Publicidade

Varíola dos macacos (monkeypox)

Definição

A varíola dos macacos é uma doença causada por um vírus. O patógeno foi detectado pela primeira vez em 1958 em um laboratório dinamarquês em macacos, daí o nome varíola dos macacos. No entanto, os especialistas acreditam que o patógeno realmente circula em esquilos e especialmente em roedores, já que os macacos são considerados maus hospedeiros. O vírus da varíola dos macacos (monkeypox) também é transmissível entre humanos, mas a principal fonte de transmissão para humanos é de animais para humanos. O vírus da varíola macaco tem um reservatório animal, não apenas humano, ao contrário da varíola (clássica).
A maioria dos casos atualmente relatados (veja também em Epidemiologia abaixo) onde a doença é incomum está em homens jovens que tiveram relações sexuais com outros homens, de acordo com as principais agências noticiosas (por exemplo, AFP).

Publicidade

Ligação com a varíola:
A varíola é há muito tempo uma das doenças mais perigosas para os seres humanos. Uma grande parte das pessoas afetadas pela varíola morreu devido à infecção.
A varíola é considerada erradicada desde 1980, após campanhas de vacinação. No entanto, um agente patogênico relacionado com a varíola, mas mais inofensivo, está agora causando um surto incomum de infecção: a varíola dos macacos. Como a varíola não é mais vacinada contra hoje em dia, acredita-se que o risco de contágio da varíola dos macacos é maior.

Nome em inglês :
Monkeypox, MPX

Epidemiologia

Situação (10 de Agosto de 2022)
Até 10 de agosto de 2022, quase 28.000 casos foram detectados em todo o mundo desde o início de maio de 2022 fora das áreas endêmicas na África, de acordo com a agência de notícias AFP.

Situação na África, endêmica (1970 e mais tarde – agora)
Até agora, as infecções por varíola dos macacos em humanos eram conhecidas principalmente na África Ocidental e Central. O primeiro caso de infecção por varíola em humanos foi registrado em 1970 na República Democrática do Congo, escreve uma equipe internacional de pesquisadores na revista Plos Neglected Tropical Diseases. O vírus então se espalhou para outros países africanos, e em 2003 foi detectado pela primeira vez fora do continente.
Na Nigéria, África Ocidental, 15 casos de macaco varíola foram relatados em 2022 entre janeiro e o final de abril (2022), de acordo com as autoridades locais de saúde. De acordo com a OMS, a Nigéria, Camarões e a República Democrática do Congo experimentaram surtos recorrentes nos últimos cinco anos.

Causas, transmissão e contagiosidade

Origem viral
A varíola dos macacos é causada por um vírus. O agente causador da varíola de macaco é o vírus da varíola dos macacos, muitas vezes chamado de monkeypox (seu nome em inglês). É um vírus de DNA da família poxviridae, subfamília chordopoxvirinae. Monkeypox pertence ao gênero Orthopoxvirus1. É importante saber que os vírus de DNA são menos propensos a sofrer mutações do que os vírus RNA como o SARS-CoV-2.

Pelo menos 2 cepas do vírus, diferente letalidade:
– Duas cepas do vírus da varíola macaco são conhecidas atualmente, como Theconversation.com resumido em maio de 2022. A chamada cepa “África Ocidental”, com uma letalidade de cerca de 1%, é encontrada na Nigéria, Libéria, Serra Leoa e Costa do Marfim. Esta é a linhagem atualmente encontrada na Europa e nas Américas.
– A segunda cepa, conhecida como a “Bacia do Congo”, circula em vários países africanos como a República Democrática do Congo (RDC), a República do Congo, a República Centro-Africana (RCA), o Gabão e também Camarões. Esta segunda estirpe está associada a formas clínicas mais severas; a cepa da Bacia do Congo tem uma letalidade de 10%.

Transmissão:
A principal fonte de transmissão para os humanos é dos animais para os humanos. Mas a transmissão de humano para humano também é possível, embora menos comum.
Contato sexual (em homens):
A maioria dos casos relatados atualmente estão em homens que tiveram relações sexuais com outros homens. O vírus atualmente parece se espalhar principalmente entre homens gays ou bissexuais. Mas o contato íntimo ou sexual é apenas uma possibilidade de transmissão – pode ser uma coincidência que o vírus tenha sido transmitido primeiro a este grupo de pessoas e depois continuado a circular. O risco da varíola macaco ser contagiosa é “muito baixo” na população em geral, mas “alto” em pessoas com múltiplos parceiros sexuais, a agência de doenças da União Européia 2.

