Publicidade

Câncer de pâncreas

Definição

Definição Câncer de pâncreasO câncer de pâncreas afeta, como o nome sugere, o pâncreas (leia abaixo para saber mais sobre esse órgão). É um câncer cada vez mais frequente, especialmente em países de alta renda e é muito difícil de tratar. É um dos cânceres mais mortais, com uma taxa de sobrevivência de 5 anos de aproximadamente 9% em 2020 nos Estados Unidos. Observe que existem diferenças importantes dependendo do estágio de desenvolvimento da doença. Por exemplo, se o câncer estiver localizado no pâncreas, a taxa de sobrevivência de 5 anos é de 37%, mas cai para 3% se o câncer se espalhou para partes distantes do corpo como pulmões, fígado ou ossos.

Publicidade

O pâncreas
– O pâncreas é uma glândula digestiva localizada profundamente no abdômen com cerca de 15 cm de comprimento. Podemos dividir o pâncreas em 4 partes: cabeça, istmo, corpo e cauda.
– A nível fisiológico há duas formas de tecidos no pâncreas, de acordo com as suas funções, ou seja, se eles apresentam secreção endócrina ou secreção exócrina. As células de secreção endócrina compõem uma pequena porção do pâncreas de cerca de 2% (as chamadas ilhotas de Langerhans), e desempenham um papel importante na regulação da glicose, produzindo insulina.
– A maior parte do pâncreas é composta de células de secreção exócrina, responsável pela formação do suco pancreático. Este suco em particular contém lipídeos, proteínas e açúcares. Cada dia o pâncreas produz 1,5 litros de sucos digestivos que ajudam o processo de digestão.

O câncer de pâncreas afeta, em cerca de 95%, a secreção pancreática exócrina. A forma mais comum de câncer de pâncreas é o adenocarcinoma. Na maioria dos casos, a cabeça do pâncreas é a parte afetada pelo câncer.

O câncer de pâncreas raramente causa sintomas antes de um estágio bastante avançado. Portanto, a maioria dos pacientes no momento do diagnóstico está com a doença em estágio avançado (por exemplo, formação de metástases).

Por que esse câncer é tão perigoso?
Os cientistas acreditam que as células cancerígenas do pâncreas crescem extremamente rápido, ao contrário, por exemplo, das células tumorais de próstata em homens que crescem muito devagar. As células tumorais do pâncreas também têm a capacidade de se separar no início do desenvolvimento da doença e se espalhar para outros órgãos (ex. o fígado) e formar metástases. Outro aspecto é que as células tumorais do pâncreas formam um tecido cicatricial (scar tissue em inglês) que parece servir de barreira à entrada de agentes terapêuticos. Outros fatores também tornam o tratamento deste câncer particularmente complexo, este tumor parece escapar do sistema imunológico, bem como de tratamentos quimioterápicos ou de radioterapia.

Existem centros médicos ou instituições especializadas neste câncer?
Sim, podemos mencionar nos Estados Unidos em Nova York e região a NYU Langone Health, que tem um centro de pesquisa sobre câncer chamado Pancreatic Cancer Center.

Epidemiologia

No mundo, cerca de 330.000 pessoas são diagnosticadas com câncer pancreático a cada ano, de acordo com um artigo da CBSNews publicado em junho de 2018.
Nos Estados Unidos, cerca de 55 mil pessoas são diagnosticadas com câncer pancreático a cada ano, de acordo com o CBSNews.

Previsão para 2030
Nos Estados Unidos, as projeções que datam de 2017 citadas pela NYU Langone Health estimam que o câncer de pâncreas será o 2o câncer que causará a maioria das mortes por ano até 2020. Uma das razões é que a taxa de cura de cânceres muito comuns, como o de mama ou da próstata, sempre se tornam mais altas, o que não é o caso no que diz respeito ao câncer de pâncreas. O câncer de pâncreas é responsável por cerca de 3% de todos os cânceres nos Estados Unidos e cerca de 7% de todas as mortes por câncer, de acordo com a American Cancer Society.

Índice de sobrevida para câncer de pâncreas
– A American Cancer Society também falou em seu site, acessado em 13 de setembro de 2020, de uma taxa de sobrevivência média de 5 anos de 9%.
– Na Grã Bretanha, uma pesquisa divulgada em 2015 indicava um índice de sobrevida após 5 anos da ordem de 3%. Este índice praticamente não teria mudado ao longo dos últimos 40 anos.

Causas

De acordo com um estudo da Universidade Johns Hopkins em Baltimore, Estados Unidos, que se baseou em um modelo matemático, as causas do câncer de pâncreas são 77% devido a erros na cópia do DNA durante a divisão celular, 18% de fatores ambientais tais como o tabagismo e 5% de hereditariedade. Observe que os erros na divisão celular são puramente aleatórios. É por isso que os pesquisadores americanos definem a causa deste tipo de câncer como “pura má sorte”. Este estudo, que também analisou outros tipos de câncer como o de pâncreas, foi publicado em 24 de março de 2017 na revista científica americana Science.

