Publicidade

Câncer de bexiga

Definição

Câncer de bexiga definição O câncer de bexiga, ou câncer vesical, é uma neoplasia que atinge as células da bexiga. A bexiga é um órgão semelhante a um balão, situado na região pélvica e responsável por armazenar a urina. A bexiga, assim como as outras estruturas do sistema urinário (rins, ureteres e uretra) é revestida por um epitélio de células de transição conhecido como uretélio.
A maioria dos casos de câncer de bexiga é das células de transição (carcinoma de células de transição), que é a camada que reveste a bexiga. Os outros tipos de tumor na bexiga são:

Publicidade

– Carcinoma de células escamosas.

– Adenocarcinoma (carcinoma das glândulas secretoras da bexiga).

– Sarcoma de bexiga.

– Carcinoma de células pequenas.

Epidemiologia

ESTATÍSTICAS CÂNCER DE BEXIGAO câncer de bexiga é mais comum em pessoas idosas, mas pode atingir qualquer indivíduo em qualquer idade. Nos Estados Unidos, o câncer de bexiga é mais comum em homens que em mulheres. Cientistas da do Centro Médico da Universidade de Rochester acreditam que o receptor andrógeno (mais ativo em homens que em mulheres) tenha um papel no desenvolvimento da doença.

O tipo mais comum de câncer de bexiga é o de células transicionais, que corresponde a cerca de 90% dos casos. O carcinoma de células escamosas é o segundo mais frequente, com cerca de 8% dos casos. Os demais tipos de câncer de bexiga são mais raros.

No Brasil, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA) de 2010, o câncer de bexiga foi responsável por 3167 mortes, sendo 2229 em homens e 938 em mulheres. A estimativa é que surjam 8900 novos casos em 2012.

Causas

CAUSAS CÂNCER DE BEXIGAAs causas do câncer de bexiga ainda são incertas. Entretanto, os cientistas acreditam que fatores genéticos e ambientais possam propiciar o desenvolvimento de câncer de bexiga.

Dentre os fatores genéticos, mutações em oncogenes e outros genes podem desencadear o surgimento do tumor. Os genes que parecem estar relacionados com a doença são o FGFR3, HRAS, RB1 e TP53.

Além de fatores genéticos, a exposição das células da bexiga a carcinógenos também é apontada como uma das causas da doença. Dentre estes, podemos destacar:

CÂNCER DE BEXIGA CAUSAS–  Tabagismo.
– Exposição a agentes químicos carcinogênicos, como asbestos, solventes, pesticidas, metais pesados, etc.
–  Exposição à radiação ionizante.

– Exposição a certos medicamentos, como a ciclofosfamida, medicamentos pra diabetes e a fenacetina.

– Irritação crônica da bexiga, causada por pedras na bexiga, inflamações (como a cistite), infecções bacterianas, presença de cateteres, etc. Esses fatores predispõem, principalmente, o surgimento do carcinoma de células transicionais.

Grupos de risco

GRUPOS DE RISCO CÂNCER DE BEXIGAOs principais grupos de risco para o câncer de bexiga são:
– Pacientes idosos.
– Homens.
– Pessoas que fumam. ATENÇÃO: o fumante passivo também tem altas chances de desenvolvimento de cânceres no geral.

– Pessoas que trabalham com agentes químicos carcinogênicos, como lavradores e químicos.

– Pacientes que já fizeram tratamento quimioterápico com ciclofosfamida ou radioterapia.

– Pacientes que usam medicamentos para diabetes, como a pioglitazona, glimepirida e metformina.

– Pacientes com cistite.

– Pacientes com infecção por esquistossomose.

– Pacientes com pedra na bexiga.

– Pessoas com histórico familiar de câncer de bexiga.

Sintomas

SINTOMAS CÂNCER DE BEXIGAOs sintomas mais comuns do câncer de bexiga são:
– Sangue na urina. Normalmente a urina aparece vermelha ou num tom mais escuro.
– Dor ao urinar (disúria).
– Urinar frequentemente (poliúria).

– Vontade frequente de urinar, se resultado.

– Dor pélvica e nas costas.

Esses sintomas não são específicos para a doença, mas indicam uma alteração no sistema urinário. É importante que você visite um médico caso apresente algum dos sintomas acima. O câncer de bexiga tem mais chances de cura quando diagnosticado precocemente.

