Publicidade

Home » Medicamentos » Melatonina

Melatonina

O que é melatonina?

A melatonina foi descoberta em 1958 por Aaron Bunsen Lerner (1920-2007), um dermatologista da Universidade de Yale, nos Estados Unidos. Ele conseguiu isolar uma substância da glândula pineal e a chamou de melatonina.

Publicidade

insônia e os distúrbios do sonoA melatonina é um hormônio conhecido por sua capacidade de regular os ritmos cronobiológicos e melhorar o sono. Secretado pela glândula pineal ou epífise, sua liberação é estimulada pela ausência ou diminuição da luminosidade e é inibido pela exposição à luz. Também conhecida como “hormônio do sono”, a melatonina ajuda a regular o ciclo do sono. A queda em sua concentração pode causar problemas de insônia.

Sabe-se que com a idade a produção natural de melatonina no nosso organismo diminui.

A fórmula química da melatonina é: C13H16N2O2.

Melatonina Sintética

A melatonina sintética, ou seja, na forma de comprimido ou cápsula, pode ser encontrada à venda em farmácias ou em outras lojas especializadas. Alguns países proíbem a venda de melatonina sem prescrição médica, como o Brasil (no Brasil é possível encontrar em farmácias de manipulação) e outros permitem, como os Estados Unidos. Neste país, mais de 3 milhões de americanos consomem melatonina regularmente sem prescrição médica. Nos Estados Unidos a melatonina sempre foi considerada um suplemento alimentar. O Canadá, como os Estados Unidos, também permite a venda de melatonina sem prescrição médica (venda livre).

A melatonina sintética tem a mesma forma e fórmula que a melatonina natural.

Nome do medicamento à base de melatonina:
Circadin®

Efeitos (funções)

Além de suas funções hormonais, a melatonina também possui propriedades antioxidantes que limitam significativamente o desenvolvimento de radicais livres, que são elementos do estresse oxidativo. É essencialmente o radical hidroxila (OH), do peróxido de hidrogênio, do monóxido de nitrogênio, do ânion peroxinitrito, do ácido peroxinitroso e do ácido clorídrico. Ao reforçar a ação de certas enzimas antioxidantes, a melatonina contribui para a proteção das macromoléculas.

Além disso, ajuda a regular a secreção de outros hormônios corporais, como hormônios endócrinos e parácrinos.

Estudos científicos determinaram o papel predominante da melatonina no ciclo do sono, resultando no uso da melatonina no tratamento de distúrbios do sono, o que se tornou comum em alguns países, como Estados Unidos, Itália e México.

Indicações

Melatonina e distúrbios do sono

De acordo com vários estudos, para uma pessoa que dorme em horários regulares, tomar melatonina parece levar apenas a efeitos limitados. A ingestão de melatonina sintética melhora o pouco o sono, pois o corpo já secreta melatonina naturalmente à noite. Por exemplo, uma revisão de estudos (ou análises de estudos) realizada em 2013, que examinou 19 estudos sobre esse tema, mostrou que a ingestão de melatonina em pessoas com distúrbios do sono reduziu em apenas 7 minutos o tempo de adormecimento e prolongou em 8 minutos a duração do sono.

Melatonina e jet lag

A melatonina é especialmente recomendada para pessoas que viajam muito mudando seu fuso horário. Em uma viagem para o leste (muitas vezes é penosa em relação ao sono) ou para o oeste, as pessoas podem sofrer de sintomas de descompensação horária (jet lag). Neste caso, tomar melatonina pode melhorar o sono, tanto para promover o sono, quanto para aumentar o tempo de sono.

A melatonina também pode ser interessante para pessoas que trabalham à noite com ciclos de trabalho irregulares.

Sono e melatonina para pessoas cegas
Sabe-se também que, de acordo com a literatura científica, a melatonina melhora o sono para as pessoas cegas.

Cefaléia em salvas
A melatonina na dose de 10 mg pode reduzir a frequência de cefaleia em salvas (uma forma muito dolorosa de dor de cabeça), como observado pela Mayo Clinic em um de seus livros publicados em 2015.

Outras indicações (autismo, câncer)
– Alguns cientistas realizaram estudos que mostram um possível efeito da melatonina em crianças com autismo, que geralmente produzem naturalmente pouca melatonina e frequentemente apresentam distúrbios do sono que levam a distúrbios comportamentais.

– Outros estudos mostraram um possível efeito da melatonina no câncer por aumentar a imunidade e atuar como um tratamento complementar. A melatonina parece ajudar a destruir células tumorais.

Quais são as doses de melatonina a tomar?

Para combater o jet lag, recomenda-se tomar comprimidos ou cápsulas de melatonina com uma dose entre 3 e 5 mg.

Para indicações que não sejam jet lag, as doses devem ser menores. Não é necessário tomar doses superiores a 5 mg de melatonina. Sabe-se que doses muito altas de melatonina levam à sonolência durante o dia seguinte e podem perturbar a memória, especialmente em idosos.

Quando tomar melatonina sintética

Recomenda-se tomar melatonina pelo menos 2 horas antes de dormir. Em geral, o efeito positivo no sono ocorre 3 a 5 dias após a primeira dose.

No entanto, especialistas desaconselham a ingestão de melatonina todos os dias.

Quais são os benefícios da melatonina?

A melatonina ajuda aqueles que sofrem de distúrbios do sono a dormir melhor (veja também o parágrafo acima em As funções da melatonina no corpo). Está, portanto, envolvida no tratamento da insônia, especialmente se for devido à insuficiente de melatonina. Em outros casos, que não o da insuficiência, o efeito de sua ingestão como suplemento alimentar pode ser modesto ou inexistente, pois nosso corpo secreta naturalmente a melatonina.

Como vimos acima, isso permite diminuir e prevenir os efeitos do jet lag, particularmente se a viagem durar 9 horas ou menos e o destino estiver localizado a leste. No entanto, a fim de otimizar os resultados, certas precauções devem ser tomadas em particular sobre a dosagem e posologia.

A utilização de certas plantas com propriedades sedativas como maracujá e camomila pode reforçar o efeito da melatonina.

Onde encontrar a melatonina naturalmente e como preservá-la?

A melatonina é encontrada em muitas plantas, como arroz, nozes e avelãs, bem como no vinho tinto. O corpo também pode obter a melatonina a partir de tomates, milho e batatas, mas o teor de melatonina dessas plantas ainda é significativamente menor do que o da primeira lista.

Uma vez que o triptofano é transformado em serotonina, que é a fonte de melatonina, o consumo de alimentos ricos em triptofano, como salsa, sementes de abóbora, queijo, bacalhau, queijo parmesão, leite e soja, podem promover a produção de melatonina pelo organismo.

O mesmo vale para os alimentos que contêm serotonina, como banana, leite, ameixa, arroz, nozes, milho e aveia.

Para manter a concentração circulante de melatonina natural, é aconselhável se expor o menos possível a excesso de luz durante a noite, com o risco de baixar ou suprimir a concentração de melatonina. A concentração de melatonina pode aumentar naturalmente consumindo principalmente carboidratos (açúcar, mel, cereais, batatas, massas, arroz, lentilhas …) à noite e moderando ômega-3 a favor do ômega-6.

Como o corpo forma e utiliza a melatonina?

A absorção de proteínas alimentares pelo organismo permite que ele extraia certa quantidade do aminoácido essencial chamado triptofano. Este último é então transformado em serotonina, uma espécie de mensageiro químico. É a serotonina que a glândula pineal converte em melatonina e o fígado metaboliza (o transforma para ser eliminado).

Estima-se que 90% da melatonina circulante no sangue cheguem ao fígado. Neste órgão, a melatonina será destruída e depois eliminada na urina.

Precauções

Estudos realizados pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT) Schoool of Medicine  revelam que os suplementos de melatonina disponíveis no mercado podem conter de 3 à 10 vezes mais, do que a quantidade necessária para melhorar a qualidade do sono. Com tal excesso existe o risco de se mostrar ineficaz para recuperar um ritmo circadiano regular. A indicação da dose diária média seria de 0,3 mg.

Nenhum efeito colateral significativo foi relatado após a ingestão de uma dose alta de melatonina. Parece não ser tóxico, mas pode causar sonolência. Portanto, é necessário ter cuidado após a ingestão, especialmente para quem dirige. Note, no entanto, que a Universidade Andrews constatou, através de um estudo realizado pelo departamento de nutrição, que uma dose muito alta de melatonina pode causar enxaqueca (mas ligado à dosagem), oscilações de humor e desequilíbrio hormonal do corpo. Atenção, consumido em conjunto com um inibidor da monoamina oxidase (IMAO), que inibe seu metabolismo pelo organismo, a melatonina pode levar à overdose.

Fontes & referências:
Prevention (revista de saúde dos EUA), Mayo Clinic

Esta informação foi útil?

Observação da redação: este artigo foi modificado em 17.08.2018

Publicidade