Mito médico: não é necessário esperar para banhar-se depois de comer

PUBLICIDADE

Muitos pais e proíbem seus filhos de nadar logo após a refeição. Esperar cerca de 1 a 2 horas para retornar à água. Por que? O risco de hidrocussão, cólicas estomacais ou cãibras musculares seria maior logo após a refeição. Mas esta recomendação é cientificamente comprovada?

Hidrocussão e digestão
A hidrocussão é a perda de consciência causada pelo contato muito abrupto com a água. Pode causar afogamento, mas não há ligação direta entre esse acontecimento e a digestão. De fato, quando está quente, o corpo tenta equilibrar a temperatura do corpo evacuando o calor. Nesse processo, os vasos sanguíneos se dilatam e a frequência cardíaca fica mais rápida. Se o corpo entrar em contato direto com a água a menos de 18°C para adultos ou menos de 20°C para crianças, as artérias se contraem repentinamente, diminuindo o fluxo de sangue. Naturalmente, a frequência cardíaca diminuirá, a pessoa terá problemas respiratórios e haverá menos oxigênio no cérebro. Isso causa a perda de consciência e este mal-estar pode levar ao afogamento.

PUBLICIDADE

As crianças, idosos e pessoas que já têm um problema cardíaco fazem parte da população em risco no caso de um choque térmico. Embora tenha sido provado que durante a digestão, a temperatura corporal aumenta ligeiramente, assim como o fluxo sanguíneo, isso não justifica um maior risco de afogamento. É especialmente a exposição prolongada ao sol e o consumo excessivo de álcool que deve ser evitado. Um estudo da Pediatrics, publicado em 1989, examinou quase 100 adolescentes que se afogaram em Washington e descobriram que 25% haviam sido intoxicados. Um ano depois, um estudo de centenas de mortes por afogamento em adultos na Califórnia revelou que 41% estavam relacionadas ao álcool. Além disso, o pico do calor do dia geralmente ocorre durante as horas perto do almoço, o que pode aumentar o risco de exposição ao sol. Assim, é aconselhável evitar sistematicamente um primeiro contato abrupto com a água, é melhor molhar o corpo gradualmente.

Câimbras e digestão

A câimbra que ocorre na água, também conhecida como “câimbra do nadador”, se manifesta por uma contração dolorosa dos músculos. Geralmente, ocorre de forma súbita quando o corpo está passando por um estresse muito intenso e prolongado e quando há uma queda na irrigação de certas partes do corpo, em caso de frio ou desidratação. São os membros inferiores, como os pés e as coxas, que são os mais afetados. Quanto à digestão, nenhum estudo científico mostrou até agora que causa câimbras. Entre as hipóteses colocadas sobre esse assunto, está a que considera a digestão como perigosa, na medida em que consome energia. De fato, a natação também consome energia, o que resultará na redução do volume de sangue oxigenado por causa desses dois esforços simultâneos. Mas as estatísticas mostram que, entre as causas de morte após o afogamento, os riscos ligados à digestão permanecem menores ou até mesmo insignificantes. Apesar disso, o bom senso recomenda prestar atenção e é sempre aconselhável aquecer um pouco, por cinco minutos, antes de mergulhar na água, hidratar-se bem antes e depois de nadar e, especialmente, dosar bem os esforços.

PUBLICIDADE

Em caso de câimbras, mantenha a calma e se deixe levar pela água até chegar à borda. Em princípio, a câimbra desaparece sozinha. Para os pais, certifique-se de que as crianças não se afastem demais ou permaneçam desacompanhadas.

09 de agosto de 2019.

PUBLICIDADE

Observação da redação: este artigo foi modificado em 20.08.2019

 

Inscrever-se na nossa newsletter (de graça)

 

Ler também: