Publicidade

Home » Doenças » Coronavírus (Covid-19) » Sintomas Covid-19

Sintomas Covid-19

Os sintomas da Covid-19 são numerosos. É importante notar que alguns pacientes infectados pela SARS-CoV-2, o vírus que causa a Covid-19, podem ser portadores da doença, mas podem não ter sintomas (leia mais no final deste arquivo). Em caso de sintomas típicos da Covid-19, tem que fazer o teste (PCR).

Publicidade

Os 6 sintomas mais comuns (mais informações também em Observações abaixo) – Ver também o parágrafo logo abaixo específico da variante do Delta:
Tosse (principalmente tosse seca, ou seja, com pouco muco, mas uma tosse com expectoração também é possível no caso da Covid-19, especialmente depois de alguns dias) – este é um dos sintomas mais frequentes
Febre ou calafrios – este é um dos sintomas mais comuns
– Falha respiratória, falta de ar. Falha respiratória, ou dificuldade de respiração, é mais comum em casos graves de Covid-19
– Dor no peito
Dor de garganta (às vezes o excesso de muco irrita a garganta)
– Perda repentina do olfato ou do gosto. Estes dois sintomas são típicos do Covid-19 mas bem menos da variante Delta.

Sintomas específicos da variante Delta:
Parece que a variante Delta (originalmente identificada na Índia) que está se tornando cada vez mais dominante em muitos países leva a sintomas um pouco diferentes de outras variantes ou da estirpe original do SARS-CoV-2.
Os sintomas da variante Delta parecem ser mais semelhantes aos sinais de um resfriado clássico ou febre do feno 1 com pouca febre ou anosmia (perda do olfato) mas mais dor de cabeça, nariz escorrendo (rinite) ou dor de garganta.

Os 7 sintomas seguintes são menos comuns, mas também podem ocorrer com a Covid-19 (mais informações também nas Notas abaixo):
– Fraqueza geral, sensação de mal-estar, fadiga (evidência de que o corpo está combatendo o vírus)
– Erupção cutânea (de acordo com um estudo de 2021, este é um sintoma comum – cerca de 20% dos casos – mais informações em Comentários abaixo)
– Dores de cabeça (às vezes resultado de febre ou distúrbios do sono)
– Dores musculares ou dores no corpo (uma resposta do corpo à inflamação)
– Frio (este sintoma é mais comum com a gripe ou resfriado, mas também pode ocorrer com a Covid-19)
– Sintomas gastrointestinais: náuseas, vômitos ou diarréia (pensa-se que estes sintomas se devam ao fato de que o vírus pode se multiplicar no trato gastrointestinal.)
– Problemas oculares (por exemplo, lacrimejamento excessivo, conjuntivite)

Frequência dos sintomas (diferenças entre 2020 e 2021 e regiões)
– Em março de 2020, o Wall Street Journal estimou que os primeiros sintomas mais frequentes da Covid-19 eram febre em 98% dos casos, tosse em 76% e dor ou fadiga em 44% dos casos. Um ano depois, as autoridades suíças através de seu site oficial (FOPH) ainda estimaram que febre, tosse e dor (no peito) eram sintomas frequentes, mas menos fadiga. Um número significativo de pessoas não está com febre durante a Covid-19. Portanto, o número de 98% dos casos com febre não está mais correto um ano depois, ou seja, em março de 2021.
– Mas em agosto de 2020, um artigo da revista britânica The Economist estimou, citando o CDC americano em particular, que os primeiros sintomas mais frequentes, aqueles presentes na época do teste PCR positivo para Covid-19, eram fadiga em cerca de 70% dos casos, tosse em pouco mais de 60% dos casos, dor de cabeça em pouco mais de 60% dos casos, perda de olfato ou gosto em pouco mais de 50% dos casos, falta de ar em pouco mais de 50% dos casos e falta de oxigênio em pouco mais de 60% dos casos, dor de cabeça em pouco mais de 60% dos casos, perda de olfato ou gosto em pouco mais de 50% dos casos, falta de ar em pouco mais de 30% dos casos, dor no peito em pouco menos de 30% dos casos e confusão mental em cerca de 20% dos casos. Como pode ser visto, a febre, que é muito comum, não foi incluída como um sintoma neste artigo do Economist.
– Um estudo do Ministério da Saúde e da Universidade Federal de Pelotas (sul do Brasil) sobre 2.000 pessoas positivas para este vírus divulgado em 3 de julho de 2020 mostrou que o principal sintoma do Covid-19 era a perda do gosto ou do cheiro, presente em cerca de 63% dos infectados, mais do que dor de cabeça (62%), febre (56%), tosse (53%) ou dor no corpo (52%).

