Publicidade

Home » Medicamentos » Estatinas

Estatinas

Resumo estatinas

estatinas resumoAs estatinas são uma classe de drogas com efeito hipolipemiante. Elas podem tratar o colesterol elevado, principalmente pela redução do nível de colesterol “ruim” (LDL- C ou LDL). As estatinas têm papel preventivo, com o objetivo de reduzir o risco cardiovascular. O tratamento com estatinas é comumente para a vida toda.

Publicidade

Mecanismo de ação

As estatinas são inibidores da HMG-CoA redutase . Esta enzima é responsável pela síntese do colesterol em células humanas.

Efeitos

Depois de tomar estatinas foi observada em uma diminuição significativa nos níveis sanguíneos de LDL (“mau colesterol”), uma ligeira redução de triglicérides e um aumento moderado nos níveis de HDL (“bom colesterol”). Níveis baixos de LDL e triglicérides reduz a formação de placa de ateroma (placa que pode entupir artérias, levando a complicações cardiovasculares).

Note-se que não há controvérsia sobre o efeito farmacológico de redução do colesterol (LDL) das estatinas. A controvérsia (veja abaixo) reside mais no fato de se a diminuição do LDL e triglicérides tem ou não um efeito sobre a redução do risco cardiovascular no paciente e se as formas de ateroma são devido ao LDL elevado ou não.

Parte dos cientistas acredita que controlar os níveis de colesterol (LDL especialmente) ajuda a prevenir as doenças cardiovasculares (infarto, acidente vascular cerebral etc). Alguns, contudo, são muito mais críticos sobre a utilidade de estatina em larga escala (ver abaixo).É ainda de notar que a grande maioria dos médicos no mundo acredita que a redução de LDL reduz o risco cardiovascular.

Indicações

Estatinas– As estatinas são usadas para prevenir doenças cardiovasculares. Na medicina distinguimos prevenção primária de prevenção secundária. A prevenção primária significa que o paciente não apresentou nenhuma doença cardiovascular nos últimos meses. A indicação de prevenção secundária é para o paciente que tenha sofrido no passado de alguma doença cardiovascular, como um ataque cardíacoacidente vascular cerebral, angina de peito etc.

As estatinas são especialmente indicadas em casos de prevenção secundária, mas também podem ser prescritas para a prevenção primária, especialmente em casos de colesterol alto (LDL, triglicérides). No entanto, a Haute Autorité de Santé (HAS) na França considera que existe um excesso de prescrição de estatinas em prevenção primária.

Grande estudo sobre níveis altos de LDL
Um estudo publicado em 2018 no JAMA, mostrou que pessoas com uma taxa elevada de LDL (> 100 mg/dl) poderiam se beneficiar significativamente do uso de estatinas para combater eventos cardiovasculares (ex. AVC, infarto do coração). Este trabalho de pesquisa centrou-se na análise de vários estudos publicados no passado (meta-análise), incluindo mais de 270.000 pacientes. O estudo foi conduzido principalmente pela Profª. Jennifer Robinson da Universidade de Iowa (Estados Unidos). Os pesquisadores chegaram à conclusão de que 4,3 a cada 1000 pessoas têm suas vidas salvas a cada ano quando são tratadas com um tratamento para diminuir os níveis de colesterol LDL, como o uso das estatinas. O maior benefício e a maior redução nas taxas de mortalidade foram observadas naqueles com os níveis mais elevados de colesterol LDL, de acordo com a Profª. Robinson em um comunicado de imprensa do estudo publicado em abril de 2018. A análise revelou que as estatinas foram mais propensas a reduzir o risco de morte quando o colesterol LDL foi de 100 mg/dl ou mais, sendo as estatinas utilizadas ou não com outros medicamentos hipolipemiantes. Este estudo foi publicado em 17 de abril de 2018 no jornal científico Journal of the Amercian Medical Association ou JAMA (DOI: 10.1001 / jama.2018.2525).

– Um estudo publicado em 2014 demonstrou que as estatinas podem reduzir as lesões do sistema nervo em casos de esclerose múltipla. Estes medicamentos também agem sobre distúrbios físicos em casos de esclerose múltipla de forma progressiva secundaria.

– Um estudo publicado em fevereiro 2015 mostrou que as estatinas podem reduzir o risco de câncer de fígado. Segundo os pesquisadores, o uso regular de estatinas pode ser útil especialmente em pacientes com alto risco de câncer de fígado, como aqueles com doenças crônicas do fígado (hepatite B ou C, por exemplo) ou diabetes. Este estudo foi publicado em 26 de fevereiro de 2015 na versão on-line do Journal of the National Cancer Institute.

Estatinas e câncer
– Um grande estudo observacional realizado pelo Aston Medical School com mais de 900.000 pacientes na Grã-Bretanha mostrou que níveis elevados de colesterol em pacientes com câncer seriam a origem de uma diminuição na taxa de mortalidade de 4 tipos de cânceres frequentes: câncer de mama, de pulmão, de próstata e de cólon / reto (câncer colorretal). Os cientistas britânicos descobriram que pessoas que tinham níveis elevados de colesterol (hipercolesterolemia) apresentavam uma redução de 22%  no risco de mortalidade por câncer de pulmão do que aqueles com níveis normais de colesterol. Na mesma lógica, em casos de câncer de mama o risco de mortalidade reduziu em 43%, no câncer de próstata a redução foi de 47% e no de cólon / reto foi de 30%. Segundo os cientistas, esta diminuição seria causada pelo uso de estatinas. Os cientistas dizem que estes resultados reforçam o argumento de realizar um teste clínico avaliando o possível efeito protetor das estatinas, de outros medicamentos do sistema cardiovascular comumente utilizados (como a aspirina) e de medicamentos anti-hipertensivos em pacientes com câncer. Este trabalho foi apresentado no congresso médico anual da Sociedade Europeia de Cardiologia (European Society of Cardiology), realizado de 8 a 10 de julho de 2016 em Florença, Itália.

Principais moléculas da família das estatinas

A atorvastatina (ver abaixo nos comentários), sinvastatina, pravastatina, fluvastatina, rosuvastatina, lovastatina (que vem do arroz vermelho fermentado) são exemplos de moléculas dessa classe. Lovastatina foi a primeira estatina no mercado. Note que as estatinas são geralmente associados com um sal, por exemplo, tri-hidrato de cálcio de atorvastatina.

Algumas fontes estimam que a atorvastatina e rosuvastatina têm efeito superior ao das outras estatinas, ou seja, podem ser usadas para diminuir o LDL de maneira mais eficaz. De acordo com o jornal francês Prescrição, conhecido por ser neutro em relação à indústria farmacêutica, se o médico prescreve uma estatina deve escolher entre pravastatina ou sinvastatina. Ainda de acordo com o jornal, a pravastatina é a primeira escolha em caso de risco de interações medicamentosas.

Formas (galênicas) de estatinas

As estatinas são vendidas principalmente na forma de comprimidos ou cápsulas.

Posologia, horário de tomar as estatinas (cronoterapia)

As estatinas são geralmente tomadas uma vez ao dia, ou seja, 1 comprimido ou cápsula por dia. A produção de colesterol pelo fígado é maior após a meia-noite e mais baixa no período da manhã, assim como no início da tarde. É por isso que certos especialistas recomendam tomar as estatinas à noite antes de dormir. No entanto, cada estatina tem uma posologia diferente, com certas estatinas que podem ser tomadas a qualquer hora do dia e independentemente das refeições, por isso leia a bula antes de tomar uma estatina. No entanto, é importante para todas as estatinas é tomá-las sempre à mesma hora do dia, isto é, evitar tomar uma estatina um dia ao meio-dia e outro à noite, por exemplo.

Qual estatina escolher?

A escolha das estatinas cai nas mãos do médico. Todas as estatinas são usadas para reduzir o LDL. Podem existir algumas diferenças entre as estatinas , tais como biodisponibilidade, o preço, etc.

Estudo de 2018
De acordo com um estudo suíço publicado pela Universidade de Zurique em 4 de dezembro de 2018 na revista científica Annals of Internal Medicine (DOI: 10.7326/M18-1279), a atorvastatina e a rosuvastatina têm uma melhor relação entre os benefícios e os efeitos colaterais que a sinvastatina e a pravastatina.

Efeitos colaterais

Efeitos colaterais das estatinas

Contraindicação

Algumas estatinas são contraindicadas na gravidez, lactação, certas doenças do fígado etc. Para uma lista completa leia a bula do medicamento.

Interações medicamentosas

Algumas interações reportadas são com fibratos, ciclosporina, antibióticos macrolídeos (nesse caso, é importante parar de tomar as estatinas se o tratamento com antibióticos durar mais de 10 dias). Em todos os casos de tratamento com estatinas, leia a bula e pergunte ao seu médico ou farmacêutico.

Alergias

A alergia a estatinas afeta aproximadamente 1,5% de homens e mulheres, de acordo com um estudo publicado em setembro de 2016 (versão impressa) na revista especializada Allergy. O número de pessoas alérgicas dobrou entre o início dos anos 2000 e 2013. O estudo foi realizado sob a direção do Dr. Li Zhou do Brigham and Women’s Hospital  em Boston (MA), nos Estados Unidos.

Consumo

    • No Brasil estima-se que 8 milhões de pessoas usam estatinas (2013).
    • Nos Estados Unidos estima-se que 36 milhões de pessoas usam estatinas (2013). Um artigo do Wall Street Journal de 1 de agosto de 2017 estimou que 56 milhões de americanos deveriam teoricamente tomar estatinas. Nos Estados Unidos, um artigo na revista Prevention estimou em 17 bilhões de dólares os custos anuais de estatinas em 2017 para o sistema de saúde dos Estados Unidos.
    • No Reino Unido, estima-se que 5,2 milhões de pessoas usam estatinas (2013).
    • Na França, cerca de 5 a 6 milhões de franceses consomem estatinas (2013).
  • Globalmente estima-se que 1 bilhão de pessoas tomem estatinas. No entanto, esta última estatística é difícil de verificar, e se trata de um número teórico e não real de pessoas que deveriam estar consumindo estatinas em todo o mundo.

A polêmica em torno estatinas

polêmica em torno estatinasEm alguns países, particularmente na França, há controvérsias sobre estatinas. O professor Phillip Evans publicou um livro, “A verdade sobre o colesterol”, no qual ele é muito crítico e acredita que na maioria dos casos, o uso preventivo de estatinas para baixar o colesterol é inútil, porque não reduz a taxa de mortalidade. De acordo com este autor, na maioria dos casos, diminuir o colesterol mau ( LDL ) não reduz o risco cardiovascular, uma vez que o LDL não são geralmente os responsáveis pela formação de aterosclerose nas artérias. Outros professores franceses acreditam que o professor Evan exagera e acham importante usar estatinas, pelo menos em alguns pacientes.
Os valores e as questões financeiras sobre esses tratamentos são tão grandes que você pode imaginar que a indústria farmacêutica tende a influenciar a prescrição de estatinas.
No momento, é difícil ver claramente esta controvérsia, porque existem vários estudos um tanto contraditórios. Pergunte ao seu médico ou farmacêutico para saber quais os benefícios de tomar estatinas. Note, entretanto, que a grande maioria dos cardiologistas em todo o mundo reconhece a utilidade das estatinas para reduzir o risco cardiovascular, e não é à toa que as estatinas estão entre as drogas mais prescritas no mundo.

Em novembro de 2013, dois membros americanos de prestígio da sociedade científica, a Heart American Association (HAA) e o American College of Cardiology (ACC), modificaram suas recomendações (guideline) sobre a prescrição de estatinas. Para resumir, o nível de LDL (mau colesterol) não foi mais considerado como objetivo do tratamento, os médicos também deveriam incluir o risco cardiovascular global para cada paciente, levando em conta cada doença cardíaca. Em 2013, o número estimado de americanos que tomaram estatinas foi de 36 milhões. No entanto, esta decisão não foi unânime na época, alguns especialistas da Harvard Medical School, outra instituição de referência, criou um escândalo, talvez por ter enxergado um lobby da indústria farmacêutica por trás dessa decisão favorável aos fabricantes de estatina.

No entanto, de acordo com um estudo publicado na revista científica Journal of the American Medical Association em julho de 2015, essas recomendações se mostraram mais precisas e eficazes do que as estabelecidas antes de 2013, principalmente por permitir identificar adultos com risco cardíaco elevado. Esta decisão teria permitido ou então iria salvar milhares de vidas, segundo o Dr. Udo Hoffmann, o pesquisador que liderou esta pesquisa, que se expressou através de um comunicado do hospital Massachusetts General Hospital de Boston: “Extrapolando os resultados de cerca de 10 milhões de americanos que seriam então elegíveis para uma terapia com estatina segundo as recomendações de 2013, estima-se entre 41 mil e 63 mil o número de eventos cardiovasculares – ataque cardíaco, acidente vascular cerebral ou morte por doença cardiovascular – que podem ser evitados dentro de um período de 10 anos”.

Observações

– O efeito adverso do tipo muscular é a principal razão para a descontinuação da terapia com estatinas.

– Coenzima Q10 parece não ter sido cientificamente comprovada para reduzir os efeitos colaterais do tipo muscular em quem toma estatinas .

– Sabemos que as estatinas estão entre os medicamentos mais prescritos e mais lucrativo para a indústria farmacêutica. No mundo todo, presume-se que o mercado de drogas contra o colesterol representa um volume de negócios de mais de 25 bilhões de dólares por ano, em grande parte de estatinas. Na verdade, eles são considerados pelos médicos (especialmente cardiologistas) como a classe mais eficaz de medicamentos para redução do LDL.

– Estima-se que, em pacientes que já sofreram de uma doença cardiovascular, tais como ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral, o uso de estatinas reduz a mortalidade total em cerca de 10% até 25 %.

– A primeira estatina que entrou no mercado americano foi a lovastatina em 1987.

O sucesso de Lipitor (atorvastatina)

Por mais de 10 anos, o Lipitor (nome da marca nos Estados Unidos) foi a droga que teve o maior volume de negócios anual da indústria farmacêutica inteira, ou mais de 12 bilhões de dólares por ano. O Lipitor é considerada a droga mais rentável de todos os tempos, e tem gerado desde a sua aquisição pela empresa Pfizer Warner-Lambert , em 2000, um volume de negócios impressionante de 131 milhões de dólares. Essa droga é conhecida como um blockbuster, ou sucesso de vendas.

Ao final de 2011 a patente do Lipitor expirou e agora é possível encontrar o genérico nas farmácia sob o nome de atorvastatina, que reduziu significativamente volume de negócios do Lipitor.

News

– Estatinas potencialmente úteis contra o câncer
Doenças cardíacas: benefícios à longo prazo das estatinas

Clique aqui para mais informações sobre o colesterol

Ler: Efeitos colaterais das estatinas

Fontes:
Sociedade Europeia de Cardiologia (European Society of Cardiology)Journal of the Amercian Medical Association ou JAMA (DOI: 10.1001 / jama.2018.2525), Annals of Internal Medicine (DOI: 10.7326/M18-1279)

Redação:
Por Xavier Gruffat (farmacêutico)

Fotos: 
Adobe Stock

Atualização:
Este artigo foi modificado em 19.02.2019

Esta informação foi útil?

Observação da redação: este artigo foi modificado em 19.02.2019

Publicidade