Outros meios de transmissão:
Além das relações sexuais, o contato com mucosas ou feridas infectadas, ou grandes gotas transmitidas durante o contato prolongado face a face são considerados possíveis vetores, de acordo com o Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças (ECDC), sediado na Suécia.

Publicidade

Contagiosidade:
O vírus da varíola dos macacos é considerado pouco contagioso. No caso do atual acúmulo (2022) de infecções, as cadeias detalhadas de infecção ainda não estão claras. Para o primeiro caso conhecido na Grã-Bretanha, a UKHSA assume que é devido a uma infecção na Nigéria. Se houve outras entradas em países ocidentais a partir de regiões africanas permanece uma questão em aberto. Mas parece claro que o patógeno foi então transmitido a outras pessoas de uma forma incomum.

Sintomas

Os principais sintomas da varíola de macaco são febre repentina, dor de cabeça forte, dor nas costas, dor de garganta, tosse e gânglios linfáticos frequentemente inchados. Uma erupção cutânea típica da varíola, estendendo-se da face para o corpo, também é frequente. A cegueira e as cicatrizes desfigurantes são raras e permanentes. A erupção cutânea pode se assemelhar à varicela ou sífilis em alguns estágios da doença.

Informações sobre as lesões (erupção cutânea):
As primeiras lesões aparecem inicialmente na boca e especialmente na face. Em um dia, todo o corpo é afetado, incluindo a mucosa oral, os genitais e as palmas das mãos e plantas dos pés. Centenas ou até milhares de lesões aparecem, de 0,5 a 1 cm de diâmetro3.

Duração dos sintomas:
Os sintomas geralmente duram de 2 a 4 semanas. A doença se resolve espontaneamente na maioria dos casos4.

Tempo de incubação:
O tempo de incubação é geralmente 6-13 dias, às vezes 5-21 dias. Este é um tempo relativamente longo de incubação. Lembre-se que o período de incubação é o tempo entre a infecção e o aparecimento dos primeiros sintomas.

Severidade da doença (variante atual):
De acordo com a UKHSA, a variante circulante do vírus da varíola dos macacos (a chamada cepa “África Ocidental”) geralmente causa apenas sintomas leves, mas também pode levar a resultados graves da doença. O epidemiologista Paul Hunter, da Universidade de East Anglia, no Reino Unido, diz que é altamente improvável que a doença seja fatal em países ocidentais. Mas não é impossível, ele disse à BBC. A cepa “África Ocidental” do vírus, que está presente na Europa e nos EUA, mata cerca de 1% das pessoas na África. Veja também abaixo em Complicações

Severidade de outra variante:
Existe também uma variante da África Central (a chamada “cepa da Bacia do Congo”), da qual 10% dos casos são fatais no continente. Todas as faixas etárias e ambos os sexos são igualmente suscetíveis. As crianças são as mais afetadas por casos fatais na África.

Complicações

As complicações incluem encefalite, desidratação (geralmente a principal complicação), doença ocular, superinfecções bacterianas, sepse e anemia5.

Pessoas em risco

Pessoas com HIV/AIDS estão mais propensas a sofrer de complicações da varíola macaco6.

Diagnóstico

O diagnóstico é feito com base na história do paciente, sintomas clínicos e métodos laboratoriais.
Teste PCR
Assim como com os coronavírus e outros patógenos, a detecção é frequentemente feita usando uma amostra retirada da pessoa em questão através de um teste chamado PCR. Se o vírus da varíola macaco estiver presente, sua composição genética é especificamente multiplicada em um dispositivo especial e pode então ser facilmente detectada.

Tratamentos & Vacinas

Sintomas e possíveis infecções bacterianas secundárias são tratados, não há tratamento específico para a varíola dos macacos. Como regra geral, o tratamento é principalmente sintomático.
Mas os seguintes medicamentos antivirais são mencionados na literatura para tratar a varíola macaco7:
– Tecovirimate (Tpoxx®, Tecovirimat SIGA). Este medicamento é autorizado nos EUA e na UE para o tratamento de infecções pelo vírus da varíola (varíola macaco, varíola humana e varíola bovina).
– Cidofovir e brincidofovir
– Anticorpos (imunoglobulinas)

Vacina contra a varíola
A vacina contra a varíola protege bem contra a varíola macaco de acordo com dados históricos – e provavelmente para toda a vida, de acordo com algumas fontes. As vacinas contra a varíola são 85% eficazes contra a varíola dos macacos8. A maioria das pessoas com menos de 45 anos de idade não foi vacinada contra a varíola, e os estoques de vacinas são agora muito baixos. Mas como a eficácia da vacinação contra a varíola dura cerca de 30 anos, as pessoas vacinadas contra a varíola antes do final dos anos 70 não estão mais realmente protegidas contra a varíola e a maconha, pelo menos de acordo com a opinião de alguns especialistas em imunologia[/efn_note]Folha de S.Paulo, 28 de maio de 2022[/efn_note].
A vacinação com a vacina contra a varíola é, portanto, vista como uma medida possível para proteger pelo menos aqueles em contato com pessoas infectadas pela varíola macaco. De acordo com Paul Hunter, da Universidade de East Anglia, isto ajuda “com bastante eficácia”. Assim, os suprimentos estão disponíveis e podem ser usados para pessoas em contato.
Na União Européia (UE), a marca da vacina contra a varíola é Imvamune® ou Imvanex® (uma vacina atenuada), e nos EUA é chamada de Jynneos®.

Prevenção

– Evitar o contato com pessoas doentes e materiais infecciosos.
– Evitar o contato com animais infecciosos e sua carne. Se a transmissão entre humanos e animais ocorrer, e o vírus se espalhar na população animal, há um risco de que a doença se torne endêmica na Europa.
– Evitar relações sexuais com uma pessoa infectada.
– Isolar as pessoas doentes. O ECDC recomenda o isolamento de todos os casos até que as lesões causadas pela doença “tenham cicatrizado completamente”.
– Desinfectar as mãos e superfícies.
– Usar roupas de proteção, máscaras, óculos de proteção, luvas.
– Em alguns países a vacinação contra a varíola está disponível (ver parágrafo acima em Tratamento & Vacinação). Peça orientação ao seu médico para saber se a vacinação contra a varíola é ou não recomendada em sua situação.

Editor:
Xavier Gruffat (Dipl. Pharm. ETH Zurique, Suíça – Dipl. MBA FIA/USP, São Paulo, Brasil)

Fontes:
Keystone-ATS, US CDC, European Centre for Disease Prevention and Control (ECDC), Pharmawiki.ch. Folha de S.Paulo.

Créditos das fotos:
Adobe Stock

Data de atualização:
10.08.2022

Esta informação foi útil?

Fontes de rodapé:

  1. Site em francês Theconversation.com, artigo de 22 de maio de 2022, entrevista com Camille Besombes, médica de doenças infecciosas e estudante de doutorado na unidade de Arnaud Fontanet, artigo acessado pelo Criasaude.com.br em 28 de maio de 2022
  2. Agência de notícias suíça Keystone-ATS estimada em 22 de maio de 2022, sendo nosso parceiro Pharmapro.ch um cliente da agência. 23 de maio de 2022
  3. Pharmawiki.ch website alemão, 23 de maio de 2022, acessado pelo Criasaude.com.br em 23 de maio de 2022
  4. Site francês Theconversation.com, artigo de 22 de maio de 2022, entrevista com Camille Besombes, médica de doenças infecciosas e estudante de doutorado na unidade de Arnaud Fontanet, artigo acessado pelo Creapharma.ch em 28 de maio de 2022
  5. Pharmawiki.ch site em língua alemã, 23 de maio de 2022, acessado pelo Criasaude.com.br em 23 de maio de 2022
  6. Site en français Theconversation.com, artigo de 22 de maio de 2022, entrevista com Camille Besombes, médica de doenças infecciosas e estudante de doutorado na unidade de Arnaud Fontanet, artigo acessado pelo Creapharma.ch em 28 de maio de 2022
  7. Pharmawiki.ch, 23 de maio de 2022, acessado pelo Creapharma.ch em 23 de maio de 2022
  8. Agência de notícias suíça Keystone-ATS, 28 de maio de 2022
Observação da redação: este artigo foi modificado em 10.08.2022

Publicidade