Notas sobre os diferentes sintomas
Sintomas dermatológicos
– Um estudo britânico publicado em janeiro de 2021 na BJD (DOI: 10.1111/bjd.19807), que levou em conta quase 350.000 pessoas, mostrou que em 21% das pessoas infectadas com o vírus causador do Covid-19, os únicos sintomas ou sinais dermatológicos estavam presentes.
– Na França, em 2020, alguns casos de eritema facial foram detectados em conexão com a Covid-19. Nos pés e nas mãos, urticária, vermelhidão e inchaços mais ou menos dolorosos também foram observados, para não serem confundidos com “falsas frieiras” que podem ser devidas à lavagem excessiva das mãos. Às vezes, os dedos dos pés ou dos pés ficam pretos como se tivessem sido esmagados5. Estes distúrbios de pele podem durar uma semana, aparecendo ao mesmo tempo que outros sintomas da Covid-19
Perda do olfato (anosmia) e do paladar (em um estudo este foi o sintoma principal)
– Perda do olfato (anosmia) e do gosto têm sido observados em pacientes com Covid-19. A perda do olfato (anosmia), sem rinite, é muito típica da Covid-19, de acordo com vários estudos. Entretanto, a anosmia ocorre freqüentemente após infecções do trato respiratório superior, não apenas do Covid-198. O cheiro e o gosto retornam na maioria dos casos dentro de poucos dias após a perda original. A perda do olfato (anosmia) e do gosto geralmente dura de nove a catorze dias.
– Em 3 de janeiro de 2021, o canal francês de notícias France 2, mostrou o testemunho de um francês que tinha sintomas graves de Covid-19 com uma longa hospitalização e que mais de 6 meses após os primeiros sintomas de Covid-19 ainda não havia recuperado seu paladar e olfato.
– No início de janeiro de 2021, um estudo relatou que 86% dos pacientes Covid-19 com sintomas leves tinham uma perda de odor relatada. Neste estudo de 2.581 pacientes de 18 hospitais europeus, a prevalência de disfunção olfativa relatada pelo paciente (incluindo perda do olfato) foi de 85,9% em casos leves ou sintomas leves de Covid-19, 4,5% em casos moderados e 6,9% em casos severos a críticos. A duração média da disfunção olfativa auto-referida foi de 21,6 dias, mas quase um quarto dos pacientes afetados relataram que seu olfato não havia sido restaurado 60 dias após a perda. O estudo foi publicado em 5 de janeiro de 2021 na revista científica Journal of Internal Medicine (DOI: 10.1111/joim.13209).
– De acordo com um estudo francês publicado em maio de 2021, a perda do olfato na Covid-19 pode persistir por vários meses em alguns pacientes e estes sinais clínicos podem ser atribuídos à persistência do vírus e à inflamação da mucosa olfativa. Em particular, os cientistas descobriram que o SARS-CoV-2 infecta neurônios sensoriais e causa inflamação do epitélio olfatório e do sistema nervoso. O SARS-CoV-2 pode persistir no epitélio olfativo por vários meses. Este estudo, realizado por pesquisadores do Institut Pasteur, foi publicado em 3 de maio de 2021 na revista científica Science Translational Medicine (DOI: 10.1126/scitranslmed.abf8396).
Sintomas digestivos (por exemplo, diarréia)
Na Alemanha, o diretor do Instituto de Virologia em Bonn (Alemanha) estimou que a diarréia foi observada em 30% dos casos de Covid-19. Além disso, de acordo com um artigo da CNN.com publicado em 18 de março de 2020, baseado em um pequeno estudo de 200 pessoas com Covid-19, os sintomas digestivos (por exemplo, diarréia, náuseas, vômitos, perda de apetite) podem ser mais comuns do que se pensava anteriormente e podem estar presentes em quase 50% dos casos de Covid-19. Estes sintomas podem durar apenas um dia. Em crianças, a primeira manifestação do Covid-19 pode ser sintomas gastrointestinais.
Problemas oculares:
A Covid-19 pode causar problemas oculares, como vasos sanguíneos aumentados, pálpebras inchadas, lacrimejamento excessivo e aumento da descarga. A infecção também pode causar sensibilidade à luz e irritação. Esses sintomas são mais comuns em pessoas com sintomas graves da doença.
Perda/confusão de memória
Confusão significativa e perda de pontos de referência são possíveis sintomas do Covid-19, especialmente em pacientes hospitalizados, como relatado no Le Figaro em 18 de abril de 2020. Esta perda de rolamentos está às vezes relacionada à falta de oxigênio no sangue, mas em alguns pacientes o nível de confusão parece ser desproporcional ao nível de afeição de seus pulmões, ainda de acordo com o Le Figaro. Os cientistas ainda não sabem se esses distúrbios neurológicos são duradouros.

Duração dos sintomas
O paciente geralmente se recupera, na ausência de complicações, cerca de 1 semana (às vezes menos) após o início dos sintomas. Mas cada vez mais pessoas com Covid-19, que não estão hospitalizadas, descobrem que a febre e a tosse em particular podem durar semanas, por exemplo, até 6 semanas. Quanto mais graves os sintomas (por exemplo, hospitalização), mais longa é a duração dos sintomas. Mas mesmo as pessoas infectadas que tiveram sintomas leves a moderados podem ter sintomas que duram mais de 3 semanas após o início da doença, isto representa cerca de 10% dos casos.
Cerca de 1% das pessoas que sobreviveram ao Covid-19 têm sintomas que podem ser problemáticos meses após o início da doença, como fadiga crônica e problemas pulmonares, de acordo com um artigo do The Economist de setembro de 2020.
Sintomas 14 a 21 dias após o início
A tosse é o sintoma que tende a durar mais 14 a 21 dias após o início da doença, em cerca de 45% dos casos. Outros sintomas possíveis 14 a 21 dias após o início dos sintomas incluem fadiga (cerca de 35% dos casos), dor de cabeça (menos de 20%), perda de gosto e cheiro (um pouco mais de 20%), dificuldade para respirar (cerca de 30%), dor no peito (cerca de 20%) e confusão mental (menos de 20%).

Pessoas sem sintomas (assintomáticas) – Cerca de 20%.
Entre 6% e 41% das pessoas que apresentam teste positivo para Covid-19, ou seja, estão infectadas com o vírus, não apresentam sintomas, de acordo com um artigo do Wall Street Journal de 10 de junho de 2020, citando dados da OMS. Como pode ser visto, a faixa de 6% a 41% é ampla, o valor de cerca de 25% das pessoas assintomáticas é às vezes avançado por alguns meios como uma aproximação.
Em julho de 2020, um estudo brasileiro mostrou que 91% das pessoas infectadas com Covid-19 apresentavam sintomas. Este estudo do Ministério da Saúde e da Universidade Federal de Pelotas (sul do país), realizado em 2000 pessoas positivas para este vírus, foi divulgado em 3 de julho de 2020.
Em setembro de 2020, um grande estudo suíço realizado pela Universidade de Berna mostrou que cerca de 20% das pessoas com o vírus não desenvolvem sintomas. O estudo, uma revisão dos estudos e meta-análises, foi publicado em 22 de setembro de 2020 na revista científica PLOS Medicine (DOI: 10.1371/journal.pmed.1003346).

