Publicidade

Peste

Definição

A peste é uma doença infecciosa causada pelo bacilo Yersinia pestis. É uma zoonose, isto é, a doença afeta seres humanos e animais, neste caso, afeta os roedores antes de ser transmitida para humanos por meio de pulgas infectadas. O nome peste vem do latim “pestis”, que significa “doença contagiosa”.

Publicidade

The big grey rat in a human skull

História da peste
A primeira epidemia de peste conhecida data do início do século 6. Alguns historiadores acreditam que a peste foi responsável pela queda do Império Romano, quando no ano 165 os soldados romanos trouxeram a bactéria da peste do campo de batalha para Roma.
Apenas no século 14, a peste matou cerca de 50 milhões de pessoas, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Peste negra
Os historiadores modernos deram o nome de peste negra (ou morte negra) para qualificar um período de 5 anos (1347 a 1352) que morreram entre 30 e 50% da população europeia, com cerca de 25 milhões de vítimas. A peste negra foi causada pela peste bubônica. Como revelado pelo site Wikipedia.org, o termo “negro” deve ser tomado no sentido figurado (terrível, horrível), sem alusão médica ou clínica. O Wall Street Journal, em um artigo publicado em novembro de 2017, acredita que a origem do termo negro é, ao contrário, uma alusão médica em referência a furúnculos negros exsudando sangue e pus no corpo de pessoas infectadas pela doença.

Na década de 1860, uma epidemia de peste na China causou a morte de cerca de 10 milhões de pessoas.

Epidemiologia

infographie-peste-mada-128x200A peste é uma doença ligada principalmente à pobreza. Ela ainda é abundante na África, na Índia e na América do Sul. Em outros continentes, é uma doença esporádica, rapidamente controlada. Nos últimos 15 anos, a OMS documentou mais de 40.000 casos em humanos em 24 países. Os maiores focos da doença são em Madagascar, o país mais afetado do mundo, na República Democrática do Congo, na Tanzânia, na China, na Mongólia e no Vietnã. O Peru, na América do Sul, também tem focos endêmicos, como revelou um artigo do Wall Street Journal, publicado em novembro de 2017.
Segundo a OMS, entre 2010 e 2015, Madagascar foi responsável por mais de 80% de todas as mortes no mundo causadas pela peste.

Causas

A peste é causada pelo bacilo Yersinia pestis, descoberto por Alexander Émile John Yersin, um médico e bacteriologista franco-suíço contratado pelo Instituto Pasteur para explicar a origem de um surto que surgiu na Mongólia em 1894. A doença pode assumir três formas diferentes, mas que podem aparecer sucessivamente em um mesmo indivíduo. O principal vetor da peste é a pulga de rato. Uma vez que o homem está infectado, a pulga humana se torna um novo vetor da bactéria, ela será portadora da doença por toda a vida.

Vetores da peste
Os principais vetores da peste são os ratos, mas outros animais, como gerbos (esquilo-da-mongólia), esquilos, coelhos, lebres e marmotas são reservatórios naturais da doença. Esta é uma doença reemergente. Em alguns casos, o frio pode ajudar a manter as bactérias após uma epizootia. A bactéria continua a multiplicar-se no solo e à medida que o número de roedores aumenta, as tocas vazias são repovoadas e a doença se propaga novamente.

Peste bubônica
A peste bubônica é o tipo mais comum. Vem da picada de uma pulga infectada. A doença afeta primeiro os roedores, que vão morrer. As pulgas procurarão então outros hospedeiros, homens ou animais, para se alimentarem do seu sangue e assim transmitirem a bactéria. Após uma mordida, o germe se multiplica no ponto de inoculação e atinge o sistema linfático.
A transmissão entre humanos da peste bubônica é rara, ao contrário da peste pneumônica (ver abaixo). Como a peste bubônica pode se transformar em peste pneumônica, nesse caso, o paciente pode transmitir a bactéria para outros humanos.

Peste septicêmica
A peste septicêmica é geralmente uma complicação da peste bubônica, isto é, uma multiplicação excessiva de bactérias que evoluem no sangue. Esta forma da doença não é contagiosa, mas é fatal.

Publicidade

Peste pneumônica
A peste pneumônica ou pulmonar é um tipo particularmente perigoso de peste, porque é extremamente contagiosa. Ela é devido à penetração dos bacilos no organismo no nível dos pulmões. Ela também pode ser causada por uma complicação da peste bubônica ou da peste septicêmica que progride e se espalha para os pulmões.
Transmissão da peste pneumônica
É transmitida pela expectoração e por qualquer forma de gotículas respiratórias contendo o germe (tosse, espirros). Como a peste pneumônica é transmitida como a gripe, através das gotículas de saliva encontradas no ar, a doença pode se espalhar muito rapidamente. Durante a epidemia que ocorreu em Madagascar em 2017, a maioria das mortes (mais de 170 em 17 de novembro de 2017) foi por peste pneumônica.

Peste faríngea
Muito menos discutida, outra forma de peste pode aparecer, a peste faríngea. A origem desta doença é o consumo de alimentos contaminados pela bactéria.

