Entrevista com um professor sobre gota, uma doença muito dolorosa

Publicidade

EXCLUSIVO NO SITE CRIASAUDE

Entrevista com um professor sobre gota, uma doença tão dolorosaWASHGINTON D.C.A gota é uma forma de artrite inflamatória muito dolorosa. Criasaude.com.br (e Creapharma.ch) pôde entrevistar o professor de medicina Herbert S. B. Baraf (foto) da George Washington University School of Medicine dos Estados Unidos, um especialista em gota que nos ajuda a entender melhor a doença e, em particular, os diferentes medicamentos disponíveis. Este professor americano, que foi homenageado em 2014 pelo American College of Rheumatology (ACR), nos explica, por exemplo, que a gota é na verdade duas desordens diferentes. 

Criasaude.com.br – Por que a gota é tão dolorosa?
Prof. Baraf – Não sei se posso lhe dar uma razão precisa, mas certamente é uma doença bastante dolorosa. A dor é o resultado de uma intensa reação inflamatória desencadeada pela excreção de cristais na articulação afetada. A articulação incha, fica vermelha e geralmente é extremamente sensível até mesmo ao menor contato. Quando uma crise de gota afeta os pés, geralmente o dedo grande do pé, que é onde geralmente ocorrem os primeiros ataques de artrite gotosa (ndlr. gota), a pressão dos lençóis ou mesmo de alguém andando na mesma sala pode causar um grande ataque de dor.

Para a dor causada pela gota durante a famosa crise, qual medicamento você prescreve ou recomenda mais?
Há três classes de medicamentos que podem ser úteis para uma pessoa que está sofrendo uma crise (ou ataque) de gota. A primeira é a colchicina, que é utilizada há mais de 200 anos. Os AINEs são a segunda classe de medicamentos, todos eles podem ser muito úteis (indometacina, celecoxib, ibuprofeno e naproxeno são bem conhecidos e frequentemente prescritos AINEs). Finalmente, os corticosteróides, em forma de comprimidos, injetados intramuscularmente ou diretamente na articulação inflamada, podem controlar um crise de gota.

O alopurinol ainda é a melhor droga para prevenir a gota ou você sugere outras drogas (moléculas)?
Acho útil pensar na gota como duas desordens ou condições. A primeira é a artrite e a segunda é um distúrbio metabólico que causa um aumento nos níveis de ácido úrico no sangue. Como o ácido úrico não é muito solúvel no sangue (não se dissolve facilmente) quando os níveis sanguíneos estão altos, os cristais de ácido úrico são depositados nas articulações onde se acumulam. Isto acontece silenciosamente durante meses e anos. O primeiro surto de artrite é o resultado deste acúmulo. Alopurinol é usado para ajudar a remover esses depósitos de cristais. O febuxostat é um segundo medicamento oral comumente usado para baixar o ácido úrico. Ambos são eficazes, especialmente quando o médico do paciente monitora ou controla o nível de ácido úrico no sangue, ajustando a dose do medicamento para baixar o valor o suficiente para permitir que os cristais se dissolvam para que possam ser excretados pelos rins na urina.

A gota é uma doença bem estudada e documentada, mas existe alguma nova informação interessante sobre a gota que tenha surgido nos últimos 3 anos?
Há sempre novas e interessantes informações sobre a gota. O tratamento mais recente, a pegloticase, foi introduzido há mais de 10 anos. É uma enzima que converte ácido úrico por contato em uma substância que é facilmente excretada na urina. É utilizado para pacientes com gota particularmente forte e é administrado por infusão intravenosa. A pegloticase, entretanto, frequentemente estimula o sistema imunológico de uma pessoa a produzir anticorpos. Esses anticorpos fazem com que o medicamento pare e podem até causar reações alérgicas ao medicamento. Metade dos pacientes tratados com pegloticase perdem sua resposta ao medicamento antes que ele tenha a chance de trabalhar. Sabemos que ao adicionar medicamentos que suprimem a resposta imunológica e a formação de anticorpos, o medicamento pode ser eficaz em uma proporção maior de pacientes tratados. Finalmente, há um novo medicamento, também uma enzima que ajuda a eliminar o ácido úrico, que está sendo estudado atualmente. Leia também sobre tratamentos para a gota

Quais são as principais razões (ou “culpados”) da gota, particularmente nos Estados Unidos?
O aumento do ácido úrico que provoca a gota pode ser devido a vários fatores. A genética tem um papel importante na forma como os rins eliminam o ácido úrico. Os medicamentos diuréticos dados a pacientes com doenças cardíacas e renais podem aumentar o nível de ácido úrico no sangue. Níveis elevados de ácido úrico são freqüentemente vistos em pessoas com excesso de peso ou diabéticas. À medida que nossa população envelhece, cada vez mais pessoas desenvolvem altos níveis de ácido úrico e depois gota.

Sabemos por que os homens são mais afetados do que as mulheres?
Os homens têm níveis mais altos de ácido úrico no sangue. Os hormônios femininos mantêm o ácido úrico mais baixo nas mulheres e protegem contra a gota. Na menopausa, os níveis de estrogênio diminuem nas mulheres e o ácido úrico sérico aumenta. As mulheres depois da menopausa começam a desenvolver a gota ao mesmo ritmo que os homens. É claro que os homens podem começar a desenvolver a gota na faixa dos 20 e 30 anos, o que é muito incomum para as mulheres e, como resultado, há muito mais homens do que mulheres com gota em geral.

Os atletas correm um risco maior de desenvolver gota do que os maratonistas (algumas fontes falam de um risco 5 vezes maior), sabemos por quê?
Eu nunca tinha visto esta associação antes. Não sei se é verdade e se é o caso, além de repetidos traumas nos pés, não tenho uma explicação para você.

Finalmente, além da medicação, que bom conselho você daria para evitar a gota?
Manter seu peso sob controle e evitar o consumo excessivo de álcool são os melhores conselhos. O aumento dos níveis de ácido úrico no sangue, entretanto, deve-se em grande parte a defeitos genéticos nos rins que alteram a forma como as pessoas eliminam o ácido úrico.

Descubra também o dossiê completo sobre gota do Criasaude.com.br

3 de novembro de 2020. A entrevista foi conduzida em inglês entre o final de outubro e o início de novembro de 2020 por Xavier Gruffat (farmacêutico) para Creapharma.ch. Creapharma.ch agradece ao Prof. Baraf pelo seu tempo. Veja a entrevista original em inglês aqui : Interview with an expert on gout, with Prof. Baraf Créditos das fotografias: Fotolia.com/Adobe Stock, Divulgaçõ (professor)

Publicidade

Esta informação foi útil?

Observação da redação: este artigo foi modificado em 03.11.2020

Inscrever-se na nossa newsletter (de graça)

 

Ler também: