Publicidade

Síndrome das pernas inquietas

Resumo

Eleve suas pernas antes de dormirA síndrome das pernas inquietas é uma doença que afeta principalmente pessoas com mais de 40 anos. Embora descrito na literatura científica desde 1945, ela é mais conhecida nos últimos 30 anos.
Esta doença, pouco grave, pode ser muito debilitante. De fato, quando o paciente está em fase de expansão (na hora de ir para a cama para dormir), os membros inferiores começam a coçar. A pessoa pode sentir formigamento, calor, etc. Seu alívio ocorre quando a pessoa fica em pé ou anda. Os sintomas reaparecem assim que o paciente vai para a cama e tenta dormir. Assim, a primeira complicação da síndrome das pernas inquietas é a insônia, uma vez que os eles aparecem quando o paciente vai para a cama.

Publicidade

As causas da doença não são claras, mas parece que há uma falta de dopamina, um neurotransmissor envolvido na transmissão nervosa. É por isso que o tratamento da síndrome das pernas inquietas é baseado principalmente na classe de drogas dos agonistas da dopamina.

Além da deficiência de dopamina, parece também que a falta de ferro, ácido fólico e vitamina B12 seriam responsáveis pela ocorrência da síndrome. Dessa forma, é possível melhorar a condição com uma dieta rica nesses elementos.

Definição

A síndrome das pernas inquietas, é também chamada de síndrome Wittmaack-Ekbom em homenagem a Ekbom, o cientista que em 1945 publicou o primeiro estudo desta síndrome. Na verdade, parece que essa síndrome já era descrita no século 17 pelo neurologista Thomas Willis.

A síndrome das pernas inquietas é, como o próprio nome sugere, caracterizada pelo fato de que o paciente sente desconforto nas pernas, resultando em formigamento, calor e acima de tudo uma necessidade constante de mover as pernas. De fato, quando o paciente se levanta e caminha, os sintomas desaparecem e o paciente se sente aliviado. A intensidade varia de um paciente para outro.

Assim, os sintomas ocorrem principalmente durante os períodos de baixa atividade, como quando alguém relaxa ou na hora de ir para cama à noite para dormir.

A síndrome das pernas inquietas não é uma doença grave em si, mas é sobretudo muito incomodante porque muitas vezes afeta a qualidade do sono.

A Síndrome das pernas inquietas às vezes está associada a uma condição chamada de Distúrbio dos movimentos periódicos dos membros (DMPM) durante o sono ou em inglês Periodic limb movement disorder (PLMD). Uma doença na qual o paciente move suas pernas ou dá chutes à noite enquanto dorme.

Epidemiologia

Um estudo realizado pela Universidade de Cambridge, publicado em 2017, mostrou que cerca de 10% das pessoas com descendência européia sofriam da síndrome das pernas inquietas. Este estudo também mostrou que em cerca de 1 a cada 50 pessoas, a doença pode ser suficientemente grave para requerer medicação crônica, o que pode levar a efeitos colaterais sérios.
Este estudo foi publicado em 10 de outubro de 2017 na revista científica Lancet Neurology (DOI: 10.1016 / S1474-4422 (17) 30327-7).

Nos Estados Unidos, a revista de saúde pública Prevention estima, em uma de suas primeiras edições de 2018, que 7 a 10% dos americanos sofrem de síndrome das pernas inquietas.

Causas

Os cientistas sabem que a síndrome das pernas inquietas ocorre devido a uma deficiência de dopamina, mas as causas são ainda pouco claras. Algumas hipóteses incluem:

– Falta de alguns elementos essenciais, tais como a vitamina B12, ácido fólico (vitamina B9) e ferro

– Predisposição genética

– Doença crônica

– Efeito colateral de certos medicamentos (ex. antidepressivos – leia também abaixo em Grupos de risco, anti-histamínicos)

– Gravidez

Deficiência de dopamina

A dopamina é um neurotransmissor. Isto equivale a dizer que este é uma substância química, presente naturalmente no corpo e que está envolvida na transmissão nervosa. Com a dopamina, a informação de movimento são transmitidos aos membros do cérebro. A deficiência de dopamina também está presente na doença de Parkinson. Deste modo, nessa síndrome há uma falta de dopamina no cérebro e medula espinhal.

Deficiência de ferro

O ferro é essencial para o funcionamento do corpo humano. Ele entra na composição da hemoglobina (molécula de transporte de oxigênio). Nos casos específicos de síndrome das pernas inquietas, o ferro é importante na fabricação de dopamina. Anemia (mesmo baixa) pode dificultar a produção de dopamina.

Predisposição genética

Sem ainda nenhuma explicação científica real, parece que os casos de síndrome das pernas inquietas são mais numerosos no Canadá francês (especialmente em Quebec) e Itália. Muito poucos asiáticos tem a doença. Além disso, as mulheres também são mais propensas a sofrer de síndrome das pernas inquietas. Por isso se especula sobre uma possível predisposição genética.
Estudos demonstraram que a SPI possui um forte componente genético e que 6 variantes genéticas aumentam o risco de sofrer dessa síndrome, conforme observado em um comunicado de imprensa da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, em 13 de outubro de 2017 referente em particular a um estudo publicado na revista Lancet Neurology (DOI: 10.1016 / S1474-4422 (17) 30327-7).

Doenças crônicas

A síndrome pode existir sozinha, no entanto, parece que algumas doenças podem existir em paralelo. Além disso, suspeita-se que algumas doenças crônicas podem provocar a sua ocorrência. Estas doenças são a diabetes, artrite reumatoide, fibromialgia e insuficiência renal.

Efeito colateral de certos medicamentos

Alguns medicamentos podem causar como efeito colateral o aparecimento de síndrome das pernas inquietas. Estes incluem antidepressivos tricíclicos, lítio e cafeína.

Gravidez

Algumas mulheres grávidas podem sofrer de síndrome das pernas inquietas. Os sintomas aparecem especialmente durante o terceiro trimestre. Melhoria ocorre pouco antes do nascimento.

Grupos de risco

Pessoas suscetíveis a desenvolver a síndrome das pernas inquietas são os seguintes:

– As pessoas com um membro da família que já sofrem de síndrome das pernas inquietas, já que há predisposição genética.

– Nascidos no Quebec e povo italiano.

– Mulheres.

– Pessoas com idade acima de 40 anos.

– Pessoas com diabetes.

– As pessoas com fibromialgia.

– As pessoas com artrite reumatoide.

– As pessoas com insuficiência renal.

– As pessoas deficientes em ferro, vitamina B12 e ácido fólico.

– As pessoas que tomam antidepressivos tricíclicos ou inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS), bem como anti-histamínicos.

– As pessoas que tomam lítio.

– Mulheres grávidas (terceiro trimestre).

Note no entanto que a síndrome ainda pode afetar crianças, embora isso seja raro.

Além disso, embora a dopamina também esteja deficiente na doença de Parkinson, pessoas com Parkinson não necessariamente vão desenvolver a síndrome das pernas inquietas. Parkinson não é, portanto, um fator de agravante.

Há uma prevalência acentuada entre quebequenses e italianos. De fato, a média na América do Norte e Europa da síndrome seria de 10%, e no Quebec e no norte da Itália, de 15%. A síndrome raramente atinge os povos asiáticos.

Sintomas

Os sintomas da síndrome das pernas inquietas são muito característicos da doença, em particular no que diz respeito aos tempos de início e seus tipos.

O tempo de início

Os sintomas aparecem quando a pessoa para de mover as pernas. Assim, quando a pessoa tenta relaxar, descontrair ou vai para a cama, os sintomas aparecem. Os sintomas geralmente tendem a piorar durante a noite, o que faz com que adormecer seja complicado.
Sofredores da doença sentem formigamento e necessidade constante de mover as pernas. O fato de mover as pernas, esticar, levantar e andar alivia os sintomas. Estes desaparecem, mas, infelizmente, também reaparecem rapidamente quando a pessoa relaxa, deita ou até mesmo se senta. Além disso, por vezes, nos casos mais graves, os braços são também afetados.Os sintomas podem durar de poucos minutos a horas.

A intensidade dos sintomas varia muito de pessoa para pessoa. Os sintomas também podem desaparecer por um período e reaparecer mais tarde.

Diagnóstico

O diagnóstico da síndrome das pernas inquietas é feito através da história médica. Para completar o diagnóstico, o médico, às vezes, pode necessitar dos exames de sangue. Um neurologista é às vezes consultado, caso seja necessário. A doença é uma desordem neurológica que resulta na transmissão nervosa defeituosa causada pela falta de dopamina (um neurotransmissor).

História médica

O médico examinará, em primeiro lugar a descrição dos sintomas pelo paciente e seu histórico familiar, dada a existência de uma possível base genética.

Exames de sangue

Por exames de sangue, o médico dosará as taxas de ferro (ferritina, hemoglobina) . Ele também irá olhar para os níveis de ácido fólico e vitamina B12.

Neurologista

O neurologista pode pedir ao paciente para passar uma noite no centro e com aparelhos, ele irá gravar a qualidade do sono.

Para um diagnóstico de síndrome das pernas inquietas, é essencial para atender quatro critérios. Estes critérios são estabelecidos pelo Grupo Internacional de Estudos da Síndrome das Pernas Inquietas. Estes critérios são:

– Necessidade de movimentar as pernas, depois de um desconforto nas pernas (formigamento, calor).

– Sintomas durante períodos de inatividade (relaxamento, pausa, na hora de dormir), sentado ou deitado.

– Agravamento dos sintomas à noite.

– Melhora da condição do paciente ocorre ao mover as pernas (esticar, levantar, caminhar, dobrar os joelhos, massagem, etc).

Complicações

A principal complicação da síndrome das pernas inquietas é a piora da qualidade de vida. Na verdade, quando a pessoa tenta relaxar (quando está sentado) ou tentando dormir, os sintomas aparecem impedindo o paciente de relaxar e dormir.

Assim, a qualidade do sono é prejudicada. A pessoa não pode dormir de uma só vez e pode sofrer de insônia. Isso acaba por afetar seu trabalho e sua vida social. Torna-se um círculo vicioso.

Os sintomas aumentam de intensidade com a idade e pode afetar outros membros além das pernas. Este é particularmente o caso das coxas. Em casos mais graves, os braços também podem ser afetados.

A condição é devido a uma deficiência de dopamina, como na doença de Parkinson. Uma pessoa doente não tem mais risco de desenvolver a doença de Parkinson. Esta observação é também importante para as pessoas com a síndrome tratadas com drogas dopaminérgicas, porque as drogas são muitas vezes usadas também na doença de Parkinson. Portanto, é essencial que o médico e o farmacêutico expliquem bem as razões para a escolha desta classe terapêutica para o tratamento da síndrome das pernas inquietas para não causar confusão no paciente.

Tratamentos

O tratamento da síndrome das pernas inquietas é feito de várias maneiras. O médico pode tratar a causa da doença com o uso de medicamentos para reduzir os sintomas.

O tratamento do caso

Como algumas deficiências, doenças ou certos medicamentos podem causar a síndrome, o médico pode tratar a causa e os sintomas. Este é particularmente o caso na deficiência de ferro, vitamina B12 e ácido fólico.

No caso de doenças que causam a síndrome, observou-se que um paciente com insuficiência renal, teve a síndrome das pernas inquietas curada após um transplante renal.

No caso da doença como um efeito colateral de um medicamento (por exemplo, antidepressivos tricíclicos), o seu médico poderá indicar outro medicamento.

Drogas usadas no tratamento dos sintomas

As drogas mais comumente usadas são agonistas dopaminérgicos, como o pramipexol, pergolida ou ropinirol, com o intuito de aumentar a transmissão dopaminérgica.

Para diminuir ou evitar movimentos involuntários de pernas durante a noite, o médico pode usar anticonvulsivantes, como a gabapentina. Estes medicamentos são utilizados como segunda classe.

Os benzodiazepínicos também têm a vantagem de atuar como relaxantes musculares.

Outros medicamentos usados em casos de síndrome das pernas inquietas ajuda no combate aos distúrbios do sono ou dor. O médico pode prescrever indutores do sono, tais como benzodiazepínicos ou seus derivados. As benzodiazepinas podem causar dependência e diminuição da eficácia do medicamento, portanto seu uso é recomendado o uso por períodos curtos.

