Publicidade

Home » Plantas medicinais » Pimenta-malagueta

Pimenta-malagueta

Resumo

Planta medicinal hiperemiante utilizada externamente em caso de afecções reumatismais, pode ser encontrada em forma de pomada, emplastro ou compressa.

Publicidade

Nomes

Nome em português: pimenta-malagueta, Pimente Cayenne, pimenta de caiena
Nome científico: Capsicum frutescens Capsicum annuum L. (anteriormente conhecido como Capsicum frutescens L.)
Nom inglês: Capsicum Frutescens
Nome francês: poivre de Cayenne, piment
Nome inglês: Cayenne pepper, Capsicum, Chilli pepper
Nome alemão: Cayenne-Pfeffer, Chili
Nome italiano: pepe di Cayennapeperoncino
Nome espanhol: chili, chile, pimiento, pimienta de Cayena

Família

Solanaceae (Solanáceas)
Observe que no mundo há mais de 1.500 variedades do género Capsicum.

Constituintes

Capsaicina, óleos essencias, vitamina C.

Partes utilizadas

Fruto maduro e seco

Pimenta-malagueta Indicações

Efeitos da pimenta-malagueta

Uso externo:
Hiperemiante, anti-prurido.

Uso interno:
Estimulante das secreções gastro-intestinais.

Indicações da pimenta-malagueta

Uso externo (pomadas, tinturas, compressa quente, emplastro):
– Reumatismo: dor muscular sobretudo aguda, artrite, artrose, dor e tensão muscular
Dor nas costas
– Coceira
Herpes Zóster
Obs.: Para as pomadas: concentração em capsaicina de cerca de 0.01% a 0.025% .

pimenta-malagueta Interações

Atenção! Peça conselhos a um médico ou farmacêutico sobre a possibilidade da aplicação externa de medicamento à base de pimenta.

Efeito da capsaicina:

No uso externo, a capsaicina é absorvida pela pele e liga-se a receptores específicos que atuam reduzindo uma substância responsável pela transmissão de dor para o cérebro. Indiretamente, a capsaicina age como um analgésico.

Uso interno:
– Problemas gastrointestinais, doença de viajante (náuseas), diabetes

Efeitos secundários

Uso interno:
Diarreia, problemas gastrointestinais.

Uso externo:
Vermelhidão, alergias, irritação, queimaduras. Estes efeitos secundários geralmente aparecem durante as primeiras aplicações e, em seguida, diminuem ao longo do tempo. Se a vermelhidão e irritação persistirem, é aconselhável parar o tratamento à base de pimenta caiena.

Contra-indicações

Alergia à planta

Interações

Desconhecemos

Preparações à base de pimenta-malagueta

– Compressa à base de pimenta-malagueta

– Pomada de pimenta-malagueta (por exemplo, preparada por um farmacêutico)

– Emplastro de pimenta-malagueta

– Pó de pimenta-malagueta

– Infusão de pimenta-malagueta

Onde cresce a pimenta-malagueta?

A pimenta-malagueta cresce em regiões de clima quente, como o México e a América do Sul. É possível cultivá-la na Europa e na América do Norte (por exemplo, Quebec). Pode ser cultivada dentro de casa. Atualmente, os dois principais produtores de pimenta-malagueta (da espécie Capsicum annuum) são a Índia e a China.

Quando colher as pimentas (pimenta-malagueta)?

As pimentas são colhidas no verão, quando estão maduras. Uma vez colhidas, secá-las na sombra.

Observações

– A utilização de pomadas a base de pimenta-malagueta, muitas vezes preparadas pelo farmacêutico a partir de uma prescrição médica, pode ser muito eficaz em casos de artrite e em particular no caso de dor nas costas (de acordo com um estudo clínico de 2006 realizado no Canadá). Para preparar uma pomada de pimenta, o farmacêutico adiciona pimenta-malagueta em pó ou em óleo essencial a uma base de pomada. Esta planta também pode ser utilizada na forma de emplastros e loção oleosa.
A capsaicina, princípio ativo da pimenta-malagueta, é responsável pelo efeito analgésico em casos de reumatismos.
A duração do tratamento recomendado para o reumatismo, tal como a artrite, é muitas vezes de 6 a 8 semanas

– Um estudo publicado no final de 2009 pela Universidade de Ulsan na Coréia do Sul mostrou que o uso interno da pimenta-malagueta em pó tem um efeito positivo contra diabetes. É também a substância capsaicina que possui este efeito medicinal.

Pimenta e obesidade, ação sobre a sensação de saciedade
– Os pesquisadores do Centro de Nutrição e de Doenças Gastrointestinais da Universidade de Adelaide na Austrália, publicaram um estudo em agosto 2015 na revista Plos ONE sobre os efeitos da pimenta sobre a obesidade. Os cientistas australianos descobriram que uma alimentação rica em gorduras poderia perturbar receptores importantes localizados no estômago, que enviam um sinal de saciedade ao cérebro. Eles estudaram a ação de uma substância, a capsaicina, encontrada na pimenta (ex. na espécie Capsicum frutescens L.), sobre receptores chamados de TRPV1 localizados no estômago.
– Os cientistas observaram que o estômago se expande quando está repleto, o que ativa os sinais nervosos que informam o cérebro de que foi ingerida uma quantidade suficiente de alimento (saciedade). A ativação deste processo é feita através dos receptores TRPV1, que são principalmente ativados pela capsaicina, encontrada na pimenta. A inibição destes receptores ou a dessensibilização por alimentos gordos provoca um atraso no aparecimento da sensação de saciedade. Em seguida, a pessoa consome mais alimento, o que provoca um ganho de peso. A pimenta pode ser utilizada na perda de peso e pode conduzir à descoberta de novos medicamentos. É aconselhável comer pimenta todos os dias em casos de sobrepeso ou obesidade. [Fonte: Comunicado de imprensa da Universidade de Adelaide, agosto de 2015]

– No México, a pimenta é utilizada na medicina tradicional contra a dor de dente. No passado, os Maias utilizavam pimenta-malagueta para tratar infecções e os Astecas justamente contra dor de dente.

– A pimenta é uma especiaria nativa de regiões tropicais e subtropicais das Américas. A pimenta-malagueta foi descrita pela primeira vez pela equipe espanhola de Cristóvão Colombo em 1493 (século XV), nota-se que Cristóvão Colombo era italiano, mas trabalhava para a coroa espanhola. Os Portugueses, em seguida, introduziram o tempero na Índia e na África durante o século XVI. A pimenta-malagueta é amplamente utilizada em muitas culturas culinárias, como a culinária mexicana (em espanhol é chamada de chili ou chile, particularmente, chili com carne), indiana e italiana.

Criticas sobre a utilização da capsaicina
A revista francesa de referência Prescrire  publica periodicamente uma lista de medicamentos comercializados na França e na União Europeia, mas que devem ser evitados devido à relação risco-benefício não ser favorável. A capsaicina indicada contra dor neuropática, é uma molécula que pode ser encontrada na lista da Prescrire de 2017, não seria mais eficaz do que o placebo e poderia causar efeitos secundários tais como a dor severa ou queimaduras.

Fontes:
Prescrire

Equipe editorial:
Xavier Gruffat (farmacêutico)

Última atualização:
26.11.2020

Fotos

Planta medicinal pimenta-malagueta

Esta informação foi útil?

Observação da redação: este artigo foi modificado em 03.05.2021

Publicidade