Publicidade

Dor de dente

Cravo ou cravo-da-índia contra a dor de denteAs dores de dente possuem causas variadas e resultam em grande incômodo para o paciente. Ela atinge a todas as idades, independentemente do sexo, embora haja uma tendência para que populações de baixa renda tenham dores de dente devido a cáries.
Dentre as causas de dores de dentes, destacam-se a cárie, problemas na polpa do dente e na gengiva, sensibilidade a alimentos quentes ou frios, desgaste do esmalte, abscessos, etc.

Publicidade

Os tratamentos incluem medidas para aliviar a dor e o cirurgião-dentista normalmente pode receitar analgésicos, antiinflamatórios, antibióticos ou medidas cirúrgicas, dependendo do caso.

Manter uma boa higiene bucal evita problemas com cáries e inflamações, prevenindo muitas das causas de dores de dente.

Definição

As dores de dentes são um problema que atingem grande parte da população de diversas idades. Por definição, é qualquer dor que atinge os dentes variando em intensidade de leve, moderada a severa.

A dor de dente pode ser no próprio dente ou em regiões próximas a ele, atingindo o maxilar e a face.

Epidemiologia

Existem poucos estudos e dados nacionais e internacionais que tragam a prevalência e incidência de dor de dentes, entretanto, é sabido que ela pode atingir qualquer pessoa em qualquer faixa etária e de qualquer sexo, uma vez que as dores de dentes são causadas por diversos fatores.

No Brasil, de acordo com dados do Ministério da Saúde de 2002-2003, a prevalência de dor de dente em adolescentes foi de 35,7%, em adultos foi de 34,8% e em idosos, 22,2%. Nos Estados Unidos, a prevalência de dor de dentes em adultos variou entre 12% a 14,5%; entre crianças e adolescentes, essa prevalência variou de 8% a 14,1%, segundo dados de um estudo.

Causas

Há diversas causas relacionadas às dores de dentes, sendo que a mais comum é a presença de cáries, que, por sua vez, é causada pela má higiene bucal. Outras causas comuns incluem:

– Abscesso no dente

– Dor de ouvido

– Lesão no maxilar, boca ou gengiva

Sinusite

– Sensibilidade a alimentos ou bebidas frios ou quentes

– Bruxismo (ranger os dentes)

– Danificação de partes internas do dente (como polpa)

– Infecções como cáries, o primeiro sinal de uma cárie é, notadamente, uma dor que aparece quando se come algo muito doce, quente ou frio

– Dores no pescoço, cabeça, maxilar, etc

– Desgaste do esmalte, com exposição da dentina (corpo do dente)

– Inflamações na gengiva (gengivite)

– Outras doenças como herpes simples, gengivo estomatite herpética, etc.

Além dessas causas, há outras que o cirurgião dentista pode avaliar e escolher o melhor tratamento.

Grupos de risco

Alguns pesquisadores observaram que menor renda, não visitar o dentista para um check-up, perder dentes, sofrer transtornos mentais comuns e ser do sexo masculino aumentaram a chance de ocorrência de dor de dente.

A ocorrência de dor de dente em pessoas de renda mais baixa pode ser explicada pelo fato de os indivíduos que possuem escolaridade alta e maior renda procurarem os serviços preventivos de saúde com maior freqüência, possuírem melhor alimentação, mais autocuidado preventivo de uma forma geral e menos doenças bucais em relação aos que possuem baixa escolaridade e menor renda.

Sintomas

A dor de dentes normalmente aparece de repente e pode variar de um leve desconforto a uma dor de intensidade severa. Essas dores podem se irradiar para o maxilar, cabeça e ouvido.

A dor normalmente piora quando se come ou bebe. Se a dor é causada por sensibilidade, ela piora ao ingerir alimentos ou bebidas muito quentes ou frios. As dores também podem piorar ao se deitar, pois aumenta a pressão sobre o dente.

