5 causas médicas de fadiga persistente

PUBLICIDADE

Você tem a impressão de estar sempre cansado? Esta condição pode ser o resultado de muito estresse diário, falta de sono, aporte insuficiente de calorias ou o sintoma de uma doença. Descubra neste artigo por que a fadiga pode persistir e quais soluções adotadas para recuperar a força e o vigor.

1. A anemia

PUBLICIDADE

Em caso de anemia, uma sensação de cansaço permanente pode aparecer. Esta doença é causada por uma deficiência de glóbulos vermelhos, cujo papel é fornecer oxigênio aos tecidos e células. A anemia pode ser causada por deficiência de vitaminas, deficiência de ferro, perda grave de sangue ou hemorragia interna. Algumas doenças crônicas, como insuficiência renal, artrite reumatóide e câncer também podem causar anemia.
A suplementação com ferro, ácido fólico e vitamina B12 pode ajudar a prevenir a anemia. Quanto à sensação de cansaço, ela pode ser aliviada tomando remédios naturais baseados em plantas adaptogênicas. Essas plantas, como o ginseng, a rhodiola e o eleutherococcus (Ginseng-Siberiano) têm uma propriedade revigorante, enquanto fortalecem as defesas naturais do corpo.

2. As doenças da tireóide

PUBLICIDADE

Quando a produção de hormônios tireoidianos é disfuncional em um indivíduo, até mesmo as atividades cotidianas parecem extremamente desgastantes. Se a glândula tireóide produz muito hormônio, o metabolismo acelera, no chamado hipertireoidismo. No caso oposto, quando são produzidos poucos hormônios, o metabolismo diminui, no chamado hipotireoidismo. Quer se trate de uma falta de produção ou excesso de hormônios secretados pela tireóide, a pessoa tem uma sensação de fadiga e grande fraqueza muscular. Atividades rotineiras, como subir escadas e andar de bicicleta, tornam-se difíceis de fazer. Essa fadiga também causa um problema de concentração.

Além de tomar medicamentos, os problemas da tireoide podem ser tratados com a ingestão adequada de iodo por meio de alimentos, se o hipotireoidismo for causado pela falta de iodo. O consumo de alimentos ricos em fibras alimentares é fortemente recomendado em caso de hipotireoidismo. No entanto, tenha cuidado com alguns vegetais, como o repolho e seus derivados, que podem agir contra a produção de tiroxina. Em caso de hipertireoidismo, é preferível uma dieta pobre em iodo e substâncias estimulantes. Deve ser associado o uso de  suplementos dietéticos ricos em minerais e vitaminas.

3. O diabetes tipo 2

Segundo a Associação Americana de Diabetes (American Diabetes Association), a sensação de fadiga persistente está entre os sinais de alerta de um problema energético que perturba o bom funcionamento do corpo. Este problema energético é um dos precursores do diabetes tipo 2. A sensação de fome, sede excessiva, perda de peso, micção frequente e visão turva muitas vezes acompanham a fadiga dos diabéticos tipo 2.

O suporte do diabetes consiste no uso de insulina regular para o tratamento de ataque, também é essencial aderir a uma dieta rigorosa para controlar melhor a glicemia no organismo. A prática de esporte também é fortemente recomendada, especialmente para pessoas que sofrem de excesso de peso. Algumas plantas têm uma propriedade interessante para estabilizar o açúcar no sangue. Entre as mais conhecidas estão o ginseng, o chá verde, o funcho, a chia e a aloe (babosa). Eles são usados ​​em complemento ao tratamento medicamentoso.

4. A depressão e o estresse

Doença dos tempos modernos, a depressão é caracterizada pela diminuição da energia, uma mudança de hábito no sono e na alimentação, problemas de memória e de concentração, assim como sentimentos de negatividade e desesperança. Segundo a OMS, a depressão pode se tornar a doença mais frequente no mundo até 2030. Sem um manejo adequado, os sintomas da depressão podem persistir por meses ou até mesmo anos. Da mesma forma, a exposição permanente ao estresse pode promover depressão e fadiga física e mental.

Além dos antidepressivos prescritos por um médico, é possível lutar contra a depressão com métodos naturais. O chás de jasmim e de erva de São João são alguns dos remédios comuns para a depressão. Se for uma depressão leve ou moderada, a melissa e a genciana também são recomendadas. Qualquer que seja o tratamento escolhido, a prática de esporte é recomendada, pois atua contra os sintomas da depressão. Finalmente, apoio psicológico pode ser necessário para dissipar a sensação de negatividade. Em caso de muito estresse, separar alguns minutos por dia para caminhar ou descansar em um local calmo, perto da natureza, um estudo mostra que apenas 20 minutos na natureza ajudam a reduzir o estresse.

5. A apnéia do sono e a falta de sono

Indispensável para o corpo humano, o sono garante o descanso do corpo nos níveis físico, mental e energético. É durante as diferentes fases do sono que os músculos relaxam e o corpo é energizado. A apnéia do sono causa um déficit desse estágio de repouso do corpo. Essa interrupção do sono é a causa da fadiga persistente que pode progredir para outros problemas mais graves, como doenças cardíacas, se nenhuma medida for adotada.

No caso de apneia do sono grave, o uso de dispositivo durante o sono ou cirurgia continuam a ser as únicas escolhas para o paciente. No caso de apnéia leve, uma mudança de hábito pode trazer alívio real e melhorar a sensação de bem-estar. Ao dormir, favorecer a posição lateral e liberar a área ao redor do nariz. Para eliminar a fadiga diurna, tomar ginseng ou chá verde pode realmente ajudar. Finalmente, evite alimentos que são difíceis de digerir antes de ir para a cama. O álcool também deve ser evitado, especialmente depois das 18h, porque pode ser um fator desencadeante da apneia do sono.

Deve-se notar que, mesmo na ausência de apneia do sono, a falta de sono diário devido à hora tardia de dormir causa fadiga permanente. Portanto, é importante garantir que você durma o suficiente para permitir que o corpo recupere toda a energia que gasta diariamente. Não se esqueça de comer de forma equilibrada, pois é da comida que o corpo extrai os nutrientes necessários para a produção de energia.

25 de Agosto de 2019. Pela equipe editorial do Criasaude.com.br (supervisão científica de Xavier Gruffat, farmacêutico). Créditos das fotos: Adobe Stock

PUBLICIDADE

Observação da redação: este artigo foi modificado em 20.08.2019

 

Inscrever-se na nossa newsletter (de graça)

 

Ler também: