Category Archives: NEWS

Vacina AstraZeneca (Oxford), Brasil precisa de mais informações depois da morte de uma mulher grávida de 35 anos

SÃO PAULO Após a morte confirmada de uma mulher grávida de 35 anos em 10 de maio 2021, provavelmente causada pela vacina AstraZeneca (Oxford) desenvolvida no Brasil pela Fiocruz, os brasileiros precisam ter mais informações sobre essa vacina e seus possíveis efeitos colaterais muito sérios, mesmo que sejam raros. Nesta terça-feira (11.05.2021), muitos estados brasileiros, inclusive os de São Paulo e do Rio de Janeiro, anunciaram que suspenderam a vacinação de mulheres grávidas com AstraZeneca. Na segunda-feira à noite, a Anvisa havia recomendado “a suspensão imediata” da vacinação com AstraZeneca para as mulheres grávidas. Há uma falta de dados no Brasil sobre os possíveis efeitos colaterais (para toda a população) e seu efeito em tempo real sobre as mortes causadas pelo Covid-19. No Brasil a vacina AstraZeneca responde por 26% das doses injetadas, segundo a agência noticiosa francesa AFP.

Dinamarca, Eslováquia e Ontario

A Dinamarca havia renunciado definitivamente à vacina AstraZeneca contra o Covid-19 por causa de seus “raros” mas “graves” efeitos colaterais, havia anunciado em abril de 2021 suas autoridades sanitárias, tornando o país escandinavo o primeiro a renunciar a ela na Europa. Em 11 de maio de 2021, foi relatado que a Eslováquia estava suspendendo as vacinas com a primeira dose de AstraZeneca. A Eslováquia está examinando o caso de um paciente que morreu de um coágulo de sangue depois de receber essa vacina. No dia 11 de maio de 2021, soube-se também que o populoso Estado canadense de Ontário faria uma pausa na vacinação AstraZeneca devido aos efeitos colaterais relacionados com a trombose ou VITT (em inglês: Vaccine-Induced Immune Thrombotic Thrombocytopenia). Em Ontário, até o momento, foi observada uma taxa de 0,9 casos de VITT por 100.000 doses administradas da vacina AstraZeneca. Mas nos últimos dias, a taxa subiu para 1,7 casos de VITT por 100.000 doses administradas.

Brasil

Há uma falta de dados no Brasil sobre os possíveis efeitos colaterais (para toda a população), por exemplo, quantas mortes foram observadas no Brasil por trombose após a ingestão desse medicamento. Em um país pequeno como a Noruega, já houve pelo menos três mortes. Além disso, um estudo clínico mostrou que a vacina AstraZeneca foi 100% eficaz contra a morte e a hospitalização severa, mas não temos informações em tempo real. Ao contrário da vacina Pfizer. Em tempo real, a eficácia contra a morte da vacina Pfizer/BioNTech foi de cerca de 97% em Israel, como Criasaude mencionou. Seria interessante ter acesso com a vacina da AstraZeneca a um grande estudo no Brasil sobre o número de pessoas reinfectadas em tempo real, o número de pessoas hospitalizadas e o número de mortes (se presentes) após uma vacinação completa. Parece que o Instituto Butantan, com sua vacina Coronavac (de Sinovac), está realizando um grande estudo nesse sentido.

11 de maio de 2021. Fontes: AFP e Keystone-ATS (nosso parceiro de mídia Pharmapro é cliente da Keystone-ATS na Suíça, traduzido para o português), G1, CBC News (Canada). Por Xavier Gruffat (Criasaude.com.br).

Covid-19: Estudo da vida real em Israel confirma a eficácia da vacina Pfizer

A vacina Pfizer/BioNTech é mais de 95% eficaz contra o Covid-19, de acordo com um estudo realizado em Israel, o maior jamais realizado na vida real. No entanto, o nível de eficácia cai significativamente quando uma pessoa recebe apenas uma das duas doses. A vacina Pfizer/BioNTech (vacina Cominarty) utiliza o RNA mensageiro.

Publicado na revista médica The Lancet (DOI: 10.1016/S0140-6736(21)00947-8) em 5 de maio de 2021, esse estudo destaca “os benefícios para a saúde pública de um programa nacional de vacinação”, de acordo com seus autores, cientistas da Pfizer e do governo israelense. Observam que Israel “tem sido o principal motor do declínio das infecções da Covid-19”.

Cautela

Entretanto, é preciso ter cautela ao generalizar essas constatações para outras nações, pois a velocidade dos programas de vacinação e a evolução da pandemia diferem de país para país, advertem eles. O estudo é a versão publicada, revisada por outros cientistas independentes, dos resultados iniciais divulgados em março pela Pfizer e pelo Ministério da Saúde de Israel.

Variante inglês (B.1.1.7)

Ela se concentra nos dados de saúde coletados entre 24 de janeiro e 3 de abril de 2021, quando 72% da população de Israel acima de 16 anos (quase 5 milhões de pessoas) e 90% dos maiores de 65 anos haviam recebido suas duas doses de vacina Pfizer/BioNTech. A análise se concentrou na eficácia da vacina contra a variante inglesa (chamada B.1.1.7), que é dominante no país.

“Altamente eficaz”

O estudo mostra que a vacina é “altamente eficaz” em pessoas maiores de 16 anos sete dias após a segunda dose: ela protege contra 95,3% das infecções, 97,2% das hospitalizações e 96,7% das mortes. Esses níveis de proteção continuam a ser semelhantes nos mais de 85 anos.

Mas elas caem significativamente quando as pessoas receberam apenas uma das duas doses: 57,7% contra infecção, 75,7% contra hospitalização e 77% contra morte nos mais de 16 anos.

Este estudo “mostra a importância de uma vacinação completa em adultos”, com duas doses, dizem os autores. Segundo os autores, uma única dose também pode oferecer menos proteção, especialmente com o surgimento de variantes mais resistentes à vacina.

Durante o período de análise, houve 232.268 infecções confirmadas por Covid-19 em Israel (com 4.481 infecções graves e 1.113 mortes) e quase 95% das amostras testadas eram da variante inglesa. Os pesquisadores assinalam que isso não lhes permitiu estudar a eficácia da vacina contra a variante sul-africana, que também está circulando no país.

Em fevereiro 2021, um primeiro estudo em grande escala (1,2 milhões de pessoas), realizado em Israel e publicado na revista NEJM, chegou a conclusões semelhantes.

Criasaude não conseguiu descobrir a situação das pessoas que foram infectadas pelo Covid-19 no passado. Segundo nossas informações, este estudo no The Lancet não especifica essa situação. Em alguns países como a Suíça, apenas uma dose e não duas da vacina Pfizer é recomendada para pessoas já infectadas pelo vírus Covid no passado.

Brasil

No Brasil, a vacina Pfizer/BioNTech foi aprovada pela Anvisa. Aos poucos, ela vai ficando disponível para os brasileiros. No início de maio de 2021, principalmente as vacinas Coronavac (Butantan) e Oxford/AstreZeneca (Fiocruz) estavam disponíveis para os brasileiros. No total, o governo brasileiro encomendou 100 milhões de doses da vacina Pfizer/BioNTech (conhecida no Brasil principalmente como vacina Pfizer). A vacina Janssen (Johnson & Johsnon) também é aprovada no Brasil, mas esta ainda não disponível.

6 de maio de 2021. Fontes: AFP e Keystone-ATS (nosso parceiro de mídia Pharmapro é cliente da Keystone-ATS na Suíça, traduzido para o português), Folha de S.Paulo, R7. Por Xavier Gruffat (Criasaude.com.br). Foto: Pfizer. Referência do estudo: The Lancet (DOI: 10.1016/S0140-6736(21)00947-8).

Covid-19: Vacinação no Chile, uma situação matizada e não tão positiva para Coronavac

SÃO PAULO O Chile, um país de cerca de 18 milhões de habitantes, está vivendo uma situação paradoxal. Por um lado, é um dos países do mundo que mais vacinou sua população, juntamente com Israel, e por outro lado, a pandemia permanece em um nível muito alto nesta metade de abril de 2021, tanto em termos de novos casos como de mortes. Uma explicação poderia vir da eficácia bastante decepcionante de uma vacina contra a Covid-19 para evitar mortes, a vacina Coronavac (o mesmo que é usado no Brasil). De acordo com o principal jornal chileno El Mercurio (via emol.com), houve 132 novas mortes de Covid-19 em 24 horas no dia 17 de abril de 2021. No Chile, quase 40% da população total recebeu pelo menos uma dose da vacina, de acordo com o Our World in Data. O Chile vacina com duas vacinas, em grande parte com Coronavac – uma vacina inativada – e cerca de 10% com a vacina RNA da Pfizer/BioNTech. Desde o início da pandemia em 2020, o Chile já teve mais de 24.500 mortes de Covid-19. A variante P.1, também conhecida como a variante brasileira ou de Manaus, é responsável por quase 24% dos testes sequenciados no Chile na semana de 12 de abril de 2021.

Vacina, liberação do governo chileno – apenas 80% – “confusão” no Brasil

A vacina chinesa Coronavac demonstrou 67% de eficácia na prevenção de casos sintomáticos de Covid-19 e 80% de eficácia na prevenção de mortes, de acordo com um novo estudo divulgado em 17 de abril de 2021 pelo governo chileno. Cuidado, esses resultados só foram observados 14 dias após a tomada da segunda dose. A vacina Coronavac vem da empresa chinesa Sinovac. O que é interessante e um pouco perturbador neste estudo governamental é que a eficácia na prevenção de mortes é de 80%. Mas, segundo o Wall Street Journal, a eficácia das vacinas na prevenção das mortes por Covid-19 é quase toda 100%. No Brasil, por exemplo, o Instituto Butantan ligado ao governo do Estado de São Paulo, que produz Coronavac na cidade de São Paulo com a empresa chinesa Sinovac, estimou em um pequeno ensaio clínico que a eficácia contra a morte foi simplesmente 100%, um número muito superior e simplesmente perfeito do que as conclusões do governo chileno. Ao contrário do estudo em tempo real realizado no Chile, o ensaio clínico brasileiro teve um seguimento curto. Temos, portanto, números contraditórios entre o Chile e o Brasil. É muito cedo para dizer, mas é possível que a eficácia em tempo real da vacina Coronavac contra a morte no Brasil também não seja 100%, mas infelizmente um pouco mais baixa. No Chile, as pesquisas continuarão a verificar se essa eficácia será mantida ou não ao longo do tempo. Entretanto, em 19 de abril de 2021, a revista Veja Saúde relatou que a eficácia da vacina Coronavac no Brasil contra morte e casos graves estava entre 83,7% e 100%, e não mais 100%. Um estudo sobre mais de 12.000 pessoas deverá ser publicado em breve no The Lancet e mostrar uma eficácia real inferior a 100%.

Chile – copo meio cheio ou meio vazio

No Chile, a mídia conservadora, geralmente bastante próxima do governo de Sebastián Piñera (à direita), parece achar positivo o número de 80% para evitar mortes, se quisermos acreditar em um artigo na grande mídia de direita La Tercera ou El Mercurio. No entanto, perguntamo-nos se esse número não é muito baixo e não deveria encorajar o governo chileno a optar muito mais pela vacina Pfizer/BioNTech. É verdade que a vacina Coronavac utilizada no Chile mostrou 85% de eficácia na prevenção de internações e 89% na prevenção de internações em terapia intensiva. Não há dúvida de que a vacina funciona, mas o lado negativo parece ser que ela é 80% eficaz contra a morte, não 100% como se pensava anteriormente. Por exemplo, se um país que tem 500.000 mortes de Covid-19 (os Estados Unidos têm um pouco mais) tivesse iniciado a vacinação com Coronavac no início da pandemia, esse país não teria 500.000 mortes, mas 100.000 mortes. Esse número de 100.000 mortes no exemplo é provavelmente muito alto, especialmente se vacinas melhores como as vacinas RNA estiverem disponíveis. No momento, o Chile não pode publicar resultados sobre a eficácia da vacina Pfizer, por causa da população muito pequena que a utiliza, segundo o site do grande jornal chileno La Tercera.

Possível conclusão

Em vez de derrotar completamente o vírus SARS-CoV-2, provavelmente teremos que viver com ele por muitos anos, especialmente com todas essas variantes problemáticas. Pelo menos nos países que não têm a sorte de ter as duas vacinas do ARN disponíveis, como o Brasil.

Por Xavier Gruffat (farmacêutico suíço – ETH Zurique, MBA – São Paulo – Brasil). 20 de abril de 2021. Fonte: El Mercurio, AFP, RTS, La Tercera, Veja Sáude.
Este artigo foi publicado pela primeira vez em francês em nosso site Creapharma.ch.

Como não ganhar muito peso na menopausa?