Os sintomas típicos da dor de dente incluem:

– Dores ao mastigar

– Dores ao ingerir alimentos ou bebidas muito quentes ou muito frios

– Sangramento nos dentes e/ou gengiva

– Inchaço do maxilar

– Inchaço ao redor dos dentes

Diagnóstico

O diagnóstico da dor de dente é feito pelo cirurgião-dentista que analisará o quadro clínico do paciente e verificará as causas da dor. Diversas técnicas podem ser utilizadas para auxiliar na descoberta da causa das dores como análise visual dos dentes e uso de raio-X para verificar a presença de cáries, fraturas no osso, etc.

Complicações

Em alguns casos, as dores de dentes podem esconder complicações que vão além de inflamações na polpa, cáries, lesões na gengiva, etc. As dores de dentes, nesses casos, são sempre os resultados de outras complicações, nunca a causa. Essas complicações podem ser decorrentes de outras doenças que o paciente tenha, ou até mesmo de tratamentos de quimio ou radioterapia. É sempre importante que o cirurgião-dentista faça uma análise ampla do quadro clínico do paciente.

Tratamentos

O tratamento da dor de dente depende de cada caso e das causas da dor. Normalmente os dentistas indicam medicamentos como aspirina, paracetamol, ibuprofeno ou outros antiinflamatórios/analgésicos para aliviar a dor.

Dependendo do caso, o cirurgião-dentista pode optar por outras linhas de tratamento que não medicamentosa. Se a dor de dente é causada por cárie, ela deve ser retirada e substituída por uma obturação de chumbo. Se a polpa do dente estiver infectada (em casos de pulpite), deve ser feita uma desvitalização, no qual o dentista retira a polpa e preenche o espaço com uma pasta e chumbo. Caso haja infecção do dente, devem ser utilizados antibióticos específicos.

É sempre importante que as dores de dentes sejam logo tratadas, pois, além de garantir uma melhora na qualidade de vida do paciente, evita que possíveis infecções se espalhem pelos seios perinasais e pelo osso maxilar, causando septicemia.

Fitoterapia

Muitos tratamentos com plantas medicinais têm o objetivo de reduzir a intensidade das dores. Eles incluem:

– Óleo de cravo da índia – é importante que o cirurgião-dentista esteja ciente do seu uso e indique a dose correta, pois uma dose maior pode causar envenenamento.

– Alho amassado – aplicado junto ao dente dolorido.

– Chá de pitanga – normalmente ingerido 3 vezes ao dia

Malva – aplicado junto ao dente dolorido.

– Arruda – utilizado amassado sobre com um pouco de água e aplicado com um algodão próximo ao dente dolorido.

Hortelã – o sumo da planta pode ser aplicado com um algodão sobre a área que se tem dor.

É sempre importante que o médico esteja ciente antes do uso de qualquer planta medicinal.

Dicas

– Muitas dores de dente são causadas por sensibilidade a alimentos quentes e frios. Hoje em dia há muitas pastas de dente indicadas para diminuir a sensibilidade à temperatura. Converse com o seu cirurgião-dentista para saber qual delas é mais indicada no seu caso;

– Mantenha bons hábitos de higiene bucal;

– Esquente um pano e ponha no lado do rosto que esteja doendo devido ao dente;

– Faça bochechos com água quente e sal, caso a dor não seja por sensibilidade a alimentos ou bebidas quentes;

– Não aliviando a dor com panos quentes, alterne com panos frios;

– Aplique analgésicos sobre o dente, de acordo com a indicação do médico.

– Utilize água quente para escovar os dentes.

– Evite bebidas ou alimentos demasiado quentes, frios ou doces, a fim de prevenir o desencadeamento de dores.

Prevenção

– Muitas dores de dentes são causadas por hábitos de higiene bucal não adequados. É importante que se mantenha uma boca limpa e saudável para evitar inflamações e infecções.

– A escovação deve ser feita todo dia após as refeições. O uso do fio dental também é importante, pois ele retira os resíduos de alimentos que ficaram entre os dentes e a escova não consegue alcançar. Trocar de escova a cada 3 meses também é importante, para que ela mantenha sua capacidade de limpeza. O uso de enxaguantes bucais também pode ser indicado pelo dentista para manter a higiene dos dentes.

– É importante que se faça uma visita regularmente ao dentista para que ele verifique o estado e a saúde de sua boca.

– Beba água fluorada.

Esta informação foi útil?

Observação da redação: este artigo foi modificado em 02.10.2017

Publicidade