende das circunstâncias: clima, hora do dia, tensão do paciente, etc. Podemos dizer que os fatores agravantes são umidade, frio e estresse (incluindo as emoções).

Os outros sintomas da fibromialgia são:

– Os distúrbios do sono.

– Mudanças de humor, muitas vezes com uma tendência à ansiedade e depressão. O paciente também pode ter dificuldade em se concentrar.

Fadiga que persiste durante o dia apesar do descanso (noite de sono suficiente). A apneia do sono e a síndrome das pernas inquietas também podem acompanhar a fibromialgia.

– A sensibilidade ao toque. Um simples toque pode ser sentido como um sinal doloroso. Esta característica da doença é chamada de alodinia.

Outros sintomas menos característicos de fibromialgia podem ocorrer, tais como:

– Dores de cabeça e até enxaquecas.

– Menstruações muito dolorosas e fortes sintomas pré-menstruais.

– Dor abdominal com prisão de ventre ou diarreia.

Algumas doenças podem estar associadas com a síndrome do intestino irritável.

O estresse pode agravar os sintomas da fibromialgia.

Diagnóstico

O diagnóstico da fibromialgia é difícil porque os sintomas não são características e podem sugerir outras doenças. Na verdade, os principais sintomas da doença são dor generalizada, fadiga persistente e humor deprimido.

O lúpus e a síndrome da fadiga crônica são duas outras doenças que podem ser confundidas com fibromialgia.

Assim, o diagnóstico da fibromialgia é baseado principalmente na história clínica do paciente, palpação de pontos dolorosos e a exclusão de outras doenças através de testes de laboratório. Seria de se excluir, por exemplo, doenças da tiroide e outras doenças reumáticas.

A fim de fazer um diagnóstico de fibromialgia, o médico irá utilizar dois critérios emitidos pelo Colégio Americano de Reumatologia. Estes critérios são reconhecidos internacionalmente e são os seguintes:

– O paciente sente dor generalizada em todo o corpo durante pelo menos três meses. Estas dores estão presentes bilateralmente e horizontalmente da esquerda para direita, para cima e para baixo (em comparação com um cinto de segurança).

– A dor afeta pelo menos 11 das 18 características da fibromialgia.

Mais uma vez, dada a sensibilidade muito diferente entre as pessoas com fibromialgia, não é fácil de diagnosticar a fibromialgia. Na verdade, nem todos os pacientes sentem dor nos 11 pontos. Às vezes, eles sentem em 8 ou 9 pontos. Em segundo lugar, a dor é sentida de forma diferente dependendo da hora do dia, o tempo, estação.

Não há (segundo nosso conhecimento) testes ou exames específicos para diagnosticar a fibromialgia.

No entanto, em outubro de 2016 pesquisadores da Universidade de Colorado Boulder nos Estados Unidos afirmaram ter descoberto uma assinatura cerebral que identifica pessoas que sofrem de fibromialgia com uma precisão de 93%. Para chegar a estas conclusões, os pesquisadores norte-americanos fizeram ressonância magnética em 37 pacientes com fibromialgia e em 35 indivíduos que não sofriam desta doença. Este estudo foi publicado na revista especializada PAIN.

uni-boulder-fibromyalgie

Crédito da foto: Universidade de Colorado Boulder

Complicações

Embora a fibromialgia seja uma doença reumática crônica, não há complicações sérias, porque ela não afeta as funções dos órgãos vitais. Entretanto, a presença de dor, às vezes muito forte, pode ser incapacitante para os pacientes em suas atividades diárias.

A intensidade de dor varia de um paciente para outro. Às vezes, as pessoas com fibromialgia podem ter períodos de dor, e outros períodos cujos sintomas são atenuados ou inexistentes. Mas, em geral, os sintomas reaparecem de qualquer maneira. Lembre-se, a fibromialgia é uma doença crônica.

Uma vez vista como doença de hipocondríacos, é essencial levar a sério a dor dessas pessoas, mesmo sem que nenhuma causa ou lesão seja detectável. A vida das pessoas com fibromialgia é geralmente muito afetada pela doença, resultando em longo período de complicações psicológicas, uma vez que a pessoa sente tanta dor que ela não pode levar uma vida normal (social e profissionalmente falando). Por conseguinte, é essencial que o paciente mantenha uma atividade profissional. Isto irá manter o paciente socialmente ativo e também melhorar seu estado físico e mental.

Assim, podemos dizer que a principal complicação da fibromialgia é a redução da qualidade de vida, com implicações para o conforto físico (dor) e mental (tendência depressiva).

Tratamentos

O tratamento da fibromialgia é baseado na atenuação de dor por analgésicos e anti-inflamatórios, relaxantes musculares, e melhoria do humor dos pacientes com antidepressivos. Parece que algumas drogas anti-epilépticas têm efeitos benéficos sobre as pessoas com fibromialgia.

Também é necessário tratamentos não medicamentosos, como a atividade física, a psicoterapia, além de de um estilo de vida saudável.

O analgésicos e antiinflamatórios

Os medicamentos mais utilizados para dor são ibuprofeno, paracetamol ou acetaminofeno. Quando as dores são muito fortes e não são aliviados por analgésicos (contra a dor) chamados de primeira linha, passamos drogas com efeitos centrais, derivados de morfina, como o tramadol.

Relaxantes musculares

Relaxantes musculares permitem alívio das dores musculares. As tensões são reduzidas, bem como a dor.

Antidepressivos

A droga principal utilizado na fibromialgia é amitriptilina. Esta molécula é particularmente interessante porque melhora o sono do doente, assim também tem um efeito benéfico sobre a fadiga.

Outras moléculas antidepressivas são usados como duloxetina ou fluoxetina.

O milnaciprano é um medicamento utilizado nos Estados Unidos, indicado especificamente contra a fibromialgia. O milnaciprano pertence à família dos inibidores de recaptura da serotonina-noradrenalina (IRSNa, IRSN ou SNRI em Inglês para inibidor Serotonin-norepinephrine reuptake inhibitor).

Antiepilépticos

Antiepilépticos ou anticonvulsivantes também têm um efeito benéfico sobre a fibromialgia, aliviando a dor e melhorando a qualidade do sono. As principais drogas utilizadas são a gabapentina, topiramato e a pregabalina.

Recomendações de tratamento da EULAR

Em 2016, a Liga Europeia Contra o Reumatismo (EULAR) publicou recomendações atualizadas para a gestão da fibromialgia e destacou o exercício físico regular como a medida mais eficaz, em comparação com medicamentos ou terapias alternativas (yoga, tai chi, qi gong, spas, etc.).

– Para os cientistas da EULAR, o exercício físico é reconhecido como significativamente eficaz contra a dor e incapacidade funcional. A EULAR recomenda “com baixa efetividade” ou como tratamentos de segunda escolha após a prática de exercícios físicos, outras terapias alternativas como yoga, tai chi, qi gong, meditação, acupuntura e tratamentos em spa. Um detalhe sobre a yoga, o tai chi e o qi gong é que eles têm um efeito positivo sobre o sono, fadiga e qualidade de vida. A meditação afeta a qualidade de vida e dor, mas o efeito parece pequeno. A acupuntura pode melhorar a dor e fadiga. Tratamentos termais parecem ter um efeito sobre a qualidade de vida e dor. Ao contrário, a quiropraxia não é recomendada devido ao risco para o paciente.

– Em relação ao uso de medicamentos, a EULAR recomendada assim como para terapias as alternativas, usar como tratamento de segunda escolha. Em caso de dores, 3 moléculas (medicamentos) destacam-se a partir dessas análises: duloxetina, pregabalina e tramadol. Em casos de distúrbios do sono os médicos podem prescrever: amitriptilina, ciclobenzaprina e pregabalina.

– Para chegar a estas conclusões, os especialistas da EULAR selecionaram 107 revisões ou meta-análises. O estudo foi publicado na versão online do Annals of the Rheumatic Diseases da EULAR em 04 de julho de 2016.

