Publicidade

Coronavírus (Covid-19)

Definição

Coronavírus em geral
Os coronavírus são vírus que podem causar infecções respiratórias em humanos e animais.
Alguns coronavírus levam a infecções respiratórias leves com sintomas como um resfriado, mas outros coronavírus podem causar sintomas respiratórios graves com risco de morte.
Os investigadores conhecem actualmente cerca de 3200 coronavírus diferentes em todo o mundo, 95% dos quais foram identificados em morcegos1.

Nova doença do coronavírus Covid-19

A nova doença coronavírus Covid-19 (anteriormente denominada 2019-nCoV) foi renomeada em 11 de Fevereiro de 2020 pela OMS para Covid-19 ou covid-19 (ou COVID-19). O termo Covid-19 deriva de “co” para corona, “vi” para vírus, “d” para doença e 19 para 2019, data do surto de vírus (ver também abaixo). Covid-19 caracteriza assim a doença, o nome do vírus é SRA-CoV-2.
Covid-19 tem os seguintes sintomas principais: tosse, falta de ar ou dificuldade em respirar, febre alta (acima de 38°C). Mais informações em Sintomas abaixo

Publicidade

Pandemia
Em 11 de março de 2020, a doença de Covid-19 foi considerada pela primeira vez uma pandemia pela OMS.
O termo pandemia é composto pelas antigas palavras gregas “pan” para “todos” e “demos” para “pessoas”. Ao contrário de uma epidemia, uma pandemia não se limita, portanto, a um local específico, mas se espalha por países e continentes. A OMS define uma pandemia como uma situação em que toda a população mundial está potencialmente exposta a um patógeno e “uma parte dela fica potencialmente doente”, como explicou o Diretor de Emergências da OMS, Michael Ryan. No entanto, o termo pandemia não nos diz quão contagiosa ou mortal a doença é.

Coronavirus Covid-19 – Origem
– A atual pandemia do novo coronavírus Covid-19 parece ter começado na cidade chinesa de Wuhan, no mercado de frutos do mar da cidade, de acordo com um artigo do New York Times publicado em janeiro de 2020. Wuhan é uma cidade chinesa de 11 milhões de habitantes, localizada a poucas centenas de quilômetros a oeste de Xangai. Acredita-se que a fonte seja um animal selvagem no mercado, disse Gao Fu, diretor do Centro de Controle de Doenças da China, conforme relatado pela agência de notícias ATS-Keystone em 22 de janeiro de 2020. Originalmente, um morcego poderia ter transmitido o vírus a um animal selvagem, que depois o transmitiu aos humanos.
– A transmissão do coronavírus Wuhan parece ser pessoa a pessoa, de acordo com o New York Times. O coronavírus de Wuhan leva a uma condição conhecida como síndrome respiratória, como a SRA (ver abaixo).
– Este vírus (Wuhan coronavirus) pertence ao mesmo tipo de vírus da SRA, mas é uma variante diferente – e actualmente (Fevereiro de 2020) mais inofensiva.

Taxa de mortalidade (Covid-19)
A taxa de mortalidade do coronavírus Covid-19 no mundo seria de cerca de 3,4%, segundo a OMS 2. No entanto, a taxa de mortalidade varia muito de país para país, sendo a mais baixa na Coreia do Sul de cerca de 0,7% e a mais alta na Itália de 6%3. Em comparação, a taxa de mortalidade por influenza (gripe) tem sido de cerca de 0,1% nos últimos anos, como na França 4.
Taxa de mortalidade de acordo com a idade
Até a idade de 39 anos, a taxa de mortalidade da Covid-19 permanece muito baixa, em 0,2%, depois aumenta gradualmente com a idade, de 40 para 49 anos, 1,3% de 50 para 59 anos, 3,6% de 60 para 69 anos, 8% de 70 para 79 anos e especialmente para 14,8% entre os maiores de 80 anos, de acordo com um estudo da OMS publicado em meados de Fevereiro de 2020.
– Um estudo da revista científica The Lancet Infectious Diseases (DOI: 10.1016/S1473-3099(20)30243-7) estimou a taxa de mortalidade de Covid-19 em 0,66%5. Em outras palavras, 0,66% das pessoas infectadas com o vírus morrem devido a ele. Isto é menos que outros relatórios ou estudos publicados em 2020, porque o estudo Lancet é baseado em todos os casos de pessoas infectadas, incluindo aqueles sem sintomas (assintomáticos) que são maioria. Sabe-se que em muitos países, como a Itália, os casos confirmados de Covid-19 são baseados principalmente em casos graves, na sua maioria hospitalizados.

