Publicidade

Cálculos urinários

Resumo

Os cálculos urinários (litíase urinária, cálculos renais ou pedra no rim) são cristais que se agrupam e perdem a solubilidade, formando uma espécie de “pedra” que pode ser eliminada na urina ou então pode alojar-se nos dutos urinários, podendo assim ocasionar dor, obstrução da urina e em casos mais graves, infecções urinárias.

Publicidade

Os pacientes, em sua grande maioria, apresentam desequilíbrio dos sais e minerais presentes no sangue. É uma condição que pode ser decorrente do tipo de alimentação ou mesmo facilitada pela existência de outro quadro clínico como gota, diabete mellitus e obesidade por exemplo. A desidratação é um dos fatores que esta muito ligado a casos de cálculo, por isso os casos aumentam muito no verão, quando perdemos líquido não só pela urina, mas como também através do suor.

Estima-se que cerca de 12% da população mundial sofra de cálculos urinários atualmente e que uma em cada 200 pessoas pode sofrer de cálculo renal no decorrer da vida. Algumas pessoas possuem um risco maior de desenvolver a doença devido a diversos fatores como baixa ingestão de água, fatores genéticos entre outro, 24% da população apresenta uma maior pré-disposição para formar cálculo.

Cálculos urinários - cálculos renaisO paciente com cálculo urinário pode ser assintomático, e nesse caso pode permanecer por anos sem diagnóstico e tratamento. Já a fama da doença, vem de casos sintomáticos onde o paciente apresenta hematúria e cólicas nefréticas muito dolorosas que podem durar até 1 hora.
O diagnóstico do quadro é feito por exames de imagem como tomografias e ultra-sons. Atualmente o exame mais utilizado, é a tomografia computadorizada helicoidal sem contraste.

O tratamento depende do tamanho do cristal e da localização do cálculo no sistema urinário, e tem por objetivo a remoção do cálculo, sendo essa através do uso de medicamentos e posterior eliminação pela urina; através da degradação dos cálculos em cristais menores e posterior eliminação pela urina; aspirações do cálculo por instrumentos através de pequenas incisões ou, em casos extremos, através de remoções cirúrgicas.

A maioria dos casos possui uma melhora natural, com a expulsão natural da pedra. Cerca de 20% dos casos precisam de intervenção/tratamento.

De acordo com Mayo Clinic, nos Estados Unidos, 3 dicas ajudam a prevenir pedras nos rins: beber mais água, diminuir a ingestão de sal e reduzir o consumo de carne.

Definição

Definição cálculos urináriosOs cálculos são substâncias minerais ou orgânicas presentes em excesso no sangue e conseqüentemente na urina, que se agruparam, perdem a sua solubilidade e se depositam em forma de pequenos cristais. Geralmente esses cristais, chamados cálculos, são excretados pela urina, mas dependendo de seu tamanho e forma, podem ficar presos nos órgãos e dutos do organismo, ocasionando dor e complicações clínicas.

A formação dos cálculos é chamada de litíase. Os cálculos são depositados nas vias urinárias (rim, bacinete, uretra, bexiga). Suas composições podem ser diferentes, por isso as estratégias terapêuticas serão adaptadas aos cálculos, assim como à parte das vias urinárias atingidas.

Podem ser encontrados vários tipos de cálculos em diversos órgãos como o pâncreas, na vesícula biliar, nas glândulas salivares, as vias lacrimais ou ainda as vias urinárias.

Tamanho dos cálculos
Os pequenos cálculos (com menos de 5 mm de diâmetro) podem estar presentes no corpo sem causar sintomas. Por outro lado, os cálculos grandes (10 mm ou mais) geralmente levam a sintomas importantes, como dor intensa.

Definição cálculos urinários

Epidemiologia

Estatísticas cálculos urinários

Estima-se que cerca de 12% da população mundial sofra ou possa sofrer de cálculos urinários pelo menos uma vez na vida. Nos Estados Unidos, um artigo na revista Prevention de maio de 2018, estimou que cerca de 1 em cada 11 americanos pode ter pedras nos rins pelo menos uma vez na vida.