Confira este relatório detalhado (em Inglês)

Dicas

A fibromialgia caracteriza-se por dor severa e pode levar a um consumo excessivo de analgésicos, que podem causar úlceras gástricas, por exemplo. Para evitar a ocorrência de úlceras gástricas, tome seu remédio analgésico após as refeição ou peça ao médico para prescrever uma droga que também proteja o estômago, como o omeprazol.

Quando analgésicos fortes são utilizados para efeitos centrais (derivados de opióides), o consumo pode conduzir a dependência. Portanto, não abuse de drogas para a dor.

Em relação aos relaxantes musculares, você deve prestar atenção ao seu principal efeito colateral, a sonolência. Isto é especialmente importante quando se planeja dirigir.

A fibromialgia é uma doença pouco conhecida. Temos, pois, de informar os arredores do paciente, de modo que ela seja compreendida e apoiada. A dor às vezes é tão intensa que pode diminuir a vida social do paciente. A fibromialgia pode ser uma doença muito debilitante. Para evitar então um distanciamento e retraimento social, a pessoa deve sentir-se apoiada por sua família, amigos e colegas.

Embora a fibromialgia possa ser debilitante ao ponto de prejudicar o trabalho, é essencial que o paciente mantenha suas atividades para o bem estar social e moral, mesmo que o seu ritmo seja alterado.

Prevenção

É difícil evitar a fibromialgia uma vez que as causas da doença não são conhecidas. Nós ainda podemos prestar atenção ao estilo de vida, e limitar as situações de risco, especialmente para prevenir doenças virais.

Estilo de vida

Recomenda-se a perder peso em casos de excesso de peso. Isso alivia os joelhos da sobrecarga de peso. Os joelhos estão entre os 18 pontos característicos da fibromialgia.

Também é possível melhorar o estilo de vida, quando alguém tem parente com fibromialgia, porque a doença tem uma causa genética.

Pelo estilo de vida, nós pensamos nos seguintes fatores:

– Uma alimentação saudável evitando excesso de peso.

– A atividade física regular (30 minutos por dia para se manter em forma). Intensidade moderada é suficiente. Não há necessidade de se praticar um esporte de alto nível. A diversão é um fator chave. Então não se sinta forçado a praticar o esporte. Assim, uma boa caminhada ao ar livre é muito benéfica para a saúde física e mental.

– Sono regular e tranquilo. Boa qualidade no sono é essencial, pois parece que a falta de sono não é apenas um sintoma de fibromialgia, mas também poderia ser um gatilho.

– Exercícios de relaxamento, como ioga.

– Exercícios de controle do estresse.

– Evite estimulantes, como nicotina e café.

Doenças virais

Como doenças virais parecem ser um gatilho de fibromialgia (doença de Lyme, hepatite B e C, HIV) a prevenção é essencial.

A doença de Lyme é transmitida por picadas de carrapatos. É, portanto, necessário se proteger contra as picadas de carrapatos. Há também inseticidas protetores contra a picada de carrapatos. Então, depois de cada possível contato com carrapatos, inspecione o corpo para retirar qualquer parasita. Mesmo que a pessoa seja mordida por um carrapato, leva várias horas para que a haja a infecção.

A hepatite B é transmitida biologicamente através do sexo ou por transfusão de sangue. Recomenda-se proteger durante as relações sexuais e tomar a vacina contra a hepatite B.

O HIV é transmitido através do sexo desprotegido com pessoas contaminadas com o HIV ou que vivem em situação de risco, tais como o uso compartilhado de seringas.

Glutamato e fibromialgia

Estima-se que o glutamato pode provocar ou agravar os sintomas da fibromialgia, assim como o aspartame (adoçante artificial). Por isso é aconselhável consumir certos alimentos como frutas e legumes, ricos em vitamina C, que reduzem a toxicidade do glutamato.

Notícias: Contra a fibromialgia, movimento antes de tudo

Fontes:
Annals of the Rheumatic Diseases da EULAR, PAIN

Redação:
Por Xavier Gruffat (farmacêutico)

Fotos: 
Adobe Stock/Fotolia, Criasaude.com.br

Atualização:
Este artigo foi modificado em 20.11.2018

Esta informação foi útil?

Observação da redação: este artigo foi modificado em 21.11.2018

Publicidade