Epidemia da SARS 2002
Entre 2002 e 2003 uma epidemia global da SARS (síndrome respiratória aguda), uma infecção causada por um coronavírus, causou a morte de pelo menos 800 pessoas em 12 países diferentes e mais de 8.000 pessoas tinham sido infectadas. Isto corresponde a uma taxa de mortalidade de cerca de 10%.

Epidemiologia

Covid-19 matou pelo menos 1.840.878 pessoas no mundo inteiro em 3 de janeiro de 2021, desde o início oficial da pandemia em dezembro de 2019, de acordo com a Universidade americana Johns Hopkins, que serve como referência com base em dados da OMS e outras fontes. O número de pessoas infectadas ou que foram infectadas no mundo inteiro – casos confirmados em laboratório (por exemplo, por testes PCR) – com este vírus, conhecido como SARS-CoV-2, agora é de pelo menos 84.959.695 na noite de 3 de janeiro de 2021. Os Estados Unidos são o país com os casos mais confirmados (mais de 20,5 milhões), seguido da Índia (mais de 10,3 milhões) e do Brasil (mais de 7,7 milhões). Em 3 de janeiro de 2021 os 3 países do mundo com mais lamentadores foram os Estados Unidos com 351.233 mortos, o Brasil com 195.725 mortos e a Índia com 149.435 mortos.
Descubra aqui um mapa mais ou menos em tempo real do número de casos e mortes causados pelo Covid-19, um mapa produzido pela universidade americana de referência Johns Hopkins.

Causas

Coronavírus em geral
O coronavírus ou CoV (do latim “vírus da coroa”) é um vírus RNA da família coronaviridae.

Coronavirus Covid-19 (SARS-CoV-2)
O nome da doença causada pelo atual vírus da pandemia do coronavírus é Covid-19. O nome do vírus causador do Covid-19 é SARS-CoV-2 (pour Severe Acute Respiratory Syndrome Coronavirus 2). Muitas vezes a mídia confunde o nome da doença com o nome do vírus.
SARS-CoV-2 é de origem animal e é transmitida entre humanos 6. A doença foi notificada pela primeira vez em dezembro de 2019, na cidade chinesa de Wuhan7.
O SARS-CoV-2 tem 125 nanômetros de diâmetro, o vírus é cerca de 100 vezes menor do que uma célula humana8.

Período de incubação (tempo de incubação)
O período de incubação ou tempo de incubação do vírus SARS-CoV-2 é de 2 a 14 dias, dependendo da informação disponível, conforme reportado no website Pharmawiki.ch em 24 de Janeiro de 2020. Isto significa que os sintomas aparecem relativamente depressa após a infecção. De acordo com as últimas informações transmitidas em particular pelo site Le Figaro em 25 de Fevereiro de 2020, o período de incubação é de cerca de 5 ou 6 dias (mais raramente entre 1 e 14 dias).
O período de incubação é o tempo, geralmente expresso em dias, entre o momento em que uma pessoa se torna portadora do vírus e o aparecimento dos primeiros sintomas (por exemplo, febre, tosse).

Transmissão
A transmissão dos coronavírus, e em particular do Covid-19, ocorre principalmente através do ar (vias aéreas) mas também através do toque ou contato com objetos que tenham entrado em contato com a boca, nariz ou olhos de uma pessoa infectada. Os coronavírus são mais frequentemente transmitidos através de gotículas respiratórias quando uma pessoa infectada tosse ou espirra.

Entrada na organização
Os vírus do Covid-19 entram no corpo de uma pessoa a maior parte do tempo pelo nariz, seja através de gotículas cheias de vírus que entram diretamente no nariz ou carregando as mãos ou dedos infectados pelo nariz acima. Outros pontos de entrada para o vírus são a boca ou os olhos, por exemplo, tocando a boca ou os olhos com as mãos infectadas.

Taxa de reprodução
Um paciente pode infectar (sem quarentena) uma média de 3,28 pessoas, que é conhecida como a taxa reprodutiva. Uma taxa que em 25 de fevereiro de 2020 não era definitiva, como observa Le Figaro. A taxa de reprodução da Covid-19 é próxima da SRA e superior à da gripe (de 1,2 a 1,4).

Como é que o vírus entra nas células humanas?
A afinidade da SARS-CoV-2 (vírus Covid-19) para as células humanas e em particular para o receptor ECA-2 (a enzima de conversão da angiotensina), a sua porta de entrada na célula, é elevada. O vírus SARS-CoV-2 liga-se com o seu pico de proteína ao receptor ACE-2 (ACE-2) nas células pulmonares humanas. Cuidado: De acordo com a literatura científica, os inibidores comuns da ECA, medicamentos geralmente indicados para a tensão arterial elevada, não são eficazes na prevenção da infecção por SARS-CoV-2.

Pessoas em risco

As pessoas mais frequentemente afectadas por um curso grave da doença (Covid-19) são principalmente pessoas com 50 anos ou mais.
Pessoas com doenças crónicas, como :
Hipertensão arterial
– Diabetes (incluindo diabetes tipo 2)
– Doenças respiratórias (asma, fibrose cística, DPOC)
– Doenças hepáticas
– Câncer
– Por causa de uma doença imunossupressora ou medicação
– Fumantes

Deve-se notar que pessoas mais jovens (com menos de 40 anos de idade), anteriormente com boa saúde, também foram afetadas pela forma severa do Covid-19 9. Mas estes casos são raros.

Sintomas Covid-19

Sintomas iniciais do coronavírus Covid-19
No início, ou seja, após o período de incubação, os sintomas assemelham-se muitas vezes à gripe ou a um resfriado: febre (muitas vezes alta acima de 38°C), mal-estar ou fadiga. Estes sintomas iniciais são normalmente seguidos por sintomas respiratórios, normalmente tosse seca e, em casos mais graves, falta de ar ou dificuldade em respirar.
Os primeiros sintomas mais frequentes são febre em 98% dos casos, tosse em 76% e dor ou fadiga em 44% dos casos10.
Dor de garganta e dor muscular difusa também são sintomas comuns com o Covid-19.

Os sintomas menos comuns podem incluir dor de cabeça, raramente dor muscular, corrimento nasal, falta de apetite, náusea, diarréia, perda do olfato e do gosto (veja abaixo) ou conjuntivite. Algumas vezes também podem ocorrer tonturas e sintomas dermatológicos (veja abaixo).
Sintomas digestivos (por exemplo, diarréia)
Na Alemanha, o diretor do Instituto de Virologia em Bonn (Alemanha) estimou que a diarréia foi observada em 30% dos casos de Covid-1916.
Além disso, de acordo com um artigo publicado na CNN.com em 18 de março de 2020, baseado em um pequeno estudo envolvendo 200 pessoas com Covid-19, os sintomas digestivos poderiam ser mais frequentes do que se pensava anteriormente, estes sintomas poderiam estar presentes em quase 50% dos casos de Covid-19 (por exemplo, diarréia, náuseas, vômitos, perda de apetite).
Perda do olfato (anosmia) e do paladar
Perda do olfato (anosmia) e do gosto tem sido observada em particular na França e na Alemanha em pessoas com Covid-1917. A perda do olfato (anosmia), sem rinite, é muito típica da Covid-19, de acordo com vários estudos. Entretanto, a anosmia ocorre freqüentemente após uma infecção do trato respiratório superior e não apenas da Covid-1918. O cheiro e o gosto retornam na grande maioria dos casos poucos dias após a perda.
Sintomas dermatológicos
Sinais ou sintomas dermatológicos são possíveis no caso do Covid-19, na França alguns casos de eritema facial foram detectados em conexão com o Covid-19. Nos pés e mãos também foram observadas lesões urinárias, vermelhidão e inchaço mais ou menos doloroso, a não confundir com “falso congelamento” que pode ser devido a lavagem excessiva das mãos. Também houve relatos de erupções cutâneas temporárias e lesões urinárias, como relatado no site de referência suíço Pharmavista.net em 17 de abril de 2020. Antes de concluir uma possível associação com o Covid-19, a Sociedade Francesa de Dermatologia (SFD) pede cautela e emitiu um chamado para casos para manter um registro de lesões cutâneas associadas à infecção pelo Covid-19.
Outros sintomas
Inflamação dos testículos é outro sintoma do Covid-19, conforme observado pela Clínica Mayo (Mayo Clinic) em seu site no final de abril de 2020.