Estudos mostram ainda que 12% dos homens e 5% das mulheres com 70 anos sofram de cálculos renais.

Além disso, a ocorrência de cálculos renais é maior entre pacientes com índice de massa corpórea acima de 30.

De acordo com a Secretaria da Saúde de São Paulo, o número de pedras nos rins aumenta em 30% no verão. Nesta época do ano além de perdermos líquido através da urina, também perdemos pelos poros, através do suor, ficando mais desidratados.

A maioria dos casos possui uma melhora natural, com a expulsão natural da pedra. Cerca de 20% dos casos precisam de intervenção/tratamento.

Há vários anos acredita-se que a prevalência de cálculos urinários era maior em homens do que em mulheres. No entanto, pelo menos em 2018 nos Estados Unidos, a prevalência foi quase a mesma entre homens e mulheres. Em outras palavras, quase tantas mulheres sofrem de cálculos urinários quanto os homens.

Causas

CAUSAS CÁLCULOS URINÁRIOSEm geral, as são cálcicas (à base de fosfatos de cálcio), oxálicas (à base de oxalato de cálcio) ou úricas (à base de ácido úrico ou uratos).

É importante saber que a identificação do tipo de cálculo (pedra) torna possível saber a causa exata e evitar o aparecimento de novos cálculos renais.

– As litíases cálcicas são formadas quando as urinas são muito alcalinas (pH urinário básico, maior que 7). Elas migram pouco, têm graves conseqüências na região renal e podem reincidir, apesar da sua extração.

– A litíase oxálica ocorre devido a uma alimentação rica em ácidos oxálicos (alasão, betteraba, determinadas frutas e legumes).

– A litíase úrica é formada por ácido úrico ou uratos. O ácido úrico é o metabólito final da decomposição das purinas, substâncias muito importantes na formação do DNA.

Outras litíases 
– Outras litíases podem se desenvolver como cálculo (pedras) de estruvita, esses cálculos são formados após uma resposta a uma infecção, como uma infecção do trato urinário. Segundo a Mayo Clinic, esses cálculos podem crescer rapidamente e atingir um tamanho significativo.

– Os cálculos de cistina (cistinúria, em inglês: cystinuria) são outra forma de litíase (formação de pedras) que ocorre em pessoas que sofrem de uma doença hereditária, isto é, de origem genética. A doença é caracterizada pela excreção excessiva dos rins do aminoácido cistina que se concentra na urina.Existem também outras formas de litíase, mais raras, do que as mencionadas neste arquivo.

Existem fatores alimentares que contribuem para a formação dos cálculos, como por exemplo:

–Ingestão insuficiente de líquidos, especialmente de água, que é responsável pela diluição da urina e evita a formação de cristais (desidratação). No verão, é possível observar um aumento de casos de cálculos urinários. Uma das causas é o calor, mas o tempo seco também pode provocar uma desidratação.

– Dieta com baixos índices de cálcio

– Uso de cálcio como suplemento

– Dieta com altos índices de proteína animal

– Dieta com altos índices de açúcar (sucralose, frutose)

– Dieta com baixos índices de fitatos (encontrados no arroz, centeio, trigo, e derivados de vagem)

– Dieta rica em sódio

– Dieta com ingestão freqüente de espinafre

– Consumo de bebidas alcoólicas, pois causa desidratação que facilita a formação de microcristais nos rins. A cerveja é a bebida alcoólica mais prejudicial ao rim.

– Dieta rica em carne vermelha, gordura e sal em excesso.

Além disso, algumas doenças contribuem para o aumento do risco de cálculos renais, sendo elas:

– Hiperparatiroidismo primário

Gota

Obesidade

Diabete mellitus

Doença de Crohn

– Cirurgia bypass gástrica ou intestinal

Sintomas

SINTOMAS CÁLCULOS URINÁRIOSApesar de pode ser uma condição assintomáticos, os sintomas dos cálculos renais são:
– Cólica nefrética (principal complicação dos cálculos urinários).
– Eliminação de pequenos cristais através da urina.