Diagnóstico

DIAGNÓSTICO CÂNCER DE BEXIGAO diagnóstico do câncer de bexiga é inicialmente feito analisando o histórico clínico do paciente e os sintomas por ele apresentado (sangue na urina, dor ao urinar, etc). O médico então irá requerer mais exames para diagnosticar a doença. Dentre eles:
– Citoscopia: exame que é feito pela inserção de uma pequena câmera pela uretra. Permite que o médico tenha uma visão interna da bexiga.

– Citologia da urina: exame para verificar se há células do câncer na urina.

– Exames de imagem: permite ver se existe alguma massa tumoral na bexiga. Esses exames incluem o raio-X pélvico, tomografia computadorizada e ressonância magnética.

– Biópsia: pode ser realizada durante a citoscopia e consiste na retirada de uma parte do tecido da bexiga para verificar qual o tipo de tumor e qual o estágio ele está.

De acordo com o resultado da biopsia, o tumor pode ser classificado nos seguintes estágios:

Complicações

Complicações câncer de bexigaO câncer de bexiga pode causar algumas complicações no trato urinário, como dor e frequência aumentada de urinar muitas vezes sem resultado. Isso incomoda muito o paciente. Além dessas, outras complicações são:

– Anemia, pela perda de sangue na urina.

– Incontinência urinária (incluindo vazamento noturno de urina).

– Alteração dos ureteres, como hidronefrose (inchaço do ureter).

– Estreitamento da uretra (estenose uretral).

Algumas complicações mais severas incluem:

– Invasão para outros órgãos (metástase), como fígado, próstata (homens), útero (mulheres), pulmão e ossos. Nesses locais, as células tumorais se desenvolvem e formam um novo câncer.

– Recorrência: o câncer de bexiga volta frequentemente e, por isso, o paciente precisa se submeter constantemente a exames de acompanhamento mesmo após ser identificada a cura da doença. Os exames de acompanhamento são normalmente os mesmos feitos para o diagnóstico da doença.

Tratamentos

TRATAMENTOS CÂNCER DE BEXIGAO tratamento do câncer de bexiga irá depender do tipo de tumor, grau de desenvolvimento do câncer e de características do paciente, como idade, sexo e saúde. O médico pode escolher 3 abordagens: cirurgia, quimioterapia ou radioterapia.

Cirurgia

A cirurgia pode ser empregada para remoção da massa tumoral. Se o tumor ainda não penetrou ou se espalhou pela bexiga, o médico poderá optar pela ressecção transuretral ou pela cistectomia parcial, que envolve a retirada de pequena parte do tecido da bexiga que circunda o tumor.

Se o tumor atingiu boa parte da bexiga, o médico poderá considerar a remoção total da bexiga e dos linfonodos adjacentes, conhecida como cistectomia total. No homem, isso poderá levar à remoção da próstata e glândulas seminais. Na mulher, o médico pode retirar o útero, ovário e parte da vagina.

Depois desse procedimento, o médico irá fazer uma cirurgia para criar uma forma de expelir a urina do corpo. Há diversos procedimentos, como a criação de um canal condutor (conduite urinário) ou implementação de uma bexiga artificial (bolsa de urectomia), que o paciente carrega ao lado do abdome. Outras técnicas envolvem a criação de uma nova bexiga a partir de tecido epitelial do intestino (chamada de neobexiga ortotópica). Esse reservatório fica dentro do corpo e é conectado à uretra.

Quimioterapia

TRATAMENTOS CÂNCER DE BEXIGA QuimioterapiaA quimioterapia é o tratamento do câncer com medicamentos. Essa abordagem é normalmente associada à cirurgia e à radioterapia para aumentar as chances de sucesso do tratamento. A quimioterapia citotóxica utiliza combinação de alguns fármacos para o tratamento do tumor, como a gencitabina, cisplatina, doxorrubicina, metotrexato, alcaloides da vinca, etc.

Outra abordagem é o uso de agentes biológicos para o tratamento do câncer de bexiga, como o bacilo Calmette-Guérin (BCG), que também usado na vacina contra tuberculose e faz com que o sistema imune do paciente destrua as células cancerígenas. O intereron alfa-2b também estimula o sistema imune do paciente.

