Publicidade

Home » Medicamentos » Estatinas » Efeitos colaterais das estatinas

Efeitos colaterais das estatinas

Frequência de efeitos colaterais
De acordo com um estudo publicado em julho de 2017 na revista Annals of Internal Medicine, cerca de 20% das pessoas que tomaram estatina relataram sofrer um efeito colateral, principalmente distúrbios musculares. Das pessoas que relataram esses efeitos, cerca de um terço deixaram de tomar as estatinas e o risco de morte, de sofrer um acidente vascular cerebral ou infarto do coração aumentou 13% nos 4 anos seguintes à descontinuação do tratamento em comparação com aqueles que tomam estatinas. O estudo envolveu a análise de 28.266 pacientes que relataram efeitos colaterais induzidos por estatina. Os pacientes vieram de 2 hospitais em Boston (EUA) e foi realizado entre os anos 2000 e 2011.

Publicidade

Aqui estão os principais efeitos colaterais das estatinas:

Tipo muscular

dor muscular estatinasO uso de estatinas pode levar a efeitos colaterais no músculo (dor muscular, etc). Um estudo com 20 milhões de pessoas mostrou que 10-20% desta população apresentaram efeitos colaterais e, em particular, os problemas do tipo muscular. Na maioria das vezes estas alterações musculares não são graves, mas podem atrapalhar a vida do paciente.

Poucas pessoas realmente sofrem de efeitos colaterais do tipo muscular provocados apenas pelo uso de estatinas (estudos)
– Nos Estados Unidos, os cientistas estimam que até 10% dos americanos que fazem uso de estatinas poderiam apresentar efeitos secundários de ordem muscular, o equivalente a entre 3 e 4 milhões de americanos.
– Em um artigo publicado em abril de 2019, a revista Wellness (Bem-Estar) da Universidade da Califórnia em Berkeley vai ainda mais longe e estima que menos de 1 em 100 usuários de estatinas desenvolvem dores musculares (mialgia) de qualquer grau, em comparação com um placebo. De acordo com esta universidade americana, a referência a dor muscular é comum, especialmente em pessoas de meia-idade e idosos, e pode ter inúmeras causas. Na verdade, a maioria dos ensaios clínicos revelou que quase o mesmo número de pessoas relataram problemas musculares tanto no grupo que tomou placebo quanto no grupo que tomou estatinas. No entanto, como observado no artigo de 2019 da revista Wellness, alguns pesquisadores acreditam que os participantes desses ensaios ou estudos sobre estatinas não eram representativos da população em geral, portanto, os resultados podem subestimar a verdadeira prevalência dos efeitos colaterais relacionados às estatinas.
– Vale ressaltar que esses números são baseados em grandes estudos populacionais e não em ensaios clínicos controlados. Ao olhar as evidências de ensaios clínicos controlados, em que os pacientes recebem aleatoriamente uma estatina ou placebo e são cuidadosamente estudados, o risco de sintomas musculares como efeito colateral parece ser muito menor: 5% ou menos, ainda de acordo com o artigo da Universidade de Berkeley.
– De acordo com um artigo da Universidade de Berkeley, nos Estados Unidos, datado de outubro de 2018, que se refere à literatura científica, a prevalência de efeitos adversos a nível muscular varia entre 7 e 29%, de acordo com diferentes estudos. Essa grande variação vem do fato de que descrever dores ou sintomas musculares é freqüentemente bastante subjetivo.

Estas doenças ou distúrbios musculares podem ser miopatia sintomática (mialgia, cãibras) , assintomática (com níveis de creatinina elevados) ou rabdomiólise. A última doença é caracterizada pela destruição dos músculos com consequências em outros órgãos (por exemplo, nos rins. É uma doença muito grave, mas é um efeito colateral muito raro das estatinas na ordem de 1 em 1 milhão de pessoas. Note que há pequenas variações entre cada estatina, sendo que algumas estatinas podem causar 0,3 casos por 1 milhão, ao passo que outras podem causar 1 caso em 1 milhão. É importante ler a bula e consultar o seu médico ou farmacêutico.

Fatores de risco para efeitos adversos do tipo muscular
O aparecimento de efeitos colaterais relacionados ao músculo depende de fatores como características do paciente, sendo mulheres mais afetadas do que homens e idosos mais do que jovens, baixo peso, pessoas com certas doenças como disfunção renal e disfunção hepática, consumo de suco de toranja, consumo excessivo de álcool, desidratação, história familiar de intolerância à estatinas, ingestão de outros medicamentos e hipotiroidismo apresentam um risco mais elevado de desenvolvimento efeitos colaterais que afetam os músculos.
Existem também diferenças entre as estatinas, algumas estatinas têm mais ou menos efeitos colaterais que afetam os músculos. A dose da estatina prescrita também pode ser uma influência, quanto maior a dose, maior o risco de efeitos colaterais relacionados ao músculo. Um outro fator de risco é o “efeito nocebo”  (em inglês nocebo effect), que é o oposto do efeito placebo. Isso ocorre quando os pacientes experimentam certos efeitos colaterais devido à expectativas negativas, talvez porque estejam cientes dos riscos potenciais.