Riscos
Complicações – Curso severo
No caso de um curso grave da doença, pode ocorrer dificuldade em respirar após cerca de uma semana (em média 9 dias para a estirpe ou variante que circulou por muito tempo em 2020 em todo o mundo e mais 3 a 4 dias para a variante P.1, identificada pela primeira vez em Manaus, Brasil), e no pior caso, pode ocorrer pneumonia com síndrome do desconforto respiratório agudo e envolvimento de outros órgãos e sistemas. A pneumonia severa é sempre acompanhada de febre (acima de 38°C). A sepse é outra possível complicação grave da Covid-19 (ver parágrafo abaixo). Problemas cardíacos (por exemplo, ataque cardíaco) e derrame também foram relatados com mortes.
A falta de ar vem de uma diminuição da capacidade do pulmão de oxigenar adequadamente o sangue, o que é um sinal típico de pneumonia (ver infografia abaixo). Quase todos que estão hospitalizados têm sintomas de pneumonia.18
Em um artigo da principal revista The Economist de 6 de junho de 2020, o número de pessoas diagnosticadas com Covid-19 que precisam ser hospitalizadas foi estimado em 10-15%, o que representaria menos de 5% de todas as pessoas infectadas (pois algumas pessoas infectadas não são diagnosticadas). No final de agosto de 2020, de acordo com a The Economist, apenas 3-4% das pessoas infectadas foram admitidas em um hospital na Europa.

A septicemia como causa de morte
Segundo especialistas, muitas pessoas que ficam doentes após serem infectadas pela Covid-19 morrem por envenenamento sanguíneo não detectado (sepse, antigamente chamada sepse). “Um grande problema é que muitos pacientes que querem se tratar em casa com a doença Covid-19 descomplicada não percebem a tempo quando ela se transforma em sépsis”. Konrad Reinhart, diretor da Fundação Alemã Sepsis, disse a uma rede de editores alemães (Redaktionsnetzwerk Deutschland) na quinta-feira, 21 de janeiro de 2021. A falta de conhecimento sobre a sepse é generalizada entre a população, mas também em parte entre o pessoal médico ou de enfermagem, a declaração continua.

Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo e Tempestade de Citocinas
A Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo (SARA) é uma das principais causas de morte em pacientes com Covid-1920. A SDRA afeta entre 3 e 17% de todos os pacientes com Covid-19. Com base nas informações disponíveis, o CDC dos EUA estima que 20-42% dos pacientes hospitalizados com Covid-19 desenvolverão SDRA. Para pacientes admitidos em terapia intensiva, estima-se que a faixa de variação seja de 67% a 85%. Pesquisas realizadas antes da pandemia sugeriram que aproximadamente 45% dos pacientes que desenvolvem SDRA grave irão morrer.

Tempestade de citocinas
Acredita-se que na SDRA e em outros pacientes gravemente afetados com Covid-19, eles experimentam uma hiperatividade do sistema imunológico chamada tempestade de citocinas. As citocinas são um grupo de moléculas de sinalização do sistema imunológico. Algumas citocinas são projetadas para recrutar glóbulos brancos para o local da infecção, neste caso, o vírus. Se demasiados glóbulos brancos chegam de uma vez, eles podem atacar as próprias células do corpo. Tocilizumab, um anticorpo monoclonal, pode diminuir esta tempestade ou ataque de citocinas.

Fontes & Referências:
Mayo Clinic, BBC, CDC, Prevention.com, Le Temps

Referências de estudo:
BJD (DOI: 10.1111/bjd.19807), PLOS Medicine (DOI: 10.1371/journal.pmed.1003346), Science Translational Medicine (DOI: 10.1126/scitranslmed.abf8396).

Pessoas responsáveis e envolvidas na redação deste arquivo:
Xavier Gruffat (Farmacêutico e Chefe de Redação da Creapharma)

Créditos das fotos:
Adobe Stock, © 2021 Pixabay, Creapharma.ch

Infographics:
Pharmanetis Sàrl (Creapharma.ch)

Última data de atualização:
29.06.2021

Esta informação foi útil?

Fontes de rodapé:

  1. Artigo do site do jornal suíço Le Temps de 28 de junho de 2021, o jornal citando uma publicação do pesquisador Tim Spector do King’s College London (KCL)
Observação da redação: este artigo foi modificado em 29.06.2021

Publicidade