Muitas mudanças ocorrem no corpo da mulher quando ela entra no período da menopausa. Este fenômeno fisiológico natural é, de fato, marcado por alterações hormonais, cujos efeitos tendem a afetar todo o organismo. Com a queda nos níveis de estrogênio e testosterona, se perde a massa muscular e se ganha gordura porque a capacidade do corpo de queimar calorias em repouso e durante o exercício é reduzida. Portanto, o ganho de peso é comum, além de outras manifestações, como ondas de calor, suores noturnos, alterações de humor, distúrbios geniturinários e distúrbios do sono. Também é possível que fatores genéticos iterfiram no ganho de peso, incluindo o acúmulo de gordura no abdômen. Considerando todas essas mudanças, como você pode evitar ganhar peso na menopausa? Aqui estão nossas dicas.

Faça mais exercícios

Na menopausa, manter o mesmo nível de exercício de antes pode não ser suficiente para manter um peso saudável. Seria uma boa ideia adicionar mais exercícios e torná-los uma rotina regular. Entre as atividades recomendadas estão exercícios aeróbicos moderados, como caminhada rápida. Tanto quanto possível, faça cerca de 2 horas e meia de caminhada rápida por semana. Você também pode se envolver em atividades aeróbicas mais vigorosas, como correr, andar de bicicleta ou nadar por cerca de 1 hora a 1 hora e 15 minutos por semana.

Monitore a alimentação

Os exercícios vão inevitavelmente de mãos dadas com uma boa higiene alimentar. Frutas, legumes, grãos inteiros e produtos não processados, e ricos em fibras, devem ser preferidos em sua dieta. Para se manter saudável, limite ou até mesmo evite o consumo de bebidas com açúcar e refrigerantes, bolos, doces, sorvetes, rosquinhas e álcool. Essas mudanças podem parecer um pouco opressivas no início, mas à medida que sentir os impactos positivos, você terá a coragem de continuar a monitorar de perto sua dieta. Além dos benefícios em manter um bom peso, os alimentos saudáveis ​​protegem você de muitos problemas de saúde, como hipertensão, doenças cardíacas, diabetes tipo 2 e câncer, incluindo câncer de mama, de cólon e de endométrio.

Adote um método de cozimento mais saudável

Para evitar consumir muita gordura e molhos, é aconselhável cozinhar de forma mais saudável. Não hesite em cozinhar os vegetais no vapor. O mesmo pode ser feito com os peixes, pois o cozimento em papel alumínio preserva nutrientes benéficos à saúde. Se tiver uma grelha, este utensílio permite o cozimento rápido e uniforme, mantendo o sabor e a qualidade nutricional dos alimentos.

Limite as saídas para restaurantes

Os cardápios dos restaurantes costumam oferecer uma variedade de tentações difíceis de resistir. Sempre que possível, tente compor seus próprios cardápios em casa para equilibrar sua dieta. Como mencionado acima, isso permitirá que você coma mais vegetais, frutas e peixes. Poderá evitar o consumo de pratos de alto teor calórico com muito pouco aporte nutricional, bem como sucos de fruta, sobremesas excessivamente açucaradas ou doces e pastéis de todos os tipos. Na mesma linha, aperitivos muito frequentes devem ser evitados tanto quanto possível para ingestão de menos álcool, bebidas açucaradas e outros alimentos menos saudáveis.

Beba líquido o suficiente

Manter um bom nível de hidratação ajuda a prevenir o ressecamento da pele e a drenar toxinas e resíduos metabólicos. Beba 1,5 a 2 litros de água por dia para maior eficácia. Além disso, a hidratação adequada ajuda a regular a temperatura do corpo e a lutar contra a retenção de água nas células. Para evitar beliscar comida, você pode beber água ou uma xícara de chá. Isso pode aliviar a fome e fazer você se sentir satisfeito por um tempo.

Abasteça-se de cálcio e proteínas

Para manter a massa muscular e prevenir o desgaste esquelético, a ingestão de proteínas e cálcio é essencial na menopausa. Certifique-se de incluir em sua dieta laticínios, que fornecem cálcio, e produtos como ovos, carnes magras, soja, favas, feijão e quinoa, que são ricos em proteínas. Além disso, vegetais e peixes têm poucas calorias, o que permitirá que você reduza a ingestão geral de calorias.

Consuma menos sal

O sal é um condimento muito popular graças à sua capacidade de realçar o sabor dos alimentos. Porém, promove ganho de peso, por aumentar o apetite e a retenção de água. Outros problemas de saúde, como hipertensão, também podem surgir com o excesso. O melhor é limitar seu uso. Não deixe o sal disponível na mesa e prefira especiarias e aromas para realçar o gosto e sabor dos pratos. Evite também alimentos ricos em sal, como refeições prontas, batatas fritas e outros alimentos industrializados. Também preste atenção no consumo de queijo, ele não deve ser abundante, nem consumido com muita regularidade.

Referências e Fontes:
Mayo Clinic

Pessoas responsáveis ​​e envolvidas na redação deste arquivo:
Seheno Harinjato (Editor na Creapharma.ch-Criasaude.com.br, responsável pelos infográficos), revisado em 21 de fevereiro de 2021 por Xavier Gruffat (farmacêutico)

Data da última atualização do arquivo:
21.02.2021

Créditos fotográficos:
Creapharma.ch, Adobe Stock, © 2020 Pixabay, Fotolia

Crédito infográficos:
Pharmanetis Sàrl (Creapharma.ch)

Plantas medicinais que podem ser cultivadas no seu jardim ou varanda

tomilho bronquiteSe você é um jardineiro experiente, você mesmo pode semear as sementes, na maior parte dos casos no outono ou primavera. Para os novatos, ou aqueles que não têm muito tempo, a maneira mais fácil é compra mudas de plantas em estabelecimentos especializados e então replantá-las no jardim ou em um vaso grande.
Cultivar plantas medicinais tem várias vantagens. Em primeiro lugar, o tratamento de doenças de baixa gravidade com plantas pode ser excelente para a saúde, o chá de hortelã-pimenta é reconhecido pela ciência devido a sua eficácia contra a síndrome do intestino irritável.
Além dos efeitos medicinais, o tratamento com plantas permite economizar, um xarope contra a tosse à base de tomilho frequentemente apresenta a mesma eficácia que os xaropes vendidos em farmácias que custam muito mais cara, geralmente.

Finalmente, a jardinagem pode ser um ótimo passatempo e uma boa maneira de lutar contra o estresse.

Organização do seu jardim de plantas medicinais
Algumas plantas medicinais, tal como discutido neste ebook, têm características diferentes, algumas precisam de muito sol, solo seco e arenoso; outras preferem
sombra, solo úmido e argiloso. Note que algumas plantas suportam condições mistas.
Devido às necessidades de cada planta, pode ser útil organizar as plantas em seu jardim utilizando alguns critérios, aqui estão algumas ideias:

Plantas que precisam de luz solar, solo arenoso, seco e bem drenado
Tomilho, alecrim, lavanda, sálvia, endro, arruda, manjerona, estragão.

Plantas que precisam de luz solar, um solo argiloso, ligeiramente ou pouco úmido
Boldo, hortelã, erva-cidreira (prefere sombra) e manjericão.

Observação: Evite plantar tomilho ao lado de orégano.

Plantas em vasos
Algumas plantas medicinais crescem muito bem em vasos, como manjericão, poejo, capim-limão, tomilho, hortelã-pimenta.

Hortelã-pimenta

Outros também crescem em jardineiras, mas muitas vezes requerem um pote grande como alecrim.

No caso de plantas em vasos, a água da rega deve ser capaz de secar. Verifique se o vaso está bem furado embaixo para que a água consiga fluir para um prato ou outro vaso. Atenção, não deixe água acumulada nos pratos dos vasos, esvazie sempre ou coloque areia. A água parada pode levar a proliferação do mosquito da dengue e de outras doenças.

Boas dicas para cultivar plantas em vasos (irrigação e adubação)
Em adição a uma rega regular (uma vez por dia no verão, é bom) para as plantas que necessitam de uma grande quantidade de água, é recomendável adicionar, uma vez por semana (no verão) ou a cada duas semanas (no resto do ano), fertilizantes de origem biológica (ou orgânico). Você pode encontrar estes fertilizantes em lojas especializadas na forma de líquido, pó, etc. Escolha fertilizante não tóxico (em geral claramente indicado na embalagem).

Update: 26.11.2020

Quer saber mais ? Ebook de Criasaude
50 plantas medicinais para serem cultivadas em seu jardim ou varanda

ebook-criasaude

Qual é a quantidade de açúcar adicionado que não deve ser excedida por dia?

WASHINGTON D.C. – Os açúcares adicionados estão presentes em muitos alimentos e, às vezes, em produtos que nem suspeitamos. Isso torna muito fácil o consumo em grandes quantidades, o que é prejudicial à saúde. Sabemos que o consumo excessivo de açúcares leva principalmente à obesidade, uma doença que aumenta o risco de diabetes tipo 2, doenças cardiovasculares como AVC ou infarto do coração, câncer e morte por Covid- 19 Aqui estão nossas dicas para te ajudar a manter uma alimentação balanceada todos os dias.

Açúcares adicionados

Vamos primeiro lembrar que chamamos de “açúcares adicionados” (em inglês: added sugars) todos os açúcares que são adicionados aos alimentos e bebidas pelo fabricante durante o processo industrial, pelo cozinheiro ou pelo consumidor. Os açúcares adicionados são, principalmente, sacarose (açúcar de mesa), glicose, lactose e frutose. Os açúcares adicionados podem ser encontrados em bebidas açucaradas (refrigerante, chá frio, cafés), molhos (ex. molho de tomate), iogurte, sobremesas, cereais matinais, doces, balas, etc.

qtq80-VaPaMd

A ingestão diária recomendada

A OMS recomenda uma dose máxima de 6 colheres de chá de açúcar por dia (1 colher de chá = cerca de 4 g). Esta quantidade corresponde a necessidade média de energia de um adulto cuja atividade é moderada. Na verdade, o açúcar, transformado em glicose durante a digestão, desempenha um papel de combustível para o bom funcionamento do organismo, especialmente o cérebro. É por esta razão que é essencial, mesmo que não seja o único a ocupar esse papel, já que outros nutrientes, como proteínas e lipídios, também fornecem energia para o corpo. Quanto mais energia gastamos, mais calorias o corpo precisa para suportar esses esforços. Em crianças, é aconselhável não exceder 3 colheres de chá por dia.

Note-se que, no início dos anos 2000 (já em 2002), a OMS recomendou uma ingestão diária de 50 g de açúcar. O objetivo não era exceder 10% da ingestão calórica diária de açúcar. Com as novas recomendações da OMS para consumir 25 g de açúcar por dia, o objetivo não é exceder 5% da ingestão diária de calorias.

Nos Estados Unidos, em setembro de 2020, um comitê federal (federal committe) de diretrizes dietéticas dos EUA composto por 20 médicos e acadêmicos recomendou que os americanos consumissem no máximo 6% de açúcares adicionados por dia, menos que os 10% recomendado nas diretrizes anteriores (2020)1.

Exceções: frutas e leite

A dose recomendada de 25g por dia de açúcar não inclui os açúcares contidos nos frutos se eles são consumidos por inteiro porque  os açúcares estão envolvidos da fibra, acreditam que esse açúcar não é prejudicial. Por outro lado, os sucos de frutas devem ser contados nestes 25 g. Os açúcares encontrados no leite como a lactose também são excluídos desta soma máxima de açúcar por dia de 25 g.

O que acontece em caso de excesso? 22 colheres de chá por dia!

Nos Estados Unidos, a Associação Americana do Coração (American Heart Association), que é uma instituição de referência em cardiologia, recomenda uma dose diária máxima de 24g (cerca de 6 colheres de chá) para mulheres e de 36g (cerca de 9 colheres de chá) para homens. No entanto, o consumo médio da população americana excede muito essa base e gira em torno de 88g (cerca de 80 g no Brasil), ou cerca de 22 colheres de chá por dia. Esse excesso é parcialmente explicado pelo fato de que o açúcar é encontrado em muitos alimentos, naturais, mas principalmente processados e industrializados. Portanto, torna-se muito fácil de consumir, às vezes sem se dar conta disso. Em geral, não são frutas e vegetais, mas é o açúcar adicionado ou açúcar livre que predomina neste consumo excessivo. Absorvido em grandes quantidades, o açúcar promove a produção e o acúmulo de gordura no organismo e pode ser a causa de obesidade, diabetes tipo 2 e outras doenças crônicas. No nível metabólico, se o açúcar não é transformado imediatamente em energia, ele se transforma em gordura, especialmente no fígado.

Por que os alimentos industriais contêm muito açúcar?

Existem várias razões para o uso significativo de açúcares em alimentos industriais. A melhoria da conservação, uma ação antimicrobiana (especialmente para carnes) e a correção do sabor dos alimentos são 3 elementos importantes para os industriais. Mas provavelmente o principal motivo é para fins de marketing, ou seja, fidelização do cliente. Como o açúcar é muito viciante, quanto mais alimentos contém açúcar, mais o consumidor será tentado a comprá-lo com freqüência, o que aumenta mecanicamente as vendas da indústria agroalimentar.

Como manter o equilíbrio na dieta?