Rabdomiólise e estatinas
A rabdomiólise é caracterizada pela destruição dos músculos, com consequências em outros órgãos (rim, por exemplo). É uma doença muito grave, com um desfecho às vezes fatal, que é um efeito colateral raro das estatinas, da ordem de 1,5 casos em 100.000 pessoas que tomam estatinas de acordo com a Mayo Clinic. Urina escura (em urina escura inglesa) pode ser um sinal de rabdomiólise. Se você notar urina escura, pare de tomar a estatina e chame um médico imediatamente.

Nos casos de complicações musculares por tomar estatinas, o médico pode determinar a quantidade de CPK (enzimas musculares). Também pode ser determinada a quantidade de transaminases para monitorizar o estado do fígado.

O estudo STOMP (Effect of Statins on Skeletta Muscular Function and Performance) é um dos principais estudos sobre a ligação entre as mialgias (dor muscular) e a ingestão de estatinas. Nesta pesquisa, os cientistas recrutaram 420 participantes, uma parte tomou um placebo e a outra atorvastatina. No grupo placebo, 4,6% dos participantes relataram problemas musculares contra 9,4% no grupo atorvastatina. Assim, este estudo mostrou um risco dobrado de efeitos colaterais do tipo muscular quando estatinas são tomadas, pelo menos no caso da atorvastatina.

Em abril de 2019, um artigo da revista Wellness (Bem-Estar) da Universidade da Califórnia em Berkeley estimou que cerca de 1 pessoa em cada 10.000 que tomam estatinas desenvolverá rabdomiólise.

Localização desses distúrbios musculares
No caso de efeitos colaterais do tipo musculares, os sintomas geralmente se manifestam nos grandes músculos das pernas (parte superior das pernas), tórax, braços, ombros e parte inferior das costas, mas podem ocorrer em outros lugares. Nas pernas, as dores geralmente estão localizadas em ambas as pernas e não apenas em uma, ou seja, de forma simétrica.

Tempo de ocorrência destes efeitos colaterais
Os sintomas das mialgias aparecem, geralmente, uma à várias semanas após o início do tratamento e não um dia depois  da ingestão das  estatinas, como alguns pacientes às vezes relatam (evidência provável de um efeito placebo). De fato, um estudo mostrou que uma parte significativa de pacientes que receberam placebo, enquanto acreditavam que eles eram estatinas, relataram mialgia, a prova do efeito placebo para uma parte da população.

AVC hemorrágico

A utilização de estatinas diminui o número de casos de AVC, principalmente os casos não-fatais. No entanto, um grande estudo clínico mostrou que as estatinas podem aumentar ligeiramente o risco de AVC hemorrágico, uma forma muito grave de AVC. O risco de AVC hemorrágico pareceu particularmente maiores entre os homens, pacientes mais velhos e aqueles que tomam uma dose elevada de estatinas. Em mulheres pós-menopausa, a associação de estatinas e antiplaquetários também aumenta o risco de AVC hemorrágico, como mostrado por outro estudo publicado em 2015.

Estudo de 2019
As estatinas são eficazes na prevenção de hemorragia cerebral, de acordo com um grande estudo dinamarquês. Este estudo refuta a ideia sugerida por outros estudos publicados no passado, que mostram um possível aumento do risco de sofrer hemorragia cerebral após tomar estatinas. Para os pesquisadores dinamarqueses, este efeito oposto é verdadeiro para os casos de pessoas que nunca sofreram uma hemorragia cerebral no passado, em que as estatinas justamente previnem o risco de hemorragia cerebral. Este é o maior estudo até o momento sobre este tópico. Mais de 500.000 pessoas foram seguidas desde que começaram a tomar estatinas entre 2004 e 2014. Os cientistas observaram em análises de dados, que as pessoas que tomavam estatinas (grupo estatinas) tinham um risco menor de sofrer hemorragia cerebral do que aquelas que não tomavam estatinas (grupo controle). O risco de desenvolver hemorragia cerebral no grupo estatina foi 22% a 35% inferior ao do grupo controle, após tomar estatinas por pelo menos 6 meses. Nenhum dos participantes tinha sofrido no passado uma hemorragia cerebral ou coágulos sanguíneos. Um estudo clínico de 2006 mostrou um aumento do risco de hemorragia em pessoas que tomavam estatinas e que já tinham sofrido uma hemorragia cerebral no passado. Este novo estudo dinamarquês mostra que em pessoas que não tiveram hemorragia cerebral, as estatinas podem agir de forma eficaz para prevenir hemorragias no cérebro. A Universidade de Aarhus, na Dinamarca, participou deste estudo publicado em 13 de março de 2019 na revista científica EclinicalMedicine (DOI: 10.1016 / j.eclinm.2019.02.007).