Os fatores de risco ambientais que favorecem esse tipo de câncer são como já vimos o tabagismo, mas também a obesidade, a pancreatite e a diabetes. Uma alimentação rica em gorduras animais (especialmente carne frita e grelhada) e um consumo significativo de álcool também podem ser fatores de risco.

A pancreatite aumenta cerca de 15 vezes o risco de sofrer de câncer pancreático, como relatou o  alemão German Cancer Research Center (Deutsches Krebsforschungszentrum, DKFZ)  em Heidelberg na Alemanha, em um comunicado de imprensa datado de 2016.

Sintomas

Os sintomas do câncer de pâncreas muitas vezes aparecem em estágios já avançados da doença, o que dificulta o diagnóstico precoce, pois muitas vezes são pouco específicos. Em 2015, um estudo britânico constatou que em mais de 80% dos pacientes o câncer já havia se difundido no momento do diagnóstico.

Os principais sintomas de câncer de pâncreas pode ser uma perda de peso, fadiga, dor abdominal ou perda de apetite. Uma coloração escura da urina também pode ser um sinal de câncer de pâncreas, característica de uma icterícia. A pele e os olhos também podem ficar amarelos e as fezes muito claras.

Em um estágio avançado desse tipo de câncer, a perda de peso significativa e inexplicável por outras razões que o câncer é um sintoma significativo, como diarreia, indigestão ou coágulos sanguíneos. O aparecimento de diabetes e icterícia também são sinais da doença.

Em mais de metade dos casos, as metástases são formadas no fígado e muitas vezes bem rápido.

Câncer de pâncreas e diabetes
O desenvolvimento de diabetes de forma inesperada, por exemplo, em uma pessoa com peso normal, pode ser um precursor do câncer de pâncreas, de acordo com uma equipe de pesquisadores da Mayo Clinic. O câncer de pâncreas é um dos cânceres mais letais, com uma taxa de sobrevida de 5 anos nos Estados Unidos de menos de 10% em 2018. Quanto mais cedo esse câncer for detectado, maiores as chances de tratamento. De fato, a doença geralmente passa despercebida até o surgimento de uma forma avançada de câncer com, por exemplo, a formação de metástases. Mas, como pesquisadores da Mayo Clinic descobriram e comunicaram em novembro de 2018, para um pequeno número de casos de câncer de pâncreas, uma pista pode ajudar os médicos a encontrar o tumor cedo, enquanto é ainda curável. Esta pista é o diagnóstico inesperado de diabetes. Clínicos gerais e médicos de família devem pensar mais sobre o possível câncer pancreático quando diagnosticarem com diabetes, especialmente idosos, com peso normal e que fumam. Nestes casos raros, o diabetes é diretamente causado pelo câncer de pâncreas. Sabe-se que a insulina é produzida no pâncreas.

Diagnóstico

O diagnóstico é, em grande parte, feito com base em métodos de imagem como tomografia, ressonância magnética ou ultrassom do abdômen e do trato gastrointestinal. Testes de sangue ou biópsia podem ser realizados. Muitas vezes a identificação do câncer é difícil, pois o órgão fica numa região profunda do abdome.

No início de agosto de 2015, uma equipe britânica do Barts Cancer Institute, da Universidade Queen Mary em Londres, publicou um estudo na revista Clinical Cancer Research mostrando que uma combinação de três proteínas na urina parecia ser um bom indicador de câncer de pâncreas em estágio inicial de desenvolvimento, com uma precisão superior a 90%. Atualmente, não há nenhum teste de detecção precoce para este tipo câncer. Esta descoberta deve permitir a colocação no mercado de testes de triagem de baixo custo e não invasivos.

Tratamentos

Tratamentos câncer de pancréasO tratamento do câncer de pâncreas envolve o uso de medicamentos (quimioterapia), radioterapia ou cirurgia. Os diferentes tratamentos podem ser combinados. Uma dieta específica também desempenha um papel importante.
Um tratamento eficaz para esse câncer é a cirurgia, mas o tumor deve ser descoberto muito cedo, antes de se espalhar para outros órgãos, causando metástases. Acredita-se que a cirurgia seja o único método capaz de curar esse câncer.
O tratamento desse tipo de câncer, muitas vezes pode ser doloroso para o paciente, um bom acompanhamento por parte dos cuidadores e familiares é, portanto, muito importante.
Nos Estados Unidos, a maioria das pessoas com câncer de pâncreas morrem dentro de um ano de diagnóstico. De acordo com especialistas, apenas 4% dos pacientes sobrevivem cinco anos após o diagnóstico de câncer.
O câncer de pâncreas só pode ser curado se for tratado antes que se espalhe para outros órgãos (metástase), assim o tumor pode ser completamente removido por cirurgia.