– Hematúria (sangue nas urinas que a deixa de cor rósea ou vermelha, ou mesmo não podendo ser visto a olho nu)

– Sintomas digestivos (náuseas, vômitos)

– Dores para urinar

– Necessidade urgente de urinar.

– Uma frequência maior do que o habitual para urinar.

– Urina com um cheiro especial.

Cólicas nefréticas são dores muito intensas que duram geralmente de 20 a 60 minutos e podem ocorrer na unilateralmente na região lombar, entre o quadril e a costela. As dores ocorrem devido à obstrução das vias excretórias. Para se livrar dos cálculos, o órgão se contrai, provocando dores e até mesmo a sua distensão.

Observação sobre as dores 
No caso de cálculo renal, as dores podem ser muito severas, aparecendo ao lado e nas costas, especialmente atrás das costelas. A dor também pode se desenvolver no abdômen, isto é, no baixo-ventre. A dor pode aparecer como uma onda (momentos com dor e sem dor) e variar em intensidade (dor muito forte e depois leve). Como visto acima, a dor também pode ocorrer ao urinar.

Intensidade dos sintomas
Em geral, os sintomas são mais marcantes quando os cálculos (pedras) atingem o ureter.

Diagnóstico

diagnosticar os cálculos urináriosO médico poderá diagnosticar os cálculos urinários através de diversos meios:
– radiografia do abdômen (evidência os cálculos que são opacos)
– tomografia computadorizada abdominal (mais especificamente a tomografia computadorizada helicoidal sem contraste é o mais recomendado nesses casos)
– ultra-sonografia (método utilizado no caso de pessoas com problemas para realizar exames com radiação como grávidas, pois cálculos pequenos ou no ureter podem não ser visualizados através desse método)
– ecografia
– urografia intravenosa
– exame de sangue: para medir a quantidade de cálcio e de ácido úrico no sangue
– exame de urina: para identificar a presença de cálculos, exame de urina realizado geralmente durante um período de 24 horas
– análise dos cálculos, especialmente por meio de métodos laboratoriais.

Uma vez que os cálculos forem diagnosticos, será necessário analisar como estes afetaram a região renal. O tratamento será determinado após a análise da composição dos cálculos.

Complicações

A principal complicação dos cálculos urinários é a cólica nefrética.

A hidronefrose é outra possível complicação grave dos cálculos urinários que pode afetar o rim, é uma obstrução do fluxo e das vias urinárias.

Se os cálculos urinários não forem tratados eles podem desencadear uma infecção, obstrução do rim, e por fim insuficiência renal (alteração da função renal).

Tratamento

Os cálculos urinários são tratados conforme o seu tipo, tamanho, localização e condição do paciente. Se o cálculo de um paciente que tolera bem a dor e, consegue se alimentar e hidratar, tem chances de ser excretado (geralmente cálculos com menos de 5 milímetros) sem um procedimento mais invasivo, esse paciente pode até ser tratado em casa. Geralmente nesses casos, é aconselhado que o paciente reserve sua urina, para que a pedra expelida seja analisada em um laboratório afim de se determinar qual seu conteúdo. Dessa forma o médico pode avaliar e planejar o tratamento para prevenir o aparecimento de novos cálculos e até mesmo conduzir melhor o tratamento de um novo cálculo que venha surgir.

Seu tratamento, em geral, consiste na administração de antiinflamatórios não esteróides (AINES), para reduzir as dores e a inflamação. Atualmente são utilizados também bloqueadores alfa adrenérgicos para acelerar a eliminação do cálculo pela urina.
Alguns diuréticos, como os tiazídicos, são frequentemente utilizados em cálculos urinários de cálcio.

É necessário também cuidar da hidratação e alimentação, e de acordo com o cálculo formado, adaptar a ingestão dos itens a seguir:

– alimentos com muito ácido oxálico: beterraba, alazão, determinadas frutas e legumes

– alimentos que após metabolizados no corpo produzem muito ácido úrico: arroz de vitela, cabidelas, fígado, arenques)

O ph urinário deverá ser supervisionado quando os cálculos urinários forem de ordem cálcica.