Para manter uma dieta saudável, é melhor dar preferência à ingestão de alimentos de origem natural. O teor de fibra e água nesses alimentos ajuda a limitar a absorção de açúcar. Note, no entanto, que os sucos de frutas naturais não são recomendados, porque eles contêm muito açúcar, prefira o consumo de frutas inteiras (por exemplo, laranja, limão) ricas em fibras. Ao consumir alimentos industrializados ou processados, deve-se ter o cuidado de observar a quantidade de açúcar em cada alimento ou bebida. Atenção, o açúcar às vezes é escondido atrás de nomes desconhecidos como: xarope de agave, eritritol, mel, glicose, sacarose, frutose, lactose, etc. Estes nomes são frequentes. Estas são técnicas de comercialização utilizadas pela indústria agroalimentar para não usar o termo “açúcar”.
Além de alimentos naturais, açúcar de mesa ou sacarose e doces, outros produtos altamente consumidos, como sorvetes, bebidas, até mesmo suco natural de frutas como já vimos, iogurtes de frutas, conservas, pratos preparados como pizzas e molho de tomate, contêm açúcar e aumentam a quantidade consumida por dia.

Algumas dicas

Para reduzir o consumo de açúcar, aqui estão algumas dicas para adotar diariamente:
– Se possível, “não beba calorias”. Você deve absolutamente evitar refrigerantes e outras bebidas muito doces.
– Se você beber café, por exemplo, tente beber café sem açúcar. Pode ser estranho na primeira vez, mas depois você pode se acostumar. Se em vez de você beber 3 xícaras de café por dia com uma colher de açúcar, você beber uma xícara sem açúcar, a cada vez, já são alguns gramas de açúcar por dia a menos. Idem para os chás.
– Não adoce a salada de frutas, escolha frutas bastante maduras.
– Em vez de comprar bebidas engarrafadas de 1,5 litros, dê preferência a latas pequenas ou garrafas pequenas para diminuir o consumo de açúcar. Mas, como vimos, o ideal é não tomar refrigerantes ou outras bebidas muito doces, mesmo em pequenas quantidades.
– Para os iogurtes, em vez de comprar iogurtes com frutas prefira os iogurtes sem açúcar e sem outros aditivos (ex. mel ou baunilha), em seguida, adicione a fruta (ex. morango) ao pote.

22.11.2020 (update). Pela equipe editorial de Criasaude.com.br (supervisão científica: Xavier Gruffat, farmacêutico). Fontes: OMS, France 5, The Wall Street Journal.
Créditos fotográficos: Fotolia.com, Criasaude.com.br

Entrevista com um professor sobre gota, uma doença muito dolorosa

EXCLUSIVO NO SITE CRIASAUDE

Entrevista com um professor sobre gota, uma doença tão dolorosaWASHGINTON D.C.A gota é uma forma de artrite inflamatória muito dolorosa. Criasaude.com.br (e Creapharma.ch) pôde entrevistar o professor de medicina Herbert S. B. Baraf (foto) da George Washington University School of Medicine dos Estados Unidos, um especialista em gota que nos ajuda a entender melhor a doença e, em particular, os diferentes medicamentos disponíveis. Este professor americano, que foi homenageado em 2014 pelo American College of Rheumatology (ACR), nos explica, por exemplo, que a gota é na verdade duas desordens diferentes. 

Criasaude.com.br – Por que a gota é tão dolorosa?
Prof. Baraf – Não sei se posso lhe dar uma razão precisa, mas certamente é uma doença bastante dolorosa. A dor é o resultado de uma intensa reação inflamatória desencadeada pela excreção de cristais na articulação afetada. A articulação incha, fica vermelha e geralmente é extremamente sensível até mesmo ao menor contato. Quando uma crise de gota afeta os pés, geralmente o dedo grande do pé, que é onde geralmente ocorrem os primeiros ataques de artrite gotosa (ndlr. gota), a pressão dos lençóis ou mesmo de alguém andando na mesma sala pode causar um grande ataque de dor.

Para a dor causada pela gota durante a famosa crise, qual medicamento você prescreve ou recomenda mais?
Há três classes de medicamentos que podem ser úteis para uma pessoa que está sofrendo uma crise (ou ataque) de gota. A primeira é a colchicina, que é utilizada há mais de 200 anos. Os AINEs são a segunda classe de medicamentos, todos eles podem ser muito úteis (indometacina, celecoxib, ibuprofeno e naproxeno são bem conhecidos e frequentemente prescritos AINEs). Finalmente, os corticosteróides, em forma de comprimidos, injetados intramuscularmente ou diretamente na articulação inflamada, podem controlar um crise de gota.

O alopurinol ainda é a melhor droga para prevenir a gota ou você sugere outras drogas (moléculas)?
Acho útil pensar na gota como duas desordens ou condições. A primeira é a artrite e a segunda é um distúrbio metabólico que causa um aumento nos níveis de ácido úrico no sangue. Como o ácido úrico não é muito solúvel no sangue (não se dissolve facilmente) quando os níveis sanguíneos estão altos, os cristais de ácido úrico são depositados nas articulações onde se acumulam. Isto acontece silenciosamente durante meses e anos. O primeiro surto de artrite é o resultado deste acúmulo. Alopurinol é usado para ajudar a remover esses depósitos de cristais. O febuxostat é um segundo medicamento oral comumente usado para baixar o ácido úrico. Ambos são eficazes, especialmente quando o médico do paciente monitora ou controla o nível de ácido úrico no sangue, ajustando a dose do medicamento para baixar o valor o suficiente para permitir que os cristais se dissolvam para que possam ser excretados pelos rins na urina.

A gota é uma doença bem estudada e documentada, mas existe alguma nova informação interessante sobre a gota que tenha surgido nos últimos 3 anos?
Há sempre novas e interessantes informações sobre a gota. O tratamento mais recente, a pegloticase, foi introduzido há mais de 10 anos. É uma enzima que converte ácido úrico por contato em uma substância que é facilmente excretada na urina. É utilizado para pacientes com gota particularmente forte e é administrado por infusão intravenosa. A pegloticase, entretanto, frequentemente estimula o sistema imunológico de uma pessoa a produzir anticorpos. Esses anticorpos fazem com que o medicamento pare e podem até causar reações alérgicas ao medicamento. Metade dos pacientes tratados com pegloticase perdem sua resposta ao medicamento antes que ele tenha a chance de trabalhar. Sabemos que ao adicionar medicamentos que suprimem a resposta imunológica e a formação de anticorpos, o medicamento pode ser eficaz em uma proporção maior de pacientes tratados. Finalmente, há um novo medicamento, também uma enzima que ajuda a eliminar o ácido úrico, que está sendo estudado atualmente. Leia também sobre tratamentos para a gota

Quais são as principais razões (ou “culpados”) da gota, particularmente nos Estados Unidos?
O aumento do ácido úrico que provoca a gota pode ser devido a vários fatores. A genética tem um papel importante na forma como os rins eliminam o ácido úrico. Os medicamentos diuréticos dados a pacientes com doenças cardíacas e renais podem aumentar o nível de ácido úrico no sangue. Níveis elevados de ácido úrico são freqüentemente vistos em pessoas com excesso de peso ou diabéticas. À medida que nossa população envelhece, cada vez mais pessoas desenvolvem altos níveis de ácido úrico e depois gota.