Cirurgia e câncer de pâncreas
Apenas cerca de 20% dos pacientes têm um tumor pancreático que pode ser removido por cirurgia, de acordo com a Dra. Diane M. Simeone, da NYU Langone Health, que falou em entrevista sobre esse tema em 2017. No entanto, entre estes 20% o câncer reaparece em aproximadamente 75% dos casos e a taxa de sobrevivência de 5 anos para esses pacientes vai para apenas 25% (melhor do que a taxa de sobrevivência de 5 anos para todos os pacientes com câncer de pâncreas que é de cerca de 9%, em 2017 nos Estados Unidos). De acordo com um artigo da CBSNews publicado em junho de 2018, apenas 15% dos pacientes têm um tumor pancreático que pode ser tratado por cirurgia.

Radioterapia e quimiorradiação:
A radioterapia é geralmente reservada para quando o câncer se espalhou para além do pâncreas. A radioterapia é usada apenas para tratar órgãos próximos ao pâncreas, não muito distantes.
Em alguns hospitais nos Estados Unidos em particular, a quimiorradiação (chemoradiation em inglês) pode ser usada antes da cirurgia para ajudar a reduzir a massa tumoral. Às vezes, a quimiorradiação é usada após a cirurgia para reduzir o risco de recorrência do câncer de próstata1.

Dicas & Prevenção

– A melhor maneira de prevenir o câncer é parar de fumar. Fumar é o principal fator de risco evitável. Uma dieta saudável e equilibrada, exercício físico regular e controle de peso são outras medidas úteis para prevenir a doença.

– É altamente recomendável evitar o consumo de carne frita e grelhada, como afirma a ONG americana Physicians Committee for Responsible Medicine em um comunicado sobre nutrição e os riscos de câncer em junho de 2014. Trata-se de um fator de risco para o câncer pâncreas.

info_cancer

– Steve Jobs, o famoso co-fundador da empresa de computadores Apple na Califórnia, morreu de câncer no pâncreas em outubro de 2011.
No Brasil, o jornalista Marcelo Rezende morreu de câncer no pâncreas em setembro (dia 16) de 2017 em São Paulo. O apresentador da Record TV lutava contra um câncer no pâncreas e no fígado desde o final de abril de 2017.

Obesidade grave e cirurgia de obesidade
– Um estudo de 2017 realizado pela Universidade de Cincinnati mostrou que os pacientes com obesidade grave (IMC maior que 35), submetidos à cirurgia de obesidade (cirurgia bariátrica) apresentaram uma redução de 54% no risco de desenvolver câncer de pâncreas. Em outras palavras, tudo indica que a obesidade grave é um importante fator de risco para essa forma de câncer. Para chegar a estas conclusões, os pesquisadores examinaram os dados médicos de 22.198 pessoas submetidas à cirurgia bariátrica e 66.427 pacientes que não foram operados (sem cirurgia bariátrica) entre 2005 e 2012, com acompanhamento até 2014. Este estudo não se concentrou apenas no câncer de pâncreas, mas levou em consideração outras formas de câncer, como o câncer de mama e de cólon. Em média, os resultados desta pesquisa mostraram que os pacientes submetidos à cirurgia bariátrica tiveram um uma redução de 33% no risco de desenvolver câncer durante o acompanhamento. Este estudo foi publicado em 3 de outubro de 2017 na revista científica Annals of Surgery (DOI: 10.1097 / SLA.0000000000002525).

News:
Câncer de pâncreas, uma entrevista com uma especialista mundial do assunto sobre este câncer imponente

Fontes:
The Pancreas Club and Society for Surgery of the Alimentary Tract (congresso realizado em maio de 2016), Physicians Committee for Responsible Medicine, R7.com (sobre Marcelo Rezende), Technical University of Munich (TUM), University Johns Hopkins, Science, German Cancer Research Center, Annals of Surgery (DOI : 10.1097/SLA.0000000000002525), NYU Langone Health, NYL Langone Health (entrevista da Dra. Diane M. Simeone, edição autonoma de 2017) e entrevista realizada pelo Criasaude.com.br com a Dra. Diane M. Simeone em novembro de 2017, CBSNews, Mayo Clinic

Redação:
Por Xavier Gruffat (farmacêutico)

Fotos: 
Fotolia.com

Atualização:
20.04.2021

Esta informação foi útil?

Fontes de rodapé:

  1. Livro em inglês: Mayo Clinic on Digestive Health, How to prevent and treat common stomach and gut problems, 4ª edição, Sahil Khanna, M.B.B.B.S, 2020, Mayo Clinic
Observação da redação: este artigo foi modificado em 20.04.2021

Publicidade