Duração dos primeiros sintomas de Covid-19
Na maioria dos casos leves, sintomas leves, como febre ou tosse, persistem por alguns dias antes da recuperação. O paciente geralmente se recupera, na ausência de complicações, cerca de 1 semana (às vezes menos) após o início dos sintomas. No entanto, cada vez mais pessoas com Covid-19, que não estão hospitalizadas, estimam que a febre e a tosse em particular podem durar semanas, por exemplo, até 6 semanas.

Complicações (evolução séria)
Se a doença progredir seriamente, pode ocorrer dificuldade respiratória após cerca de uma semana e, no pior dos casos, pode ocorrer pneumonia com problemas respiratórios e envolvimento de outros órgãos e sistemas. O sepsis é uma possível complicação grave da Covid-19.
De acordo com a OMS, 80% dos pacientes tinham uma forma leve da doença11.

Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
A Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo (SDRA) é a principal causa de morte em pacientes com Covid-19. A Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo (SDRA) afeta entre 3% e 17% de todos os pacientes Covid-19. Com base nas informações disponíveis, o CDC dos EUA estima que 20-42% dos pacientes hospitalizados para o Covid-19 desenvolverão SDRA. Para pacientes internados em terapia intensiva, estima-se que a faixa de variação esteja entre 67% e 85%. Pesquisas pré-pandêmicas sugeriram que aproximadamente 45% dos pacientes que desenvolvem SDRA grave irão morrer.

Pessoas sem sintomas (assintomáticas)
De 25 à 50% das pessoas que apresentam teste positivo para Covid-19, ou seja, infectadas com o vírus, não apresentam sintomas. Estes são casos assintomáticos, como informa a CNN em 1º de abril de 2020.
De acordo com a OMS, 80% dos pacientes sofrem de uma forma benigna da doença, ou seja, sem evolução grave. As pessoas neste caso são, portanto, ou sem sintomas ou com sintomas leves ou moderados.

Diagnóstico

O diagnóstico é estabelecido com base na história do paciente, sintomas clínicos e, sobretudo, por métodos laboratoriais com um teste de biologia molecular baseado em PCR (reverse transcriptase polymerase chain reaction), mas também na detecção de anticorpos (teste de sangue). Os dois métodos a seguir permitem determinar se a pessoa foi infectada com o vírus Covid-19.

1. O método PCR
Primeiro, um médico retira uma amostra das vias aéreas de um paciente – geralmente tirando um esfregaço do nariz. Note que o exame é um doloroso. Esta amostra é preparada e depois enviada para um laboratório onde especialistas procuram o material genético do vírus usando um teste chamado PCR (ou RT-PCR). Em termos simples, uma seção específica do genoma do vírus é copiada milhões de vezes usando PCR. As cópias são marcadas a cores com uma sonda. Esta marcação colorida pode então ser tornada visível com equipamentos complexos. Se sinais de cor correspondentes estiverem presentes, a amostra é uma “amostra positiva”. Em condições ideais, tal teste leva de 3 a 5 horas em um laboratório especializado. Note que é o material genético do vírus que está sendo testado e não os anticorpos. O método PCR é usado para diagnosticar pacientes que estão atualmente portadores do vírus, não aqueles que o tiveram dias ou semanas antes.