Sabemos por que os homens são mais afetados do que as mulheres?
Os homens têm níveis mais altos de ácido úrico no sangue. Os hormônios femininos mantêm o ácido úrico mais baixo nas mulheres e protegem contra a gota. Na menopausa, os níveis de estrogênio diminuem nas mulheres e o ácido úrico sérico aumenta. As mulheres depois da menopausa começam a desenvolver a gota ao mesmo ritmo que os homens. É claro que os homens podem começar a desenvolver a gota na faixa dos 20 e 30 anos, o que é muito incomum para as mulheres e, como resultado, há muito mais homens do que mulheres com gota em geral.

Os atletas correm um risco maior de desenvolver gota do que os maratonistas (algumas fontes falam de um risco 5 vezes maior), sabemos por quê?
Eu nunca tinha visto esta associação antes. Não sei se é verdade e se é o caso, além de repetidos traumas nos pés, não tenho uma explicação para você.

Finalmente, além da medicação, que bom conselho você daria para evitar a gota?
Manter seu peso sob controle e evitar o consumo excessivo de álcool são os melhores conselhos. O aumento dos níveis de ácido úrico no sangue, entretanto, deve-se em grande parte a defeitos genéticos nos rins que alteram a forma como as pessoas eliminam o ácido úrico.

Descubra também o dossiê completo sobre gota do Criasaude.com.br

3 de novembro de 2020. A entrevista foi conduzida em inglês entre o final de outubro e o início de novembro de 2020 por Xavier Gruffat (farmacêutico) para Creapharma.ch. Creapharma.ch agradece ao Prof. Baraf pelo seu tempo. Veja a entrevista original em inglês aqui : Interview with an expert on gout, with Prof. Baraf Créditos das fotografias: Fotolia.com/Adobe Stock, Divulgaçõ (professor)

7 alimentos ricos em ferro

7 alimentos ricos em ferroO ferro é um dos elementos vestigiais mais essenciais para o corpo. Uma queda nos níveis de ferro pode reduzir tanto a capacidade física como intelectual. O seu papel principal é transportar oxigénio dos pulmões para os vários órgãos, mas também está envolvido na formação de glóbulos vermelhos. O ferro só está presente em pequenas quantidades no corpo, razão pela qual é essencial incluir alimentos ricos em ferro no menu. A falta de ferro também pode levar a anemia, especialmente a anemia por deficiência de ferro. O ferro é absorvido através do tubo digestivo, e pode vir em duas formas: ferro ferro hêmico como na carne e peixe ou marisco melhor absorvido do que o ferro não ferro hêmico como nos vegetais e produtos lácteos. Aqui estão 7 alimentos a serem preferidos para uma ingestão equilibrada de ferro. Se for vegetariano, vá directamente para o ponto 4.

Ferro hêmico (ferro facilmente absorvido pelo sistema gastrointestinal)

7 alimentos ricos em ferro1. Miudezas. Os alimentos mais ricos em ferro são miudezas, e mais especificamente pudim preto. Uma porção de 100 g de morcela preta contém até 22,8 mg de ferro, o que cobre as necessidades diárias de ferro de um adulto. Para prevenir a deficiência de ferro, é portanto aconselhável consumir morcela aproximadamente a cada quinze dias. Para aqueles que não gostam de morcela, há também rins de borrego, que contêm cerca de 12 g por 100 g. O fígado de vitela é também uma das miudezas mais ricas em ferro. Uma fatia de 100 g de fígado de vitela contém cerca de 7,9 mg de ferro.

2. Carne vermelha. Uma porção de 100 g de carne de vaca fornece ao corpo cerca de 4 mg de ferro. A carne de cavalo contém 5 mg de ferro, a mesma quantidade que a carne de cavalo. Se gosta de caça, deve escolher o veado, uma vez que contém cerca de 3 mg por 100 g.

Tenha cuidado, porém, com o consumo de ferro de carne vermelha. Um estudo realizado em 2017 pela Escola Médica Duke-NUS em Singapura mostrou que o consumo de carne e aves de capoeira aumentava o risco de diabetes (tipo 2). O ferro, na sua forma heme, que se encontra em quantidades significativas na carne e aves de capoeira, pode explicar em parte este risco acrescido de diabetes. Este estudo foi publicado a 22 de Agosto de 2017 no American Journal of Epidemiology.

3. Mariscos 
Os mariscos estão entre os alimentos mais ricos em ferro. De acordo com a agência nacional de segurança alimentar, 100 g de marisco contêm cerca de 15 mg de ferro. As amêijoas têm um elevado teor de ferro. 100 g de amêijoas, cerca de 13 unidades de tamanho médio, contêm 13 mg de ferro. Se preferir mexilhões, esteja ciente de que por cada 100 g de mexilhões, pode obter 5,47 g de ferro. Ostras, atum e camarão também são ricos em ferro. Estes mariscos e peixes, como a carne, contêm ferro heme, mas as plantas que contêm ferro não heme não contêm.

Ferro não hêmico (ferro menos facilmente absorvido pelo sistema gastrointestinal)

7 alimentos ricos em ferro4. Espinafres
Depois das miudezas, o alimento que fornece mais ferro ao corpo é o espinafre. Ao contrário de outros vegetais que devem ser consumidos crus para não perderem as suas propriedades nutricionais, recomenda-se a ingestão de espinafres cozidos. É quando é cozinhado que é mais rico em ferro. 100 g de espinafres cozidos contêm cerca de 15,7 g de ferro. Para aumentar a absorção de ferro de legumes como os espinafres, coma ao mesmo tempo alimentos ricos em vitamina C, como o tomate.

5. Cacau
Cacau é outro alimento rico em ferro. Em 100 g de cacau em pó, sem adição de açúcar, há 10,9 mg de ferro. Se gosta de chocolate, favorece aqueles que são ricos em cacau, eles são os mais ricos em ferro. Uma barra de 100 g de chocolate preto 70% contém 10,7 mg de ferro.

6. Leguminosas (por exemplo, feijões)
As leguminosas são ricas em ferro. Uma vez cozinhadas, as lentilhas secas contêm 8mg/100g, em comparação com 7mg por 100g para feijão branco. O feijão amarelo cru contém também 7 mg por 100 g.
É sempre preferível o ferro de legumes. O tofu também contém uma quantidade significativa de ferro.

7. Sementes de girassol
Algumas sementes como as sementes de girassol são também ricas em ferro. Em geral, 100 g desta semente podem conter entre 4,3 e 6,4 mg de ferro.

7 alimentos ricos em ferro

Bónus. Também é possível encontrar quantidades significativas de ferro em spirulina e ovo.

Actualizado a 23 de Outubro de 2020. Por Seheno Harinjato, da redacção de Creapharma.ch. Controlo científico: Xavier Gruffat (farmacêutico). Fontes (entre outras): Prevention (revista americana de saúde). Créditos das fotografias: Fotolia.com/Adobe Stock

10 alimentos anti-envelhecimento

SÃO PAULOExistem alimentos que contribuem para retardar o envelhecimento da pele. Estes produtos anti-envelhecimento naturais distinguem-se pelo seu conteúdo em fitonutrientes, minerais e vitaminas que ajudam a preservar a longevidade, ao mesmo tempo que contribuem para uma melhor saúde. Aqui está uma selecção de 10 alimentos que pode incluir nos seus menus e que são conhecidos pelos seus efeitos rejuvenescedores.

1. Couve
10 alimentos anti-envelhecimentoO repolho (couve) tem muitos benefícios para a saúde. Embora os brócolos sejam um alimento importante pelo seu conteúdo vitamínico e propriedades anti-cancerígenas, todas as variedades de couve contribuem para retardar os efeitos do tempo na pele. Da couve branca à couve vermelha e às couves de Bruxelas, estes alimentos são ricos em antioxidantes e ajudam eficazmente a combater as rugas. Um estudo publicado na revista Cancer BMC (DOI: 10.1186/1471-2407-14-591) mostra, além disso, que o isotiocianato de fenetil (PEITC) contido na couve tem um efeito anti-inflamatório e quimiopreventivo contra vários cancros como o cancro do cólon, próstata, mama, colo do útero, ovário ou pâncreas. Recomenda-se não cozer em demasia as couves para preservar todos os nutrientes benéficos para a saúde.

2. Alho
Conhecido pela sua capacidade de fortalecer o sistema imunitário e proteger contra certos tipos de cancro, o alho desempenha também um importante papel anti-envelhecimento. Graças ao seu conteúdo antioxidante, este alimento ajuda a combater os radicais livres, que são a causa do stress oxidativo.

3. Peixes gordos
Os peixes gordos como o salmão, cavala ou arenque devem ser preferidos numa dieta anti-envelhecimento. Além das proteínas, contêm ácidos gordos essenciais como o ómega-3 e participam na renovação das células cutâneas. São também excelentes fornecedores de antioxidantes e pode prepará-los com outros alimentos rejuvenescedores, tais como cenouras, para obter o máximo de benefícios.

4. Abacate
Ingrediente favorecido pela indústria cosmética, o abacate tem muitos benefícios para a saúde, particularmente para a beleza da pele e do cabelo. O seu conteúdo em vitaminas B, C e E torna-o um alimento essencial para retardar o envelhecimento prematuro da pele. As suas propriedades anti-inflamatórias provêm principalmente dos ácidos gordos mono-insaturados que contém, os quais contribuem eficazmente para nutrir a pele a partir do interior. Ao activar o colagénio, este alimento ajuda a hidratar, nutrir e suavizar a pele, o que protege contra o aparecimento de rugas. Pode comer directamente o abacate ou preparar uma máscara para aplicar sobre a pele.

5. Nozes
Para manter a sua pele jovem e saudável, as nozes são uma boa escolha. Este alimento é rico em vitamina E, selénio, zinco e ómega-3. Graças ao seu teor em ácidos gordos monoinsaturados e antioxidantes, ajuda a manter a elasticidade da pele e a proteger as células dos danos dos tecidos. Como aperitivos, sobremesas em bolos e tartes ou como recheio de uma salada, os frutos secos são bons para a pele, coração e cérebro. Além disso, um estudo publicado na revista The journal of nutrition, Health & Aging (DOI: 10.1007/s12603-018-1122-5) mostra que o elevado consumo de nozes a longo prazo ajuda a melhorar o desempenho cognitivo, especialmente nas pessoas idosas.

6. Tomate
Os tomates são uma excelente fonte de licopeno, um antioxidante que pertence à família dos carotenóides. Ajuda a reduzir o colesterol e protege a pele contra os radicais livres e o stress oxidativo, que causam o envelhecimento prematuro da pele. O seu conteúdo em vitaminas e oligoelementos torna-o um aliado saudável para ser consumido diariamente. O licopeno é amplamente utilizado em produtos cosméticos concebidos para reduzir as rugas e nutrir a pele. O licopeno tem a particularidade de ser libertado graças ao efeito do calor, pelo que a cozedura ajuda a aumentar o seu conteúdo.

7. Cenoura
Particularmente indicada para prevenir o envelhecimento da vista, a cenoura também tem muitos benefícios para a pele. O seu conteúdo de carotenóides, poderosos antioxidantes, luteína e zeaxantina, torna-o um alimento essencial para a saúde dos olhos e da pele. Além disso, as cenouras melhoram o tom da pele e têm um óptimo aspecto graças ao efeito do beta-caroteno. O consumo de sumo de cenoura é portanto recomendado para um bronzeado bem sucedido.

8. Chá verde
O chá verde tem propriedades desintoxicantes. Enquanto afasta as toxinas e reduz a gordura corporal, ajuda a hidratar a pele e a combater o envelhecimento cutâneo. Os minerais e os oligoelementos contidos no chá ajudam a manter a elasticidade da pele para preservar a sua juventude. Além disso, os flavonóides do chá ajudam a reduzir o risco de ossos frágeis.

9. Citrinos
Os citrinos são ricos em vitamina C, um nutriente que promove a síntese de colagénio. O elevado consumo de laranjas, grapefruits (toranjas) ou limões ajuda a reparar o tecido e a manter a elasticidade da pele.

10. Kiwi
Grande fornecedor de vitamina C, o kiwi tem propriedades antioxidantes. Este fruto protege assim contra o desenvolvimento de radicais livres, a fonte do envelhecimento prematuro da pele. Graças ao seu elevado teor de vitamina C, 100 g de kiwi fornece quase 75% da dose diária recomendada.