Distúrbios cognitivos (principalmente perda de memória)   

Em fevereiro de 2012, a FDA (autoridade americana de regulação de medicamentos) emitiu uma declaração sobre o possível risco de comprometimento cognitivo, incluindo a memória, com o uso de estatinas. Estes distúrbios parecem ser reversíveis, isto é, depois de parar o uso das estatinas a memória retorna. O colesterol está envolvido no crescimento do cérebro e sabe-se que 25% do colesterol total encontram-se no cérebro, em particular nas bainhas de mielina. As estatinas podem, teoricamente, interferir na síntese de colesterol à nível cerebral. No entanto, não é possível dosar a proteína que transporta o colesterol no cérebro com um exame de sangue convencional como é o caso de LDL ou HDL. As estatinas podem, teoricamente, atravessa a barreira hemato-encefálica, principalmente as estatinas muito lipofílicas como a sinvastatina, o que não é o caso da pravastatina, uma estatina mais hidrofílica. No entanto, os estudos clínicos são conflitantes sobre o assunto.

Assim, apesar dos elementos teóricos, na prática clínica estima-se que atualmente (2015) poucos estudos têm demonstrado o efeito negativo das estatinas sobre a memória. Citando o estudo PROSPER, um trabalho de pesquisa envolvendo 5804 participantes, com um grupo que tomou 40 mg de pravastatina e outro grupo um placebo. Nesses indivíduos entre 70 e 82 anos, os pesquisadores não encontraram uma deterioração do déficit cognitivo, comparando o grupo placebo com a pravastatina.

Distúrbios gastrointestinais

Distúrbios gastrointestinais ou problemas de fígado também podem ocorrer com o uso de estatinas.

Diabetes tipo 2

Índice glicêmico– Um grande estudo finlandês publicado em março 2015 na revista europeia especializada Diabetologia, mostrou que o risco de diabetes tipo 2, pelo menos entre homens brancos (o estudo envolveu mais de 8.700 homens brancos finlandeses com idades entre 45 a 73 anos), foi cerca de duas vezes maior em pessoas que tomavam estatinas do que naquelas que não tomavam, e 46% maior depois de levar em conta os fatores de correção, tais como a obesidade, para não distorcer os resultados. De acordo com investigadores, as estatinas aumentam a resistência à insulina por volta de 24% e reduz a secreção de insulina em 12%.
– De acordo com um estudo australiano publicado em 2017 na revista especializada Drugs and Ageing, as mulheres com idade superior a 75 anos apresentaram 33% mais risco de desenvolver diabetes quando elas ingeriam estatinas. Este estudo realizado pela Universidade de Queensland, na Austrália Ocidental, realizou a análise de dados de mais de 8.000 mulheres australianas.
Outros estudos mostraram uma associação entre tomar estatinas e a diabetes em mulheres na pós-menopausa, conforme relatado pela revista americana Prevention em sua edição de dezembro de 2017.

Outros efeitos colaterais

Outros efeitos colaterais podem ser dores nas costas e problemas no fígado. Os danos ao fígado causados por estatinas ocorrem muito raramente, cerca de 1 pessoa em 100.000 que usam estatinas, de acordo com a American Heart Association (AHA).

Para obter uma lista completa dos efeitos secundários, por favor leia a bula do medicamento.

Mais sobre estatinas

Fontes & Referências:
Journal of the American College of Cardiology, Mayo Clinic (risques effets secondaires rhabdomyolyse), The Lancet, Université de Queensland, The Wall Street Journal, Annals of Internal Medicine, Prevention, University of Berkeley (Etats-Unis), Circulation: Arteriosclerosis, Thrombosis and Vascular Biology (DOI : 10.1161/ATV.0000000000000073).

Quem escreveu esta pasta?
Xavier Gruffat (farmacêutico)

Fotos: 
Fotolia.com

Atualização:
20.07.2019

Esta informação foi útil?

Observação da redação: este artigo foi modificado em 20.07.2019

Publicidade