2. O método de detecção de anticorpos (amostra de sangue) – teste serológico
Este método detecta anticorpos endógenos (do próprio corpo) contra o SRAS-CoV-2 através da recolha de uma amostra de sangue, por exemplo, detectando IgG ou IgM no sangue (serodiagnóstico). Isto também é conhecido como um teste serológico. Há testes rápidos, que podem ser realizados em cerca de 15 minutos no laboratório. Quando o organismo combate um patógeno (por exemplo, vírus), o sistema imunológico produz anticorpos, que são proteínas que se ligam especificamente aos antígenos na superfície do patógeno (por exemplo, vírus). Se usarmos uma metáfora, o anticorpo é como uma chave que se prende à fechadura que é o antígeno. É importante notar que anticorpos circulam no organismo durante semanas ou meses após a infecção. Estes testes de detecção de anticorpos são particularmente úteis para pessoas que pensam ter sido infectadas, mas por várias razões não puderam realizar o teste PCR, mas também para a população em geral, pois sabe-se que até 50% das pessoas infectadas não apresentam sintomas (estes são chamados de casos assintomáticos). Idealmente, toda a população deveria ser testada. Países como a Alemanha, o Reino Unido ou a Holanda estão preparando testes em larga escala através da detecção de anticorpos no sangue. Entretanto, é importante que estes testes sejam confiáveis e não apresentem falsos negativos e especialmente falsos positivos (por exemplo, o teste indica que a pessoa foi infectada mas na verdade não foi, o risco é que a pessoa possa ser infectada mais tarde). Note que leva vários dias ou mesmo semanas até que o organismo produza anticorpos contra este vírus Covid-19.
Alto risco de imprecisão com testes serológicos
Muitos testes sorológicos, baseados na busca de anticorpos, podem ser imprecisos. Por exemplo, eles poderiam detectar anticorpos do coronavírus causador do resfriado e não do SRA-CoV-2 causador do Covid-19, caso em que são chamados de falso-positivo. É por isso que o FDA, órgão americano de registro de medicamentos, alerta contra certos testes sorológicos, conforme informado pela CNN em 15 de abril de 2020.

Diagnóstico de pneumonia
O diagnóstico da pneumonia causada pela Covid-19 é feito por meio de uma tomografia computadorizada (CT-scan), uma radiografia específica dos pulmões. O médico também pode medir a quantidade de oxigênio no sangue (oximetria ou gasometria) e tirar uma amostra de sangue. A febre também deve ser medida.

Tratamentos

Atualmente não há vacina para prevenir a Covid-19. Por enquanto e na prática, o paciente é colocado em quarentena e as medidas postas em prática visam principalmente aliviar os sintomas enquanto se espera que a doença se resolva por si mesma. O tratamento sintomático, que cura os sintomas, é condicionado pela condição clínica do paciente.
Deve-se notar, no entanto, que o pronto gerenciamento de casos graves oferece uma melhor chance de recuperação.

Paracetamol em caso de febre 
Os anti-inflamatórios como o ibuprofeno geralmente não são recomendados contra a infecção pelo novo coronavírus Covid-19, pois podem ser um fator de agravamento da infecção pelo Covid-19, como observou o ministro da Saúde francês Olivier Véran em sua conta no Twitter em 14 de março de 2020. O Ministro observou que em caso de febre, o paracetamol deve ser tomado. Se uma pessoa já estiver a tomar anti-inflamatórios ou em caso de dúvida, deve consultar o seu médico.