É também possível extrair ou destruir os cálculos através de:

–  ultra-sons (destruição dos cálculos)

– nefrolitotomia percutânea (extração do cálculo através da punção das cavidades renais por via lombar)

– cirurgia

Cálculos maiores, geralmente acima de 9 ou 10 milímetros, não passam pelos dutos urinários. Nesses casos, é necessário extrair ou destruir os cálculos através de:

– Litotripsia Extracorpóriea por Ondas de Choque (LECO)

– Ureteroscopia (passagem de um tubo fino e flexível pela uretra até o ureter e a bexiga)

– Nefrolitotomia percutânea (extração do cálculo através da punção das cavidades renais por via lombar)

– Litotripsia Percutânea por Ultra-som (inserção do instrumento de ultra-som através de uma pequena incisão nas costas em direção ao rim, onde ondas de ultra-som irão atingir o cálculo e dividi-lo em partes menores que poderão ser eliminadas pela urina.

– Litotripsia endoscópica a laser (um feixe de laser separa os cálculos no ureter, possibilitando assim sua eliminação pela urina)

– Litotripsia endoscopia por ondas de choque (normalmente utilizado para cálculos menores de 2 cm.)

– Cirurgia, só é indicada em 10% dos casos, quando se observa que o cálculo está preso no uréter e não consegue descer. Em geral, a cirurgia é realizada por meio de uma pequena incisão nas costas.

Cirurgia da glândula paratireóide
Em alguns casos, os cálculos de cálcio são provocados por uma glândula paratireóide hiperativa que resulta em uma concentração muito elevada de cálcio no sangue. Um pequeno tumor benigno na glândula paratireóide pode causar esse excesso de cálcio. Neste caso, a remoção cirúrgica deste pequeno tumor pode parar o aparecimento de cálculos renais.

Em caso de cólica nefrética (complicação aguda dos cálculos renais), é primordial:

– não tomar bebidas durante a crise (para não sobrecarregar o rim afetado)

– diminuir a dor (AINES)

– acalmar os espasmos

Depois que a dor passar, é aconselhado beber bastante líquido para eliminar os resíduos e ajudar na prevenção do aparecimento de novos cálculos.

Fitoterapia

As pessoas com tendência a formar cálculos renais poderão utilizar as seguintes plantas medicinais:

Observação: as infusões podem ser tomadas de 2 a 3 vezes ao dia.

alho, em forma de condimento, nos pratos

limão, suco de limão todas as manhãs, também é possível beber um suco de laranja. Ideal para prevenir cálculos urinários, pois estes sucos são ricos em ácido cítrico.

zimbro, em infusão

urtiga, em infusão, para prevenir os cálculos urinários

– gerânio em infusão: 1 colher de sobremesa para uma xícara de infusão

hissopo em infusão: 20 gramas para 1 litro de água

bétula, em infusão, para prevenir cálculos urinários

quebra-pedras

milho

hibisco

– Chá (preto ou verde). De acordo com um estudo, beber uma xícara de chá por dia reduz o risco de cálculos urinários.

Dicas & Prevenção

– Beba ao menos 2 litros de líquidos por dia

– Reduza seu consumo de sal e proteína (especialmente carne vermelha, mas também aves e peixes). As proteínas reduzem o pH na urina, o que aumenta o nível de cálcio. O sal também tem um efeito negativo na formação dos cálculos.

– Ingera mais frutas cítricas.

– Não beba bebidas açucaradas como refrigerantes, porque eles são ricos em glicose (um fator de risco de pedras nos rins).

– Nos casos de cálculo urinário, reduzir os alimentos ricos em oxalato de cálcio (oxalate foods), como beterraba, chocolate, nozes, batata-doce ou espinafre.

Fontes:
Mayo Clinic

Redação:
Por Xavier Gruffat (farmacêutico)

Fotos: 
Fotolia.com

Atualização:
Este artigo foi modificado em 21.01.2019

Esta informação foi útil?

Observação da redação: este artigo foi modificado em 21.01.2019

Publicidade