Radioterapia

A radioterapia consiste na aplicação de radiação para matar as células tumorais. Normalmente a aplicação de radioterapia é feita antes e após a cirurgia e é chamada de radioterapia perioperatória. Um estudo da Universidade de Leeds na Inglaterra de 2008 apontou que as técnicas de radioterapia são tão eficazes quanto a cirurgia para o tratamento do câncer de bexiga.

Fitoterapia

Fitoterapia câncer de bexigaAinda não existem medicamentos fitoterápicos estabelecidos para tratamento do câncer de bexiga. Entretanto, pesquisas apontam que o agrião, o brócolis, a couve-flor e o repolho podem ajudar a combater a formação do câncer de bexiga.
Além disso, as plantas medicinais podem ser usadas para amenizar os efeitos colaterais da quimioterapia e radioterapia, que normalmente incluem problemas gastrintestinais, como vômitos e diarreias. Dentre as plantas utilizadas, destacam-se:

– Valeriana: para melhorar a qualidade do sono.

– Boldo: para sintomas gastrintestinais e hepáticos.

– Camomila: usada como calmante e para combate à insônia.

– Melissa: para sintomas gastrintestinais.

– Erva doce: indicada para problemas estomacais.

Há diversas outras plantas que podem ajudar na redução da dor e efeitos colaterais. Converse com o seu médico sobre isso.

Dicas

DICAS CÂNCER DE BEXIGAAbaixo estão algumas dicas sobre como lidar com a doença e o tratamento:
– O câncer de bexiga tem altas chances de cura quando é diagnosticado cedo e tratado precocemente. O aparecimento de sangue na urina não deve ser deixado de lado. Isto é, se você apresentar esse sintoma, procure um médico para que ele possa fazer exames detalhados.
– Se você foi diagnosticado com a doença, siga corretamente todas as instruções médicas e não falte às sessões de quimioterapia. Se você está sofrendo com os efeitos colaterais das medicações (náuseas, perda de apetite, dores de barriga, vômitos, etc), converse com o seu médico para que ele possa receitar medicamentos que amenizem esses efeitos.

– Divida o fardo com amigos e familiares. Manter uma boa qualidade de vida, uma dieta balanceada, atividades físicas moderadas e controlar o nível de estresse ajudam no processo de cura da doença.

– Mude alguns hábitos de vida. Durante o tratamento, evite fumar e beber álcool em excesso. O fumo e as bebidas alcoólicas podem interferir com o tratamento e reduzir a eficácia de muitos quimioterápicos.

– Se você recebeu o diagnóstico de cura do câncer de bexiga, faça os exames de acompanhamento regularmente. Esse tipo específico de câncer tende a voltar com frequência e é importante que exames periódicos sejam feitos para detectar qualquer alteração nas células da bexiga por menores que sejam.

Prevenção

PREVENÇÃO CÂNCER DE BEXIGAAlgumas medidas podem ser tomadas para prevenir o surgimento do câncer e bexiga. Entretanto, as medidas apresentadas não garantem que o paciente não apresentará a doença ao longo da vida.
– Evite fumar. O fumo libera para a corrente sanguínea diversas toxinas que são irritantes para as células da bexiga. Os fumantes passivos também são afetados por esses agentes tóxicos.

– Se você trabalha diretamente com pesticidas, solventes químicos ou metais pesados, tenha precaução e use aparelhos adequados de proteção. Esses agentes são conhecidamente carcinogênicos e aumentam as chances de desenvolvimento da doença.

CÂNCER DE BEXIGA PREVENÇÃO – Beba muito líquido de preferência água. O ideal é que cada pessoa ingira, pelo menos, 2 litros de água por dia. Isso evita a formação de pedras na bexiga, que é um dos fatores de risco para a doença. Além disso, a água ajuda a diluir as substâncias tóxicas da urina.
– Tenha uma dieta balanceada. A ingestão de frutas, legumes e verduras fornece para o corpo vitaminas, minerais e antioxidantes que ajudam a eliminar radicais livres e outros agentes que lesionam as células.

– Pratique exercícios físicos. A atividade física faz com que o corpo elimine toxinas que são prejudiciais às células.

Redação:
Por Xavier Gruffat (farmacêutico)

Fotos: 
Fotolia.com

Atualização:
Este artigo foi modificado em 12.11.2018

Esta informação foi útil?

Observação da redação: este artigo foi modificado em 11.11.2018

Publicidade