Medicamentos
Remdesivir, um medicamento antiviral, está sendo usado atualmente na China e em outros países em ensaios clínicos contra o Covid-19. Este medicamento tem um amplo espectro de atividade e é eficaz contra vários vírus coronavírus e ébola, entre outros. Remdesivir é um pró-fármaco de um princípio ativo que é metabolizado no organismo para trifosfato e inibe a síntese viral de RNA bloqueando a RNA polimerase dependente de RNA e, portanto, a replicação viral30. O medicamento é administrado como uma infusão intravenosa. É comercializado pelo laboratório farmacêutico americano Gilead Sciences, que desenvolveu a molécula para a epidemia do Ébola na África Ocidental em 2014. A Food and Drug Administration (FDA) emitiu na sexta-feira 1º de maio de 2020 uma aprovação de emergência para o medicamento antiviral remdesivir como tratamento para pacientes com Covid-19, conforme relatado pelo New York Times em 1º de maio de 2020. O Remdesivir está disponível nos hospitais americanos para casos graves da doença. De acordo com o Wall Street Journal de 2 de maio de 2020, 1,5 milhões de doses foram doadas gratuitamente pela Gilead (fabricante) para hospitais americanos.
– A hidroxicloroquina (um derivado da cloroquina utilizado contra a malária) pode ter um efeito positivo em pacientes com Covid-19. Os estudos clínicos estão em curso, incluindo o grande estudo Disovery. Por enquanto (23.04.2020) nenhum estudo demonstrou a eficácia da molécula.
– A hidroxicloroquina em combinação com o antibiótico azitromicina pode ser ainda mais eficaz do que sozinha, mas mais uma vez os estudos clínicos estão em curso. Por enquanto (23.04.2020) nenhum estudo demonstrou a eficácia das 2 moléculas (cocktail).
– Lopinavir e ritonavir, estas drogas têm sido usadas para a infecção por Covid-19. Por enquanto (final de março de 2020), não há aprovação para o Covid-19. Os estudos clínicos estão em curso, incluindo o grande estudo Disovery.
– Mefloquina (Lariam®, medicamentos genéricos). Como noticiado no site suíço Pharmawiki.ch em 30 de março de 2020, o medicamento antimalárico mefloquina (Lariam®, medicamentos genéricos) é usado na Rússia para o tratamento do Covid-19, como noticiado em alguns meios de comunicação social. A mefloquina não é um medicamento sem efeitos secundários, pois tem uma longa meia-vida e pode causar distúrbios centrais e psiquiátricos.

Sem vacina
Atualmente (23.04.2020) não há vacina contra a Covid-19. Mas várias instituições e empresas ao redor do mundo estão trabalhando duro para desenvolver uma, possivelmente disponível no verão de 2021 ou até mais cedo (início de 2021), de acordo com a agência de notícias suíça Keystone-ATS datada de 11 de fevereiro de 2020. Leva vários meses ou mesmo anos para desenvolver uma vacina. No 23.04.2020, era difícil avaliar se uma vacina eficaz e segura estaria disponível rapidamente e em quantidade suficiente e, em caso afirmativo, quando. Algumas fontes otimistas falam de uma vacina já disponível em outubro de 2020, como declarou a CNN TV ao entrevistar um cientista em Oxford (Inglaterra), e outras pensam apenas em 2024, pois é sabido que a vacina contra o Ébola levou 5 anos para ser colocada no mercado, o que é um recorde (muitas vezes uma vacina pode durar 10 anos). Muitos cientistas acreditam que é confiável ter uma vacina no ano de 2021.

Risco de intubação (redução de risco):
No departamento de emergência e especialmente na terapia intensiva (UTI), o posicionamento do paciente no lado ou no estômago (a massa pulmonar é principalmente nas costas e não no peito) pode diminuir o risco de um paciente Covid-19 ser entubado, como explicou o médico de emergência americano Dr. Richard Levitan em um artigo escrito no New York Times em abril de 2020.

Tempo de recuperação:
Pode levar várias semanas para recuperar totalmente da doença causada pelo novo coronavírus (Covid-19), disse o Dr. Mike Ryan, Director Executivo do Programa de Emergência de Saúde da Organização Mundial de Saúde (OMS), numa reunião de informação na segunda-feira, 9 de Março de 2020.

