5 informações essenciais sobre o infarto cardíaco em mulheres


Diferenças entre homens e mulheres do ponto de vista médico
5 informações essenciais sobre o infarto cardíaco em mulheresNOVA YORK O número de infarto do coração, também chamado de ataque cardíaco, em mulheres vem aumentando nos últimos anos, principalmente devido a uma deterioração do estilo de vida (má alimentação, tabagismo, sedentarismo). Um estudo de fevereiro de 2019 realizado pelo American College of Cardiology (ACC) mostrou que há um aumento na incidência de ataques cardíacos agudos entre mulheres jovens nos Estados Unidos. O infarto do coração é uma das principais doenças cardíacas, responsável por muitas mortes em todo o mundo. As mulheres jovens às vezes estão entre as vítimas. Um estudo de 2017 também conduzido pela ACC mostrou que as mulheres tinham duas vezes mais chances do que os homens de morrer dentro de 30 dias após um infarto do coração.

Aqui estão 5 informações essenciais sobre as mulheres para identificar melhor e prevenir esta doença.

11 alimentos para reduzir o colesterol alto1. O coração da mulher é diferente. Ao nível anatómico e fisiológico, o coração das mulheres é diferente do que o dos homens. Sabemos que o ritmo cardíaco é 10% mais rápido nas mulheres do que nos homens, ou seja, entre 60 e 80 batimentos por minuto em mulheres e 55-70 em homens, por isso, o coração se cansa mais rápido. Além disso, como o diâmetro das artérias coronárias é 15% mais estreito em mulheres do que em homens, o risco de entupimento das artérias é mais elevado nas mulheres. A mulher deve ser ainda mais vigilante sobre o colesterol, uma fonte frequente de obstrução. Podemos dizer que o coração da mulher é mais frágil do que o do homem.

2. Os sintomas pouco específicos e diferentes do homem. Muitas vezes escutamos que uma dor violenta e intensa no peito que irradia para o braço e ombro esquerdo é um sinal típico de ataque cardíaco. Isso é verdade para a maioria dos homens, mas a mulher frequentemente apresenta sintomas pouco específicos, longe dos sintomas que tipicamente aparecem nos homem. Os médicos e cuidadores são frequentemente treinados para detectar e identificar esses sintomas masculinos, consequentemente as mulheres passam muitas vezes por estes radares. Não é raro que os médicos de emergência ou outros profissionais de saúde percam o diagnóstico de infarto do coração em mulheres, conforme publicado no The Wall Street Journal em fevereiro de 2019.

Sintomas vagos
Nas mulheres, os sintomas de infarto do coração são em 70% dos casos pouco marcados em intensidade e se manifestam, por exemplo, na forma de dor nas costas, distúrbios do sono, distúrbios graves da respiração por falta de ar (um sintoma frequente), dor no pescoço e mandíbula, fadiga, dores musculares, sudorese fria, azia ou náuseas e vômitos. A pele pode mudar de cor e ficar cinza. Estes sintomas não específicos que se assemelham a um ataque de ansiedade são (muito) frequentemente confundidos com outras doenças.

Urgência absoluta
Como o infarto é conhecido por ser uma emergência médica absoluta, cada minuto conta para salvar a vida do paciente, então as mulheres correm um risco maior do que os homens neste momento crucial. De acordo com um estudo inglês, as mulheres levam em média 12,5 minutos a mais do que os homens para chegar em um pronto socorro após um infarto do coração.
De acordo com um estudo publicado em 2018, as mulheres esperam cerca de 37 minutos a mais do que os homens antes de entrar em contato com os serviços médicos. Este último estudo foi publicado em 11 de dezembro de 2018 na revista científica European Heart Journal: Acute Cardiovascular Care (DOI: 10.1177 / 2048872618810410). De acordo com um artigo do Wall Street Journal em fevereiro de 2019, as mulheres nos Estados Unidos levam em média de 30 minutos a mais do que os homens para chegar ao hospital.
Uma vez na sala de emergência, o médico pode realizar vários procedimentos para salvar a vida do paciente, como limpar as artérias para remover um coágulo ou a inserção de um stent.

3. Os sintomas podem aparecer meses antes da crise. Nas mulheres, os primeiros sintomas ou sinais de infarto do miocárdio podem ocorrer vários meses antes da crise. De acordo com estudos, a maioria das mulheres se queixa de sintomas significativos de até 12 meses antes do ataque cardíaco. Estes sintomas são frequentemente fadiga (incomum), distúrbios do sono e dificuldade para respirar. Outros sintomas podem estar presentes, como formigamento nos braços, dor, ansiedade ou distúrbios digestivos.

4. O sedentarismo, um fator de risco importante. Um estudo australiano publicado em maio 2014 mostrou que o principal fator de risco que afeta coração das mulheres é a falta de exercício, pelo menos em mulheres com mais de 30 anos. Antes dessa idade, o tabagismo é o principal risco. De acordo com a Associação Americana do Coração (American Heart Association), uma mulher deve fazer 20 minutos de exercício por dia, como caminhar, correr ou exercícios de aptidão muscular como.

5. O check-up completo é essencial. Alguns testes cardíacos muitas vezes realizados, como angiografia, nem sempre detectam o risco de ataque cardíaco ou doença cardíaca, especialmente entre as mulheres. É importante visitar um cardiologista ou médico com amplo conhecimento do risco cardíaco em mulheres. Ao realizar alguns testes de sangue além dos testes cardíacos tradicionais, o médico pode identificar proteínas e enzimas específicas de desordens do músculo do coração. Em caso de sintomas não usuais (por ex. fadiga) sem causa aparente, por favor, vá a um cardiologista realizar um check-up completo.
Um estudo publicado em fevereiro de 2019 não surpreende na mesma direção. De fato, as mulheres que passaram menos tempo sentadas ou deitadas, gastando menos tempo com comportamento sedentário, tiveram um risco significativamente reduzido de doença cardíaca. Este estudo foi publicado na edição de fevereiro de 2019 da revista Circulation (DOI: 10.1161 / CIRCULATIONAHA.118.035312). Os pesquisadores estudaram mais de 5.000 mulheres do estudo OPACH que não tiveram ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral antes do início do estudo. Em detalhe, cada hora/dia adicional sem estar sentada foi associado com um risco 12% menor de doença cardiovascular e um risco 26% menor de doença cardíaca em mulheres com idade entre 63-97.

Finalmente, note que a mulher tem fatores de risco específicos (que não são encontradas nos homens), muitas vezes ligados aos hormônios sexuais, como a menopausa, gravidez ou após o câncer de mama. O acompanhamento médico regular irá ajudá-la a reduzir seu risco cardíaco com base na sua situação pessoal.

Update: 20.04.2019 – Fontes: Circulation (DOI: 10.1161 / CIRCULATIONAHA.118.035312), The Wall Street Journal
Fotos: Fotolia.com


Observação da redação: este artigo foi modificado em 19.04.2019

 

Inscrever-se na nossa newsletter (de graça)

 

Ler também: