Publicidade

Angina de peito

Para o artigo sobre angina (amigdalite), leia aqui

Publicidade

Definição

A angina de peito (às vezes chamada apenas de angina ou em latim Angina pectoris) é um termo geral usado para descrever uma sensação de aperto, pressão ou dor no meio do peito1. A angina de peito geralmente é causada por um estreitamento das artérias coronárias.

É possível distinguir principalmente 2 formas de angina de peito: angina de peito estável (em inglês: stable angina) e angina de peito instável (em inglês: instable angina), a última é uma emergência médica.
Mais informações na seção Sintomas abaixo

Causas

As artérias coronárias são responsáveis ​​por fornecer oxigênio e nutrientes ao músculo cardíaco. Mas às vezes as artérias coronárias se estreitam, em particular devido ao acúmulo de depósitos de gordura (placas) dentro das artérias, por exemplo, devido à hipercolesterolemia. É por isso que durante a angina de peito estável, em repouso o oxigênio muitas vezes ainda passa pelas artérias, mas durante o esforço físico a situação se torna mais complicada com menos oxigênio sendo capaz de atingir os tecidos do músculo cardíaco (ver infográfico abaixo). Na angina de peito instável, a situação muitas vezes já é crítica, mesmo em repouso há uma grande dificuldade para que o oxigênio chegue ao músculo cardíaco em quantidade suficiente.

Sintomas

Conforme visto na Definição, existem duas formas principais de angina de peito (estável e instável).

Angina de peito estável:
Nesta forma de angina, os sintomas só aparecem quando o coração recebe menos oxigênio do que o necessário, por exemplo, em caso de esforço físico (incluindo, por exemplo, subir escadas), de carga psíquica ou de refeição pesada 2.
Os principais sinais ou sintomas são uma sensação de aperto com pressão ou uma sensação dolorosa de queimação atrás do esterno, normalmente irradiando para o braço esquerdo, mas às vezes também para o ombro, pescoço, queixo ou costas. A dor diminui após alguns minutos ou após a ingestão de nitratos (ex. nitroglicerina).
Em casos mais graves de angina de peito, alguns pacientes podem sentir tonturas, fadiga, suor excessivo, náuseas e dificuldade para respirar. Estes sintomas menos típicos tendem a aparecer especialmente em diabéticos 3.

Angina de peito instável (emergência médica):        
Nesta forma de angina, o distúrbio se desenvolve em algumas horas ou dias, piora rapidamente e dura mais de 15 minutos. Os sintomas aparecem sem motivo aparente, inclusive à noite ou em repouso. A angina de peito instável é um sinal de alerta de infarto do coração (miocárdio), por isso é uma emergência.

Diagnóstico

Quando há suspeita de angina de peito, o médico dispõe de várias ferramentas diagnósticas.

– Exames não invasivos: eletrocardiograma (ECG), ecocardiografia, cintilografia miocárdica, ressonância magnética (RM), scanner (tomografia computadorizada, TC).

– Exames invasivos: angiografia coronária. Esse exame geralmente requer uma curta permanência no hospital.

Tratamentos

Angina de peito estável

Medicamentos para melhorar os sintomas:
– Os nitratos como a nitroglicerina, muitas vezes é utilizado medicinalmente em pequenas doses para a angina de peito estável. A nitroglicerina é o protótipo da classe dos nitratos com efeito terapêutico. O efeito dos nitratos é baseado na formação de óxido nítrico (NO). O óxido nítrico também é conhecido como monóxido de nitrogênio ou monóxido de azoto.
Durante a terapia de longo prazo com nitroglicerina, especialmente na forma de adesivo, tome cuidado para não interromper a terapia repentinamente. Existe o risco de rebote da angina de peito. É por isso que se deve reduzir gradualmente a dose antes de interromper definitivamente a nitroglicerina.
– Os bloqueadores dos canais de cálcio ou antagonistas do cálcio, como a amlodipina. Esses medicamentos evitam que os íons de cálcio entrem nas células musculares lisas do coração e na musculatura vascular. Isso resulta em um efeito hipotensor e em uma dilatação das coronárias. Como a amlodipina leva várias horas para fazer efeito, não é indicada na angina de peito aguda ou instável (crise de angina de peito).
– Os betabloqueadores, como o bisoprolol, são medicamentos utilizados na cardiologia que bloqueiam a ação de mediadores do sistema adrenérgico como a adrenalina. Assim como acontece com outros betabloqueadores, a terapia com bisoprolol não deve ser interrompida abruptamente, a dose deve ser reduzida gradualmente antes da interrupção final. O seu médico ou farmacêutico irá aconselhá-lo. Outros betabloqueadores cardiosseletivos, assim como o bisoprolol, são: atenolol, carvedilol, metoprolol e nebivolol.

Medicamentos para prevenir as complicações (ex. infarto do miocárdio):

– Tratamento que previne a formação de coágulos, como por exemplo, o AAS (ácido acetilsalicílico ou aspirina) em baixa dosagem. Este medicamento faz com que o sangue se torne mais fluido, facilitando a passagem pelas áreas de estreitamento das artérias coronárias.
– Hipotensores. Durante a hipertensão, bem como outras doenças metabólicas (ex. diabetes) ou cardiovasculares, o médico provavelmente irá prescrever medicamentos hipotensores da família dos inibidores da enzima de conversão (IECA) ou antagonistas do receptor da angiotensina II (ARA-II).
– Medicamentos hipolipemiantes, como estatinas. Eles são usados ​​para tratar a hipercolesterolemia, principalmente reduzindo o nível de “colesterol ruim” (LDL ou LDL-C para LDL colesterol). Acima de tudo, têm um papel preventivo, com o objetivo de reduzir o risco cardiovascular, como no caso da angina de peito, graças a uma abertura maior no interior das artérias coronárias (redução da placa de gordura).

Cirurgia
Uma das intervenções mais comuns na cardiologia para a angina de peito é a angioplastia coronária, também chamada de dilatação por balão. A artéria coronária estreitada é dilatada com um balão inflável através de um cateter. Em seguida, geralmente é colocado um stent. Uma outra intervenção é a cirurgia de ponte de safena.
A cirurgia é reservada principalmente para aqueles que são resistentes à medicação e quando as mudanças no estilo de vida (leia abaixo em Bons conselhos) não estão funcionando.

Angina de peito instável

A angina de peito instável é uma emergência médica. O tratamento cirúrgico pode ser necessário.
Na angina de peito instável, os medicamentos mencionados acima nem sempre funcionam adequadamente para fazer desaparecer os sintomas, como explicou a Mayo Clinic em um artigo publicado em setembro de 2021 (leia a referência no final da página).

Bons conselhos & prevenção

Uma mudança no estilo de vida (lifestyle em inglês) pode ser uma forma eficaz de combater a angina de peito.

– Evite fumar

– Adote uma alimentação equilibrada (se possível, siga uma dieta mediterrânea)

– Evite o excesso de peso

– Faça atividade física suficiente (com o consentimento do seu médico, tente fazer 150 minutos por semana de atividade física moderada)

– Reduza ou gerencie seu estresse

– Limite o consumo de álcool

Redação:
Xavier Gruffat

Fontes:
Mayo Clinic, Fundação Suíça de Cardiologia (Swissheart)
Referências e literatura:
“100 wichtige Medikamente” – Infomed (2020).

Última atualização:
21.09.2021

Esta informação foi útil?

Fontes de rodapé:

  1. Newsletter da Clínica Mayo, Mayo Clinic Health Letter, página 1, edição de outubro de 2021, cujo assunto principal era a angina de peito
  2. Fondation Suisse de Cardiologie (tradução: Fundação Suíça de Cardiologia), acessado em 10 de setembro de 2021
  3. Newsletter da Clínica Mayo, Mayo Clinic Health Letter, página 1, edição de outubro de 2021, cujo assunto principal era a angina de peito
Observação da redação: este artigo foi modificado em 22.11.2021

Publicidade