Principalmente nos Estados Unidos, os médicos às vezes prescrevem opióides em caso de dor severa.

Dispositivos específicos
Nos Estados Unidos, principalmente, existem dispositivos autorizados pela FDA para serem utilizados com prescrição médica. O dispositivo Relaxis é uma almofada vibratória para colocar sob as pernas no momento de dormir. O Restiffic é um dispositivo que permite envolver os pés e aplicar uma leve pressão nos músculos.

Dicas

– O tratamento da síndrome das pernas inquietas é essencialmente baseado na utilização de agonistas de dopamina, também usados na doença de Parkinson, mas em doses mais baixas.

É importante que o médico que prescreve o medicamento e o farmacêutico expliquem ao paciente as razões para a seleção de drogas. A palavra “Parkinson” na bula pode assustá-lo e comprometer a boa adesão ao tratamento, fazendo com que o paciente interrompa o uso da medicação e isso vai prejudicar a cura.

– A mesma observação pode ser feita para anticonvulsivos prescritos. Estes últimos podem, de fato, ser também utilizados em epilepsia. Os pacientes podem não entender a escolha terapêutica.

– Um estilo de vida saudável pode ajudar a combater a síndrome das pernas inquietas. Tais precauções incluem o poder de prevenir deficiências. A atividade física também ajuda a reduzir os sintomas. Também deve-se evitar o estresse. A insônia é uma consequência da síndrome das pernas inquietas, mas também pode torná-la pior. A melhora do sono, reduz os episódios da doença. Assim, é aconselhável criar um ambiente propício ao sono: quarto limpo, com calmantes e cores antiestresse (evite vermelho, por exemplo). Crie rituais de sono: banho quente, bebida quente , calmante, etc.

– Uma dieta rica em ferro, ou suplementos dietéticos que contenham ferro, podem ser um meio de prevenção e tratamento da síndrome das pernas inquietas. É recomendável que as pessoas que sofrem desta síndrome meçam o nível de ferro no sangue. Se estiver demasiado baixo, pode consumir 65 mg de ferro elementar uma vez por dia, para consumir antes ou depois de uma refeição, isto é, com o estômago vazio.

Prevenção

– As causas da síndrome das pernas inquietas não são conhecido, portanto não é possível evitá-la.

– Entretanto, algumas medidas podem ajudar a aliviar os sintomas durante as suas aparições. A doença aparece principalmente durante os períodos de inatividade, é aconselhável manter a mente ocupada durante esses tempos, especialmente no caso de longas viagens de carro, trem ou avião.

– Antes de ir dormir, um banho quente pode aliviar os sintomas.

– Para reduzir os sintomas, a aplicação alternada de compressas quentes e compressas frias podem ajudar. Massagem e alongamento também podem ajudar

– Não hesite em tomar analgésicos quando necessário, sendo o ibuprofeno o analgésico anti-inflamatório de escolha. Apesar de sua eficácia ser melhor jejum, é melhor para o estômago tomá-lo durante ou depois de uma refeição.

– É muito importante mencionar a seguinte dica. Você deve consultar e procurar assistência médica mesmo que a síndrome das pernas inquietas não seja uma doença grave. É importante levar a sério a doença e não hesite em procurar tratamento.

– Tente gerenciar o estresse seguindo técnicas de relaxamento e se exercitando regularmente. O exercício aumenta a concentração de dopamina no cérebro e sabemos que esta síndrome está ligada a um problema de dopamina numa área específica do cérebro (gânglios basais). 

– Limite ou evite a cafeína, pode ser um fator de risco ou agravante.

– Limite ou evite álcool. É especialmente importante evitar beber álcool antes de dormir. 

– Tente perder peso. Estima-se que pessoas obesas (com um IMC maior que 30) tenham menos receptores de dopamina no cérebro, o que leva a alguns sintomas típicos dessa síndrome. 

Tente dormir bem, por exemplo, indo sempre para a cama no mesmo horário. 

Fontes:
Lancet Neurology (DOI: 10.1016 / S1474-4422 (17) 30327-7).

Esta informação foi útil?

Observação da redação: este artigo foi modificado em 21.10.2018

Publicidade