Sintomas & Tempo de Incubação

Peste bubônica
O período de incubação é geralmente menor que uma semana em caso de peste bubônica.
Isso resulta em uma febre alta, sensação de mal estar, fraqueza, dor de cabeça, calafrios e tontura, e às vezes até náusea e vômito. Desde o segundo dia, as ínguas (gânglios linfáticos inchados) são visíveis, embora elas apareçam desde as primeiras horas após a contaminação. Elas drenam a área da picada e causam mais dor à medida que aumentam de volume.

Peste septicêmica
Em caso de peste septicêmica, os gânglios podem não aparecer porque os bacilos circulam no sangue.

Peste pulmonar
O período de incubação de uma peste pulmonar é de algumas horas a dois dias. A doença é então manifestada por pneumopatia, febre alta, tosse, expectoração com sangue e dor torácica. Quando a doença atinge os pulmões, a morte pode ocorrer dentro de 24 a 72 horas (muitas vezes dentro de 24 horas).

Peste faríngea
Para a peste faríngea, a doença é caracterizada pelo aparecimento de uma faringite, febre alta, tosse e gânglios no pescoço.

Diagnóstico

A peste é geralmente diagnosticada por exames laboratoriais que identificam a bactéria Yersinia pestis no sangue, no escarro ou em uma amostra extraída de um gânglio. Exames de laboratório tendem a ser demorados.
Existe uma tira de teste rápido, que detecta um antígeno específico do bacilo. Este teste já foi validado em laboratório e seu uso é frequente nos países afetados pela peste.
Um teste desenvolvido pelos Centers for Disease Control and Prevention (CDC – instituição americana de referência), com base na detecção de anticorpos ou partes da bactéria, permitem um resultado em 15 minutos.
O médico também observa a presença de sintomas e questiona o paciente sobre uma possível viagem a um país afetado pela doença ou até mesmo contato com uma pessoa que esteja infectada pela peste, ele realiza, em termos médicos, uma anamnese.

Tratamentos

Atualmente, se a peste é diagnosticada no início da doença, as chances de cura com o uso de antibióticos são altas.
Mas sem tratamento efetivo, a peste bubônica pode matar em menos de 7 dias. Apenas o tratamento com antibióticos pode garantir uma cura real, mas deve ser prescrito no estágio inicial. Para a peste septicêmica, não há tratamento específico, esta forma da doença é geralmente fatal.
O tratamento antibiótico é preconizado em caso de peste pulmonar, mas também é uma forma de doença frequentemente fatal e o diagnóstico precoce pode determinar a sobrevivência da pessoa doente. A peste pneumônica não tratada ainda é mortal, como observa o Wall Street Journal em um artigo de novembro de 2017.
É importante iniciar um tratamento antibiótico 1 a 2 dias após o início dos sintomas, mesmo 18 a 24 horas depois para a peste pulmonar, caso contrário as chances de sobrevivência diminuem apesar do tratamento com antibiótico.

Profilaxia
Se um membro da família ou um parente estiver infectado, uma quimioprofilaxia antibiótica, por pelo menos 7 dias, com tetraciclinas, sulfonamidas ou fluoroquinolonas é indicada precocemente para as pessoas com contato imediato do paciente.

Primeiro caso de peste (dispositivo)
Assim que um primeiro caso de peste é declarado, há um dispositivo de segurança colocado em ação imediatamente. Serve principalmente para isolar e tratar pacientes, para cuidar do entorno e para lutar contra vetores e roedores (realizar desinsetização e desratização intensivas).

Dicas & Prevenção

  • Proteger-se de picadas de pulgas com uso de repelentes na pele
  • Lavar sempre as mãos com água e sabão
  • Utilizar uma solução hidroalcoólica
  • Evitar o contato com roedores
  • Evitar manusear carcaças de animais
  • Não matar os ratos, mas prendê-los e queimá-los vivos
  • Evitar o contato direto com pacientes (especialmente aqueles que estão tossindo com sangue) ou com fluidos corporais e tecidos infectados
  • Consulte um médico o mais rápido possível em caso de contato com um doente
  • Fornecer uma máscara ao paciente com peste pulmonar
  • Pratique enterros seguros

Dicas para turistas (por exemplo, viagem para Madagascar)
Os Centers for Disease Control and Prevention (CDC) americanos recomendam que os turistas se protejam das pulgas (fleas em inglês) usando repelentes de pele. Recomenda também evitar o contato com pessoas muito doentes, especialmente aquelas que tossem com sangue.

Fontes e referências:
OMS (WHO em inglês), Pasteur (Instituto), Le Figaro, ATS (Agência de Notícias Suíça), The Wall Street Journal, Wikipedia.org em francês (parte sobre a peste negra). Em caso de sintomas suspeitos, você deve consultar imediatamente um médico.
Créditos das fotos: Fotolia.com

Esta informação foi útil?

Observação da redação: este artigo foi modificado em 18.05.2018

Publicidade