Crise de gota, entrevista com o médico Dr. Alexander Dumusc

Publicidade

LAUSANNEO Criasaude teve a oportunidade de entrevistar, em fevereiro 2015, o Dr. Alexander Dumusc, diretor clínico adjunto do serviço de reumatologia do hospital ortopédico do Centro Hospitalar Universitário Vaudois (CHUV) em Lausanne, Suíça. O CHUV é um hospital com uma ótima reputação internacional.

Crise de gota, entrevista com o médico Dr. Alexander Dumusc

Criasaude – A maioria dos pacientes se queixam de dor terrível no momento da gota, qual(is) medicamento(s) você prescreve para aliviar a dor?

Dr Dumusc – Uma crise de gota é realmente muito dolorosa. Existem vários possíveis tratamentos para uma crise de gota. A escolha do tratamento depende das outras doenças que o paciente sofre. Os tratamentos mais utilizados são os anti-inflamatórios não-esteroidais (naproxeno, indometacina, diclofenaco, ibuprofeno, …). Outros medicamentos utilizados são a colchicina ou cortisona. Em casos muito especiais, tratamentos biológicos (anti IL-1) às vezes são usados em centros de referência.

O medicamento mais prescrito no mundo inteiro para prevenir a ocorrência de crises de gota é o alopurinol, você da preferência a este tratamento ou usa outra terapia medicamentosa?

Em 2015, o alopurinol continua a ser o tratamento de escolha para a prevenção de crises agudas de gota em pacientes que sofrem de níveis de ácido úrico muito elevado. Outros tratamentos, como febuxostato são muitas vezes utilizados para os pacientes resistentes.

Em relação ao alopurinol, os estudos têm mostrado que muitas pessoas que sofrem de gota não tomam ou deixaram de tomar os medicamentos, apesar de uma prescrição do médico. É verdade que o alopurinol é muitas vezes um tratamento contínuo ao longo da vida e precisa de alguma disciplina. Como aumentar a adesão terapêutica (compliance em inglês) do alopurinol entre a população? Sabemos também que a baixa adesão pode sobrecarregar desnecessariamente os serviços de emergência, qual é a sua opinião?

A adesão terapêutica é um grande problema no caso da gota, que é uma doença crónica, principalmente no uso do alopurinol. De fato, os pacientes muitas vezes sofrem de várias outras doenças e devem tomar muitos medicamentos, o que reduz a aderência terapêutica. É importante lembrar que a interrupção abrupta do tratamento com alopurinol pode desencadear uma crise de gota.

A educação do paciente a respeito da doença é essencial. Se o paciente compreende o conceito de tratamento de prevenção das crises de gota e do tratamento da crise em si, é um ganho em autonomia e a aderência terapêutica aumenta.

Você tem alguns bons conselhos práticos de prevenção para os pacientes que sofrem regularmente de crises de gota?

Para os pacientes que sofrem de crises de gota regularmente é recomendada uma consulta com um reumatologista. Este especialista irá avaliar a possível indicação para iniciar um tratamento preventivo para crises de gota ou adaptá-lo. Ele também pode adaptar o tratamento habitual do paciente tentando remover alguns medicamentos que favorecem as crises de gota.

O paciente pode agir em sua própria alimentação para reduzir o risco de crises de gota. É recomendado consumir bebidas sem açúcar (sem frutose) e sem álcool (especialmente cerveja e destilados), além de se hidratar o suficiente. Evite comer carne, aves (especialmente a pele), vísceras, peixes e frutos do mar. Os produtos lácteos têm um efeito favorável contra as crises, reduzindo os níveis de ácido úrico no sangue.

Nós sabemos que os homens são mais afetados do que as mulheres pela gota. No entanto, é possível observar, como certos estudos internacionais têm apontado um aumento no número de mulheres afetadas pela gota nos últimos anos?

Na verdade a gota afeta majoritariamente os homens. Na prática clínica, não vejo um claro aumento do número de mulheres com gota, mas esta situação não é rara, especialmente em hospitais.

Os medicamentos atualmente comercializados agem principalmente sobre os sintomas, ou quando é utilizado para a prevenção deve ser usado quase por toda a vida. Será que um dia poderemos descobrir um medicamento capaz de curar definitivamente a gota?

A gota é favorecida por fatores ambientais (diabetes, obesidade, medicamentos, …) e genéticas (mutações de genes relacionados com o metabolismo do ácido úrico). É apenas uma consequência de níveis muito elevados de ácido úrico e sua cristalização. Podemos trabalhar na redução dos níveis de ácido úrico no sangue ou diminuindo sua produção, tanto promovendo a sua eliminação como tratando a crise de forma tão eficiente quanto possível em casos de cristalização (crise). A cura definitiva para a gota não é esperada por agora.

17.05.2015. Por Xavier Gruffat (Criasaude).

 Clique aqui para se inscrever na nossa newsletter especial sobre a gota!

Publicidade

Esta informação foi útil?

Observação da redação: este artigo foi modificado em 02.11.2017

 

Inscrever-se na nossa newsletter (de graça)

 

Ler também: