Causa da cistite, novo mecanismo

Cistite em resumoCOLOMBUS (Ohio)Todos os anos, milhões de pessoas são tratadas para a cistite. Mas apesar de sua prevalência, a doença ainda é um mistério científico. Agora, uma equipe de pesquisa da Universidade do Sul da Dinamarca identificou com sucesso como as bactérias responsáveis pela doença se desenvolve na bexiga incluindo uma mudança de forma (por alongamento). Este trabalho de pesquisa dinamarquesa deve permitir o desenvolvimento de fármacos mais eficazes.

A cistite é uma doença dolorosa causada principalmente pela bactéria E. coli, caracterizados por dor durante a micção e micção freqüente, às vezes a cada 2 minutos. A urina muitas vezes tem um muito mau odor com um fluxo de apenas algumas gotas em cada micção.

Em resposta a infeção por E.Coli, a bexiga rejeita a camada exterior das suas células e em seguida  evacua a maioria das bactérias (E.Coli) na urina. O resultado é uma urina turva típica de uma cistite. O tratamento da cistite baseia-se em antibióticos. Infelizmente bactérias como a E. coli têm, frequentemente, uma resistência a este tratamento.

Cientistas dinamarqueses desenvolveram um modelo para a observação e análise sistemática de bactérias em cada fase de invasão bacteriana na parede da bexiga.

Mudança da forma

No caso de cistite, bactérias são removidas no momento da micção. No entanto, algumas bactérias E. Coli (foto abaixo) são muito “espertas” para evitar ser apuradas através da urina.

De um modo fascinante, os cientistas descobriram que a bactéria E. coli, como uma estratégia de sobrevivência, é capaz de mudar a sua forma, tornando-se extremamente longa (um processo conhecido no nome de filamentação ou filamentation). Por conseguinte, estas bactérias são capazes de melhorar a sua capacidade de se ligar à parede da bexiga e são menos eliminadas através da urina. Em seguida, as bactérias podem se espalhar ainda mais e destruir as células da bexiga, um após o outro. Por fim, as bactérias podem alcançar a camada interior de células da bexiga, onde penetram e param de se dividir. Nesta fase, nem antibióticos nem o sistema imunitário não possa destruir estas bactérias.

Bactérias longas e finas            

Os cientistas sabiam que a bactéria E. coli tem a capacidade de mudar de forma durante a infecção. Mas, até agora, tem sido muito difícil de descobrir como as bactérias prossegue nesta fase infecciosa.

A capacidade de E. coli, para formar longos filamentos é crucial para a propagação e o desenvolvimento de cistite.

cistite-causas-2016

Para entender melhor como E. coli se espalha, cientistas dinamarqueses desenvolveram um modelo de bexiga artificial. Este modelo foi baseado em uma cavidade revestida com células da bexiga. Os pesquisadores, então, encheram a cavidade de urina humana e injetaram bactérias E.coli. Usando um microscópio, os pesquisadores foram capazes de observar as diferentes fases da infecção nas células da bexiga. Eles podiam identificar o mecanismo que leva a que as bactérias desenvolvem filamentos. “Esta é a primeira vez que conseguimos atingir esse nível de detalhe”, explicou o cientista que conduziu o estudo, Prof. Jacob Møller-Jensen, da Universidade do Sul da Dinamarca num comunicado de imprensa.

100 vezes maior

Perguntado por Criasaude, Prof. Moller-Jensen diz que a bactéria E. coli é capaz de crescer mais de 100 vezes o seu tamanho, o que aumenta dramaticamente a sua adesão a células da bexiga. Ao bloquear a formação destes filamentos, o professor dinamarquês diz que seria possível aumentar a eliminação bacteriana através da urina.

Novos tratamentos, menos antibióticos

Em uma entrevista com Criasaude, Prof. Møller-Jensen acredita que a comunidade científica deve procurar drogas que bloqueiam funções específicas em bactérias como pela formação de longos filamentos ao invés de focar na busca de novos antibióticos que matam as bactérias completamente.

Ratos sem cistite

Para testar sua hipótese, os pesquisadores dinamarqueses desativaram o mecanismo de filamentação de E.Coli através da realização de um experimento com ratos. Para desactivar este mecanismo, os investigadores realizaram alterações genéticas nas bactérias no gene que conduzem à formação de filamentos (filamentação).

Quando a bactéria E. coli geneticamente modificada foi injectada em ratos, a bactéria não foi capaz de induzir uma infecção vigorosa. Além disso, a capacidade das bactérias para penetrar de modo profundo na parede das células da bexiga diminuiu rapidamente. Em outras palavras, quando o mecanismo estiver desligado, a bactéria é prejudicada.

Os pesquisadores acreditam que sua descoberta deve permitir o desenvolvimento de novos tratamentos, em especial para evitar a cistite recorrente.

Este estudo foi apresentado em uma conferência científica realizada em Columbus (Ohio), nos Estados Unidos, no final de agosto de 2016. O trabalho também foi publicado na revista científica MBiO.

02 de setembro de 2016. Xavier Gruffat (Dipl. ETH Zurich Farmacêutico, Dipl. MBA). Fonte: Comunicado de imprensa do estudo. Entrevista com o professor Møller-Jensen. Fotos: Fotolia.com, da Universidade do Sul da Dinamarca

cistite-entender-pn-cysc-p-v-1-2


Observação da redação: este artigo foi modificado em 21.06.2017

 

Inscrever-se na nossa newsletter (de graça)

 

Ler também: