Publicidade

Azeite de oliva: um aliado da saúde para viver mais

BOSTONO uso regular de azeite de oliva na dieta pode ajudar as pessoas a viver mais tempo, segundo um grande estudo de Harvard. Ele também pode ser usada diariamente para substituir produtos que contenham gorduras animais, como a manteiga ou a maionese, a fim de melhor se beneficiar de sua ação de proteção.

Vida mais longa

Uma pesquisa feita por uma equipe da Harvard T.H. Chan School of Public Health, publicada em 10 de janeiro de 2022 no Journal of the American College of Cardiology (DOI: 10.1016/j.jacc.2021.10.041), mostrou que adicionar um pouco de azeite de oliva à dieta pode ajudar as pessoas a viver mais tempo. Após um acompanhamento de mais de 90.000 homens e mulheres por 28 anos, os pesquisadores constataram que as pessoas que consumiam regularmente azeite de oliva, em média mais de meia colher de sopa por dia, ou cerca de 7 gramas, tinham um risco de morte menor, com uma redução de 19%.

Menos risco de morte por doenças cardíacas e câncer

O azeite de oliva é uma parte essencial da dieta mediterrânea e contribui significativamente para a prevenção de doenças cardíacas e de derrames. Assim, esse aumento da expectativa de vida pode ser explicado por um coração mais saudável. Os resultados do estudo mostraram uma redução de 19% no risco de doenças cardiovasculares. Além disso, graças ao seu teor de gordura monoinsaturada, o azeite de oliva ajuda a reduzir o colesterol total e as lipoproteínas de densidade LDL ou o colesterol “ruim”. Do mesmo modo, o risco de morte por câncer foi reduzido em 17% e de doenças respiratórias em 18%.

Menor risco de morrer de distúrbios cerebrais

O azeite de oliva também tem efeitos benéficos para o cérebro. O estudo mostrou uma redução de 29% no risco de morte por doença neurodegenerativa. Outros estudos, como o publicado em 2017 na Wiley Online Library (DOI: 10.1002/acn3.431), que foi realizado em ratos, confirmam esse efeito benéfico do azeite de oliva sobre a cognição. De fato, os resultados revelaram uma incidência reduzida do mal de Alzheimer e uma diminuição significativa dos níveis de depósito de peptídeo amilóide (Aβo) no cérebro.

Referências e fontes:
Journal of the American College of Cardiology (DOI : 10.1016/j.jacc.2021.10.041), Wiley Online Library, Mayo Clinic.

Pessoas responsáveis e envolvidas na redação desse dossiê:
Seheno Harinjato (editor do Creapharma.ch, responsável pela infografia), redação do Creapharma.ch. Supervisão e finalização: Xavier Gruffat (farmacêutico).

Data da última atualização do arquivo:
13.05.2022

Créditos das fotos:
Creapharma.ch, Adobe Stock, © 2022 Pixabay. Image d’illustration.

Esta informação foi útil?

Observação da redação: este artigo foi modificado em 13.05.2022

Publicidade