Publicidade

Pré-diabetes

Pré-diabetes resumoA pré-diabetes, como o nome sugere, é o que antecede a diabetes tipo 2. Uma pessoa com pré-diabetes têm níveis de glicose no sangue maiores do que o normal, mas não alto o suficiente ser considerado diabetes de fato. É uma fase em que é possível reverter a tendência de desenvolvimento de diabetes e reestabelecer os níveis normais de açúcar no sangue. Falamos às vezes de intolerância à glicose para caracterizar a pré-diabetes.
A reversão é importante tratar o paciente adequadamente para evitar complicações, como problemas renais ou oculares.

Publicidade

A medida de níveis de glicose no sangue deve ser feita regularmente se você sofre de diabetes ou pré-diabetes, e isso pode ser feito facilmente em um centro de saúde (posto de saúde, hospital, etc).

Crítica do conceito de pré-diabetes
Em um artigo publicado em 17 de dezembro de 2016 no New York Times, o famoso jornal norte-americano, têm emitido algumas críticas sobre esta nova “doença”. Na verdade, a pré-diabetes começou a ser divulgada nos Estados Unidos somente depois de 2005. Antes, pouquíssimas pessoas conheciam o termo. Um problema com o conceito de pré-diabetes é que sob algumas definições (ver também abaixo) cerca de 80% de americanos com mais de 60 anos de idade sofrem de pré-diabetes. Alguns especialistas em saúde nos Estados Unidos estão se perguntando se a pré-diabetes não é um conceito muito geral, se não passa de uma “invenção de marketing” ou uma “medicalização” (o que significa que uma época era considerada como normal e com o tempo se torna uma doença) da presente sociedade.

Pré-diabetes nos Estados Unidos
O termo pré-diabetes é largamente usado nos Estados Unidos, porque neste país existem um grande número de diabéticos e pré-diabéticos. O CDC (Centros de Controle e Prevenção de Doenças) estima que 1 em cada 3 adultos americanos, ou seja, 79 milhões de pessoas, sofrem de pré-diabetes, de acordo com dados de 2010.
Outra instituição, a American Diabetes Association, avalia em 86 milhões o número de americanos em estado de pré-diabetes.
A grande maioria dos americanos pré-diabetes não sabem que sofrem este problema metabólico.
Em 2015, um estudo realizado pelo National Institute of Diabetes mostrou que 38% dos americanos sofrem de pré-diabetes ou diabetes.

O CDC estima que sem uma mudança no estilo de vida (dieta e exercício físico, principalmente) 15-30 % das pessoas com pré-diabetes irão desenvolver diabetes tipo 2 dentro de 5 anos. A velocidade de progressão da pré-diabetes à diabetes é maior entre os idosos.

Mudança do estilo de vida
Um ponto-chave em pessoas com pré-diabetes é fazer uma mudança no estilo de vida. A pesquisa mostrou que a perda de peso, mesmo modesta e exercício físico regular podem prevenir ou retardar o aparecimento da diabetes tipo 2 em cerca de 58% dos pré-diabéticos. Quando falamos de uma perda de peso modesta é uma diminuição de 5 a 7% do peso corporal. Uma pessoa que pesa 80 kg já pode reduzir a glicose no sangue ao perder 4 kg. Fazer pelo menos 2h30min de exercício por semana também é importante.

Mundo
Em todo o mundo, havia cerca de 463 milhões de adultos com diabetes em 2019, ou 9,3% da população adulta do mundo, de acordo com o Atlas de Diabetes da Internal Diabetes Federation (mais informações: link disponível em 16 de novembro de 2019) com sede em Bruxelas, Bélgica. Em 2017 havia 38 milhões de adultos que tiveram diabetes a mais do que em 2019. Este relatório foi divulgado em 14 de novembro de 2019, no Dia Mundial da Diabetes. Este relatório de 2019 indica que mais da metade (50,1%) ou 231 milhões de adultos não são diagnosticados, ou seja, eles não sabem que têm a doença. O diabetes tipo 2 é responsável por cerca de 90% de todas as pessoas com diabetes.

Método eficaz de prevenção, o Programa Nacional de Prevenção de Diabetes

Nos Estados Unidos, o CDC criou um programa muito inovador chamado Programa Nacional de Prevenção de Diabetes. Este programa é baseado no incentivo para que as pessoas com pré-diabetes mudem seu estilo de vida. Diferentes instituições em todos os Estados Unidos oferecem este programa.

Cada paciente com pré-diabetes pode seguir algumas sessões com o técnico de saúde (como se fosse um treinador) por cerca de 1 ano. Dessa forma, os pré-diabéticos aprendem a comer mais saudavelmente, incluindo prática e exercício regular. Será particularmente importante comer menos alimentos gordurosos, açucarados e parar de fumar.

Os cientistas que desenvolveram este programa mostraram que a redução de um quilograma de peso corporal diminui 16% o risco de diabetes tipo 2.

Esta tendência a agir cada vez mais na prevenção provavelmente será generalizada para combater os custos crescentes dos sistemas de saúde. É melhor prevenir do que remediar.

Outras dicas para prevenir uma pré-diabetes

Além de praticar exercício físico regular e alterar sua alimentação, aqui estão algumas dicas úteis para reduzir a sua glicemia e inverter esta tendência diabética:

– Tente dormir mais de 6 horas por noite, o ideal seria uma média de 7 horas por noite. Pouco sono pode prejudicar o metabolismo e em particular o de glicose. Noites curtas de sono aumentam a resistência à insulina, uma causa de diabetes tipo 2.

– Tente relaxar, de acordo com suas crenças, você poderia orar, fazer yoga, técnicas de relaxamento, etc. O estresse é um fator de risco da pré-diabetes. O estresse aumenta o nível de cortisol que perturba o uso de insulina pelo corpo. Durma bem, se possível mais de 6 horas por noite, é uma maneira de reduzir o estresse.

– Consuma regularmente alimentos à base de fibras alimentares. Trata-se de uma boa solução no controle da glicemia. Os feijões e vagens, assim como as frutas contêm quantidade elevada de fibras. A dieta mediterrânica, rica em frutas, legumes e azeite, é uma excelente dieta para prevenir o aparecimento de diabetes. Será necessário evitar comer alimentos muito doces, assim como carne.

Pare de fumar, pois o tabaco aparentemente aumenta a resistência à insulina. A consequência para os fumantes é uma elevação do risco de sofrer de diabetes. Estima-se que os fumantes apresentam entre 30 e 40% a mais de risco de sofrer de diabetes, comparativamente aos que não fumam.

– As dietas de baixo e muito baixo teor de carboidratos (dieta cetogênica) são as únicas terapias dietéticas que têm mostrado, de forma consistente, resultados benéficos para adultos com diabetes (ou pré-diabetes). Essas são as descobertas de 2019 da American Diabetes Association 1.

Alternativa de tratamento

Alternativas podem ser recomendadas para algumas pessoas com pré-diabetes com a finalidade de prevenir o aparecimento de diabetes do tipo 2. A terapia medicamentosa pode ser indicada em indivíduos com vários fatores de risco ou que não mudem seus hábitos alimentares e estilo de vida (sedentarismo). Os médicos frequentemente prescrevem a metformina ou acarbose.

A metformina permite o retardo, de 15 anos em média, do aparecimento da diabetes tipo 2, como demosntrado por um extenso estudo do governo dos Estados Unidos.

Comparação entre metformina e a cirurgia de obesidade:
As pessoas com diabetes ou pré-diabetes recentemente diagnosticados tipo 2 que tinham uma banda gástrica, um tipo de cirurgia bariátrica para auxiliar a perda de peso, mostrou uma estabilização de diabetes semelhante nos que receberam metformina (um antidiabético oral amplamente usados ) sozinho. Além disso, as pessoas que realizaram cirurgia bariátrica perderam mais peso do que aquelas que tomaram apenas metformina. Este estudo, que incluiu 88 participantes, foi publicado em 3 de outubro de 2018 na revista científica Diabetes Care (DOI: 10.2337 / dc18-1662).

Os grupos de risco

Alguns grupos são mais propensos a sofrer de diabetes e pré-diabetes tipo 2 como:

– Pessoas com idade superior a 40 anos

– Pessoas com sobrepeso ou obesidade (IMC igual ou superior a 25). Entre os asiáticos, a American Diabetes Association estima que há um risco a partir de um IMC igual ou superior a 23.

– Os casos de diabetes na família (componente genético).

– Etnias africana ou afro-americanas, hispânicos (latinos),nativos das Américas, Ásia e das ilhas do Pacífico. Os caucasianos são ligeiramente menos prováveis do que indivíduos de outros grupos étnicos do mundo.

– Mulheres que tiveram diabetes gestacional.

– A tendência ao sedentarismo pessoa (menos de 3 vezes por semana de exercício).

– Pessoas que sofrem de hipertensão ou com colesterol alto.

Diagnóstico de pré-diabetes, quando pode ser considerada a pré-diabetes?

Se uma pessoa sofre de diabetes ou pré-diabetes, o profissional de saúde pode usar vários métodos. Os três exames são todos baseados no exame de sangue.

– A glicemia de jejum. Este teste mede o nível de glicose no sangue (açúcar no sangue) quando o indivíduo está em jejum. A pessoa não deve ser comer por 8 horas antes do exame. Se o paciente tiver um nível de glucose no sangue entre 100 e 125 mg/dL (5,6 mM a 6,9 mM), é chamado de pré-diabetes ou intolerância à glicose, de acordo com a ADA (American Diabetes Association). A OMS chama de pré-diabetes os valores entre 110 e 125 mg/dL (6,1 mM a 6,9 mM).

– O teste de tolerância à glicose. Este teste mede o nível de glicose no sangue, quando o paciente está em jejum (sem comer nas últimas 8 horas), mas deve ser feito 2 horas após a pessoa foi beber um líquido doce normalizado fornecido por um médico. Neste caso, a glicose varia entre 140 e 199 mg/dl (7,8-11,0 mM)  em casos de pré-diabetes.

– O teste de hemoglobina A1C. Este exame mede a quantidade de glicose encontrada nos eritrócitos (glóbulos vermelhos). Uma das suas vantagens é o fato de não ser necessário estar de jejum para fazê-lo, razão pela qual este exame é cada vez mais utilizado. Um valor do A1C compreendido entre 5,7 e 6,4% indica estado de pré-diabetes. Abaixo de 5,7% o valor é normal e acima de 6,4% se trata de diabetes (por exemplo, de tipo 2).

Qualquer pessoa que está em pré-diabetes deve considerar um programa para mudar o seu estilo de vida e testar novamente 6 a 12 meses após o primeiro exame indicador de pré-diabetes.

A partir dos 45 anos de idade, cada pessoa deve testar o açúcar no sangue a cada 3 anos e todos os anos para pessoas com alto risco de diabetes ou pré-diabetes.

Fontes: 
American Diabetes Association, OMS, CDC,  National Institute of Diabetes, Diabetes Care (DOI: 10.2337 / dc18-1662), The Wall Street Journal.

Redação:
Por Xavier Gruffat (farmacêutico)

Fotos: 
Fotolia.com

Atualização:
Este artigo foi modificado em 20.03.2021

Esta informação foi útil?

Fontes de rodapé:

  1. The Wall Street Journal , edição de 30 de janeiro de 2021
Observação da redação: este artigo foi modificado em 20.03.2021

Publicidade