Redação:
Por Xavier Gruffat (farmacêutico)

Referências & Fontes :
The journal of nutrition, Health & aging, Cancer BMC

Fotos: 
Fotolia.com, Criasaude.com.br, Adobe Stock/© 2020 Pixabay

Última atualização:
12.10.2020

Veja este artigo também em francês, em nosso site Creapharma.ch

12 alimentos que previnem o câncer de mama

11 alimentos que previnem o câncer de mamaSÃO PAULOOutubro é o mês de luta mundial contra o câncer de mama, sendo, por isso, conhecido como “Outubro Rosa”. A idéia nasceu em 1990 nos Estados Unidos, em Nova York, e depois gradualmente se espalhou pelo mundo.
Cerca de 1 em cada 8 mulheres desenvolverá câncer de mama em sua vida, este é de longe o câncer mais comum nas mulheres. Felizmente, com o progresso da medicina, a doença é sempre melhor tratada com uma taxa de sobrevivência de 5 anos em 2020 nos Estados Unidos de cerca de 90%, segundo dados da American Cancer Society (ACS), esta taxa de sobrevivência é baseada em estatísticas de mulheres diagnosticadas com câncer de mama entre 2009 e 2015. Se o câncer for detectado em uma fase localizada, a taxa de sobrevivência de 5 anos atinge 99% nos Estados Unidos, novamente de acordo com a ACS. Em países mais pobres que os países de alta renda, como os Estados Unidos, Canadá ou Europa Ocidental, que são referidos como países de baixa ou média renda, a taxa média de sobrevivência de 5 anos é menor. As razões para isto são principalmente uma triagem deficiente e tardia demais.

A prevenção é uma etapa importante no combate ao câncer de mama. Embora nem todos os fatores que levem à progressão da doença sejam conhecidos, sabe-se que a alimentação desempenha um papel importante tanto na prevenção quanto na promoção da doença. Pensando nisso, o Criasaude criou uma lista de alimentos e hábitos alimentares que ajudam a prevenir o câncer de mama.

Salmão1. Peixes ricos em ômega-3 e ômega-6. Peixes como sardinha, salmão, truta, bacalhau e outros peixes de águas frias são ricas em ácidos graxos essenciais, os chamados ômega-3 e ômega-6. Esses componentes reduzem o mau colesterol (LDL) e elevam a taxa do colesterol bom (HDL), além de reduzirem também os triglicerídeos. O colesterol elevado é fator de risco para desenvolvimento do câncer de mama, além de causar outras doenças do sistema cardiovascular.

2. Cereais. Os cereais integrais como a aveia, linhaça, chia, quinoa, etc, são também ricos em ácidos graxos poli-insaturados que reduzem o LDL. Além disso, esses alimentos são excelente fonte de fibras que reduzem a absorção de gordura, ajudam a eliminar toxinas e melhoram o trânsito intestinal. O acúmulo de toxinas e radicais livres no corpo é um dos fatores associados ao dano celular que leva ao desenvolvimento do câncer.

3. Frutas vermelhas. Morango, amora, mirtilo (blueberry) e framboesa são excelente fonte de antioxidantes que eliminam os radicais livres do organismo. O acúmulo de radicais livres causa danos ao DNA das células, levando a mutações que provocam o câncer. O consumo diário de frutas vermelhas é recomendado pela Organização Mundial da Saúde.

4. Cenoura. De acordo com uma pesquisa da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, mulheres que consumiram cenoura constantemente reduziram o risco de desenvolvimento de câncer de mama em até 17%. A cenoura é rica em beta-caroteno e precursores da vitamina A, esses nutrientes agem como antioxidantes e protegem o DNA da célula contra lesões que causam o câncer.

5. Brócolis. Esse vegetal é rico em sulforafano, componente que elimina carcinógenos do organismo. Além de prevenir o câncer de mama, o brócolis também é indicado na prevenção de diversos outros cânceres. Além disso, o vegetal é rico em vitaminas, minerais, fibras e tem baixas calorias.

6. Cogumelos. De acordo com um estudo publicado em 2010 na revista científica Nutrition and Cancer, o consumo de cogumelos está associado a menor taxa de desenvolvimento de câncer de mama em mulheres na pré-menopausa. O efeito é associado à presença do antioxidante L-ergotioneína que garante proteção contra o câncer.

Romã7. Romã. Segundo pesquisadores do Beckman Research Institute, nos Estados Unidos, as sementes da romã são ricas em ácido elágico. Esse componente parece inibir enzimas que desempenham papel na geração do câncer de mama. Além disso, a romã é rica em anti-oxidante e flavonoides.

8. Feijão e lentilha. Um estudo feito com mulheres americanas de ascendência asiática mostrou que o consumo de lentilhas e feijão reduz o desenvolvimento de câncer de mama. Essas leguminosas são ricas em folato, fibras, ferro e outros nutrientes que ajudam a manter a saúde das células.

9. Espinafre. Mulheres na pré-menopausa que consomem espinafre regularmente têm menos incidência de câncer de mama, de acordo com o estudo publicado no American Journal of Epidemiology, em 2011. O efeito protetor é associado ao folato e à presença de vitamina B.

10. Ovos. Esse alimento barato é rico em colina, e é associado a 24% de redução de câncer de mama de acordo com um estudo feito em mais de 3000 mulheres. A colina também pode ser encontrada em peixes, frango, carnes, trigo e no brócolis.

Carpaccio de tomate-ananas11. Tomate. Um estudo americano publicado no início de 2014 mostrou que a adoção de uma dieta rica em tomates, com o consumo de pelo menos 25 mg por dia de licopeno (uma substância presente no tomate), por mulheres na pós-menopausa reduz o risco de câncer de mama, devido ao aumento da concentração de adiponectina. Este hormônio está associado com a diminuição do risco de câncer de mama, de acordo com estudos anteriores. O estudo americano foi realizado pelo The Ohio State University Comprehensive Cancer Center, nos Estados Unidos, e analisou 70 mulheres na pós-menopausa. Todas elas apresentavam um risco de câncer de mama, como casos de câncer na família ou obesidade.

12. Azeite de oliva. Um estudo espanhol publicado em 2015 mostrou que uma dieta mediterrânica com um consumo diário de 4 colheres de sopa de azeite de oliva é eficaz na redução do risco de câncer de mama. Leia mais nas observações abaixo.

É sempre importante que além de ter uma dieta balanceada, a pratica de atividades físicas é benéfica e comprovada na redução do risco de câncer.

Artigo atualizado em 12.10.2020 por Xavier Gruffat. Fotos: Fotolia.com – Creapharma.ch. Fontes: mencionadas no artigo (por exemplo, American Cancer Society).

Leia também: 6 recomendações radicais de nutrição para prevenir o câncer12 dicas para combater, prevenir e lidar com o câncer de mama