Prevenção

7 regras de higiene e conduta a seguir:
– Lave as mãos cuidadosamente, especialmente com sabão (o sabão mata os vírus Covid-19 em 20 segundos, pois os vírus têm um envelope lipídico que é rapidamente destruído pelas moléculas do sabão).
– Tossir e espirrar para um lenço ou para o cotovelo
– Se você tem febre e tosse, fique em casa.
– Descarte os lenços usados em um recipiente fechado.
– Evite apertos de mão
– Ligue sempre antes de ir ao médico ou ao pronto-socorro.
– Use uma máscara no espaço público, se não houver máscara disponível cubra seu rosto com um pano (por exemplo, lenço)

– Máscaras de protecção respiratória (máscaras cirúrgicas)
O uso de uma máscara cirúrgica (máscara de proteção respiratória) é recomendado para pessoas infectadas e para o pessoal de saúde, a fim de limitar a propagação do vírus, especialmente ao tossir ou espirrar. Mas para as pessoas que ainda não estão doentes – a grande maioria – usar uma máscara não é recomendado atualmente pelas autoridades de saúde, como muitos meios de comunicação em todo o mundo têm relatado. Dito isto, desde 3 de abril de 2020, as autoridades americanas vêm recomendando que toda a população use uma máscara cirúrgica ou um traje de proteção, sendo que muitas pessoas são portadoras do vírus, mas não apresentam quaisquer sintomas. Com esta medida de uso generalizado da máscara, os especialistas esperam uma diminuição do número de contaminações.
As máscaras de protecção respiratória, também conhecidas como máscaras cirúrgicas de protecção, oferecem uma protecção superior às máscaras higiénicas, tais como as máscaras de papel. As máscaras de protecção respiratória estão em conformidade com a norma europeia EN 149. Eles estão divididos em três classes de proteção (FFP1, FFP2, FFP3). Estas máscaras são molhadas após aproximadamente 8 horas e devem então ser trocadas. As máscaras FFP2 (ou FFP3) com um nível de filtração muito elevado são as mais eficazes contra o coronavírus Covid-19.
Nos EUA, as máscaras FFP2 ou FFP3 são chamadas N95 (mais informações abaixo). FFP significa “peça facial filtrante”, esta é uma norma da União Europeia (EN standard 149:2001). Para ser mais preciso, uma máscara N95 significa que é capaz de remover 95% de todas as partículas com um diâmetro de 0,3 microns ou mais. Uma máscara FFP1 remove 80% das partículas com 0,3 mícron ou mais de diâmetro, uma FFP2 remove 94%, uma FFP3 remove 99% e uma N100 remove 99,97%.

Fontes & Referências :
The New York Times, CBSNews, Pharmavista.net, Escritório Federal de Saúde Pública (FOPH), Keystone-ATS, OMS, Folha de S.Paulo, Pharmawiki.ch, Le Figaro, NZZ, CNN.com (muitas edições, por exemplo, aqui), AFP, France 24, France 2 (Journal TV), Mayo Clinic.

Pessoas responsáveis e envolvidas na redacção do presente dossier:
Xavier Gruffat (Farmacêutico e Editor Chefe da Creapharma), Seheno Harinjato (Editor da Creapharma.ch, responsável pela computação gráfica).

Créditos fotográficos :
Adobe Stock, © 2020 Pixabay, Creapharma.ch

Infographics :
Pharmanetis Sàrl (Creapharma.ch)

Data da última actualização :
03.01.2021

__________

Esta informação foi útil?

Fontes de rodapé:

  1. Revista alemã FOCUS publicada em fevereiro de 2020, edição nº 6/2020
  2. Folha de S.Paulo de 16 de Março de 2020, The Wall Street Journal
  3. Keystone-ATS press agency, de 12 de Março de 2020, Folha de S.Paulo de 16 de Março de 2020
  4. Journal TV de France 2 de 27 de janeiro de 2020
  5. CNN.com, 30 de março de 2020
  6. « China confirms people-to-people transmission of new coronavirus (state media) », sur France 24, 20 janvier 2020
  7. Hui D.S. et al. The continuing 2019-nCoV epidemic threat of novel coronaviruses to global health – The latest 2019 novel coronavirus outbreak in Wuhan, China. Int J Infect Dis, 2020, 91, 264-266 Pubmed
  8. Le Figaro, 04.04.2020
  9. Website do Departamento Federal de Saúde da Suíça (FOPH) – o link funcionou em 30 de janeiro de 2020, acessado em 30 de janeiro de 2020
  10. The Wall Street Journal, 06.03.2020
  11. Keystone-ATS, 19.03.2020
Observação da redação: este artigo foi modificado em 03.01.2021

Publicidade